sexta-feira, 12 de junho de 2009

A Derrocada da França


E a França caiu...

A decisão da França de abandonar seus aliados e buscar uma paz em separado era algo que deixou, a 17 de junho, de conter qualquer elemento de surpresa. Já durante algum tempo antes, apesar das afirmações periódicas de imperturbável união entre a Grã-Bretanha e a França, a probabilidade de tal passo tinha estado a aumentar gradualmente. Na verdade, os próprios tons desses pronunciamentos emprestavam côr à possibilidade. Churchill, por exemplo, afirmou a 19 de maio: "Recebi dos chefes da República Francesa e em particular de seu indomável primeiro ministro sr. Reynaud as mais sagradas garantias de que, houvesse o que houvesse, eles lutariam até o fim." Mas o próprio caráter premente dessa afirmativa concorria para que ela fosse de menor eficiência para o reforço de confiança do que para o despertar de especulações em torno de sua necessidade. E em seu discurso de 4 de junho, Churchill se utilizou de uma frase cujo significado cedo se percebeu. "Tenho plena confiança em que... nos mostraremos novamente capazes de defender a nossa pátria insular e de dominar a tempestade da guerra e sobreviver à ameaça da tirania, por anos se for necessário e se necessário sozinhos."
Mas uma coisa era explicar satisfatoriamente um acontecimento que já se verificara, e outra era prever que tal acontecimento se realizaria. A busca de explicações tendia quase inevitavelmente a transformar-se numa busca de evasivas. A culpa era atribuída de vários modos aos generais, aos políticos, ao soldado raso do exército francês e ao povo francês em geral.

Nenhuma dessas explicações era completamente satisfatória em si mesma. Nenhuma, todavia, podia ser inteiramente desprezada. Os políticos indubitavelmente contribuíram, se não para a própria derrota, pelo menos para uma situação que tornara a derrota possível - se bem que nesta questão havia uma tendência dominadora em certos círculos para sublinhar os erros de cálculo da Esquerda, ignorando ao mesmo tempo as atividades mais sinistras ou mais mal orientadas da Direita. Até certo ponto, entretanto, os conflitos dos políticos franceses contribuíram para a falta de preparo da França. Já desde 1918, as questões sociais vinham aumentando de agudez. A impaciência crescente das massas pela intransigência dos grupos dirigentes tinha sido respondida por uma resistência gradualmente mais inflexível das classes favorecidas a qualquer medida que envolvesse reforma social ou econômica. Essa crescente preocupação pelas questões internas afetou sem dúvida a probabilidade da França adotar um rumo vigoroso e decisivo de política externa. Isto era particularmente verdadeiro depois de 1935, quando os reflexos da luta social se estenderam à esfera internacional, e Berlim e Moscou vieram a simbolizar as principais ameaças ou refúgios das facções que se degladiavam. O resultado foi uma semiparalisia de decisão nos problemas externos, a qual contribuiu para o preparo dos fundamentos diplomáticos - e talvez também militares - da catástrofe final.
Grupo anti-tanque com um Hotchkiss 37mm

Então, subitamente, alguns observadores descobriram a existência de um sentimento muito difundido de derrotismo entre o povo francês. A descoberta não era totalmente convincente, mas indicou talvez certas características do moral nacional. Poucos afirmariam que a guerra foi saudada na França com grande entusiasmo. Ela entrou na guerra não para repelir qualquer invasão iminente, mas sim para subjugar um inimigo potencial antes que se tornasse tão forte que lhe fosse impossível resistir militarmente. Um Hitler que dominasse a Europa oriental poderia significar uma França subjugada sem travar sequer uma batalha. Este era o ponto de vista daqueles que se mostravam partidários de uma resistência a favor da Polônia. Mas era um ponto de vista passível de ser debatido e em torno do qual certos grupos franceses estavam prontos para entrar em debates. As dúvidas sobre a sua validade podem ter concorrido para o aumento do desencorajamento nacional quando a guerra começou a tomar um rumo desfavorável, auxiliando assim os agentes de Hitler e seus aliados no país na tarefa do enfraquecimento da resistência popular. O que tornava tudo isso difícil de ser avaliado era a falta de qualquer direção eficiente do espírito de resistência no momento crítico. Nenhum Gambetta se ergueu para conclamar a nação para novos e heróicos esforços; e o refrão Il faut en finir que marcara a atitude da nação em relação à luta era uma base inadequada para esforços espontâneos em face de tão rápida e arrasadora derrota.
Infantaria de assalto alemã avança pela França
Mas quando tudo isso era tomado em consideração, ressaltava um fato central. Este era a derrota militar. O exército francês, de tão alto prestígio ao começo da guerra, tinha sido esfacelado por um inimigo superior. Fosse com que fosse que a situação geral da França tivesse contribuído para esse resultado, era ainda a derrocada militar que mais carecia de uma explicação.

O colapso militar
Não poderia ser explicado como sendo devido à qualidade do soldado francês. Este pelo menos não era responsável pela inferioridade no equipamento e pela falha disposição de reservas que se tornaram perfeitamente clara depois de 10 de maio. O mais que se poderia dizer contra ele era que o seu espírito de luta carecia daquele desespero que poderia parcialmente contrabalançar essas deficiências e dar ao Alto Comando um pouco de tempo extraordinário para retificar alguns de seus erros. Ele tinha sido preparado para uma espécie de guerra; viu-se numa outra diferente, que absolutamente não lhe era familiar. Foi submetido a uma concentração de fogo sem precedentes, que fazia com que se parecesse inútil tudo que fizesse em resposta. Viu-se a lutar por dez dias sucessivos contra forças alemães que eram renovadas cada dois ou três dias. Sobretudo, sentia que estava sendo sobrepujado constantemente sem que pudesse travar luta direta com o inimigo. Começou, por fim, a sentir que o seu próprio destacamento estava sendo deixado sozinho e sem apoio para aparar todo o peso do assalto. Quando a luta se apresentava quase sem esperança, seu moral em muitos casos não estava convenientemente preparado para prosseguir o combate e dai vinha a desagregação. Se, entretanto, este era o caso em geral, havia também muitas exceções, e exemplos de tropas francesas mantendo uma resistência corajosa e tenaz não faltaram mesmo depois do começo das negociações de armistício. Um comentarista britânico, escrevendo na The Fighting Forces, pagou-lhes generoso tributo: "As falhas que motivaram a derrota não podem ser atribuídas ao soldado francês. Não há homem algum mais preso ao seu solo natal que o campônio francês, ninguém mais verdadeiramente patriota... A verdadeira causa reside na preparação falha e ineficiente."


Pow's franceses
A culpa dessas falhas cabe em grande parte ao Alto Comando francês. Os preparativos falhos não eram somente materiais, mas também intelectuais. A rigidez da mente foi ilustrada pela sua recusa em admitir que as lições da campanha polonesa tinham qualquer aplicação séria ao problema da defesa francesa. Sua excessiva confiança na tática defensiva fê-lo subestimar de modo fatal o poder que as novas armas e métodos tinham dado ao ataque. Contudo, apesar de centralizar o pensamento em torno da Linha Maginot, o Alto Comando deixou de desenvolvê-la de modo consistente. Com o problema da fronteira belga a exigir uma solução, ele nem estabeleceu defesas fixas adequadas, nem elaborou um eficaz contra-golpe para o caso de uma invasão alemã. E quando o êxito do avanço alemão deitou por terra todos os princípios de sua doutrina, o Alto Comando continuou a agarrar-se aos remanescentes de suas obsessões e permitiu que reservas essenciais fossem deslocadas para as fortificações orientais, quando o destino da França estava em jogo ao longo do Mosa e do Somme.
Esse era um dos fatores da fraqueza aliada, não somente quanto à defesa inicial, mas ainda mais gravemente na questão vital dos contra-ataques. Nos dias que se seguiram à ruptura alemã até o Canal, essa fraqueza era ainda mais evidente. Por vários dias, os alemães mantiveram um corredor precário de apenas 20 km. de largura. O fechamento desse corredor teria isolado substanciais forças alemães e retardado, senão impedido, o seu avanço através de Flandres.
Apenas uma tentativa séria foi feita para o conseguimento dessa finalidade. E essa foi levada a efeito pelas forças britânicas, a 22 de maio, com apenas duas divisões e sem apoio francês. Embora ganhasse algum terreno não foi suficientemente forte para provocar uma ruptura; e, carecendo de força para aproveitar as vantagens obtidas, as divisões britânicas viram-se avançando para uma armadilha e foram obrigadas a recuar. Um plano mais ambicioso, se bem que ainda limitado, foi entretanto desenvolvido ao mesmo tempo por Weygand. Ele envolvia a sincronização de uma nova investida ao norte, em que duas divisões britânicas, outra vez, tomariam parte, com o avanço do principal exército francês no sul. Foi originariamente marcado para o dia 25 de maio, mas a necessidade de repouso e de reforma das divisões britânicas provocou o seu retardamento até o dia 26. Esse dia, entretanto, era tardio demais. A essa data, o ataque alemão ao exército belga tornou iminente o colapso deste, e todas as forças britânicas disponíveis foram mandadas rapidamente para o norte a fim de apoiá-lo. Privados do esperado auxílio britânico, os franceses desistiram de seu plano, e com a rendição belga todas as possibilidades de revivê-lo desapareceram.




Linha Maginot

Túnel dentro da Linha Maginot
Soldados no interior das fortificações da Linha Maginot

A importância desse episódio consiste não somente na revelação que faz da coordenação imperfeita entre os comandantes aliados. Mostra também como havia escassez de reservas disponíveis quando em conseqüência da falta de auxílio de duas divisões britânicas o principal exército francês achou-se incapaz de lançar sequer um contra-ataque limitado. Mais alarmante ainda era a falta de habilidade francesa para reaver mesmo as posições locais de primeira importância. Isto foi demonstrado com o fracasso da tentativa de recaptura das cabeças de ponte que os alemães estabeleceram ao longo do Somme. Quando a batalha da França começou, essas serviram de vias para o assalto mecanizado alemão; e os tanques lançados dessas cabeças de ponte foram capazes de furar a linha Weygand, iniciando o desmantelamento final de toda a frente.
A Batalha da França revelava de modo cada vez mais claro a inferioridade francesa, não somente em equipamento, mas, o que era mais surpreendente, em número. Afirmou-se oficialmente que a França mobilizara entre cinco e seis milhões de homens. Mas mesmo admitindo-se que entre vinte e trinta divisões foram dispostas na fronteira italiana, era difícil imaginar-se onde esses homens poderiam estar, e aumentava a suspeita de que esses números eram em grande parte um mito. Mais tarde, num comunicado em que comparava os esforços britânicos e franceses e no qual não tinha motivos para subestimar os da França, Paul Baudoin fixou o total da mobilização em três milhões. De acordo com Pétain, os franceses no auge do avanço final puderam dispor em linha apenas sessenta divisões contra cento e cinqüenta divisões alemães. "É provável", escreveu um oficial de engenharia americano, "que a 5 de junho, quando o golpe foi desfechado, o poder combativo dos alemães entre Abbeville e Montmedy tenha sido o dobro do dos franceses. E já que os alemães retinham a iniciativa e uma mobilidade superior, essa proporção poderia facilmente alcançar quatro para um em determinados pontos. Os franceses simplesmente careciam de força para impedir uma ruptura da frente."

"O objetivo da nova fase de operações", disse o Alto Comando alemão", era romper a frente setentrional francesa, forçando o despedaçamento das unidades francesas rumo ao sudoeste e sudeste para depois destruí-las." O caminho foi aberto quando os franceses eram impelidos da linha do Somme, e com a travessia do Sena e do Marne o objetivo estava quase alcançado. Os exércitos franceses nessa região foram metodicamente cortados em pedaços. Esforços tardios para trazer reforços do setor atrás da Linha Maginot foram prejudicados pelo rompimento das comunicações, devido não somente ao bombardeio da retaguarda do front, como também ao fato de que o avanço tinha cortado as linhas ferroviárias mais diretas. A tentativa de retirada para o Loire fracassou quando as tropas encontraram as estradas atravancadas por uma torrente de refugiados e o rápido avanço mecanizado alemão ultrapassou os franceses retirantes. O Loire por si mesmo era ineficaz como linha de defesa, e a retirada permitiu aos alemães desembarcar na retaguarda da Linha Maginot e auxiliou o sucesso do ataque frontal que perfurou as defesas em dois pontos. Algumas das tropas nessa área continuaram a resistir até o fim, mas toda a esperança numa frente coerente tinha desaparecido. A 9 de junho, Weygand, com irônica ambigüidade, disse ao exército: "Este é o último quarto de hora. Agüentem firmes!" Mas quando passou o último quarto de hora, o principal exército francês deixou de existir como força combativa efetiva.


O colapso político
Quando Weygand substituiu Gamelin no comando das forças aliadas, tomou a si uma causa que sentia já estar perdida. Essa convicção foi reforçada quando a situação militar foi de mal a pior; e quando os alemães lançaram o ataque à linha do Somme, Weygand chegou à firme conclusão de que essa era a prova final, e de que se a França fosse uma vez mais obrigada a ceder caminho a rendição seria inevitável.


General Weygand
Nessa crença ele teve o apoio de um grupo crescente dentro do governo. A crise ministerial de 5 de junho resultara na eliminação dos mais ativos advogados da causa da paz em separado. Mas entre os novos membros introduzidos no gabinete para fortalecer o espírito de resistência houve alguns, como Paul Baudoin, que em poucos dias se passaram para o partido da paz; e outros de espírito firme até aquela data ficaram convencidos de que, com a rendição de Paris, nenhuma esperança mais restava. A 12 de junho, a questão chegou a uma decisão, quando o gabinete, reunido em Tours, foi informado por Weygand de que a batalha estava perdida e de que nada restava senão solicitar um armistício.

Houve ainda considerável resistência a essa proposta. Mesmo admitido que a possibilidade de resistência em solo francês estava quase no fim, havia ainda a possibilidade de se conduzir a luta nas colônias. Reynaud se fez porta-voz dos que estavam contra a rendição quando - em palavras já parcialmente falsificadas - escreveu a Roosevelt, no dia 10: "Lutaremos na frente de Paris; lutaremos atrás de Paris; fechar-nos-emos numa de nossas províncias para lutar, e se ainda dela formos afastados, estabelecer-nos-emos na África do Norte para continuar a luta, e se necessário, mesmo em nossas possessões da América continuaremos a combater."

A isso, porém, tanto Weygand como Pétain, apoiados por uma parte do gabinete, se opunham firmemente. Weygand estava visivelmente obsessionado pela crescente desorganização da autoridade civil e pelo perigo de ela conduzir a uma revolução. Alegou-se mesmo que ele dissera ao gabinete que motins comunistas tinham irrompido em Paris - informe que Mandel imediatamente desfez chamando o chefe de Polícia da Capital e obtendo um desmentido autorizado. Mas apesar de tudo, perdurava o receio de tais motins; e a acompanhá-lo havia a esperança de que, fazendo-se a paz antes que tudo estivesse perdido, alguns resquícios da independência francesa ainda pudessem ser salvos. Pierre Lazareff, diretor do Paris Soir, atribuiu a Pétain palavras que, mesmo que apócrifas. expressavam indubitavelmente os pontos de vista do partido da paz: "Solicitemos imediatamente um armistício, enquanto ainda se mantêm intactos a nossa marinha e grande parte do nosso exército e a Linha Maginot continua a resistir. Mais tarde, estaremos a mercê do vencedor... Não podemos entregar a nação a si própria e aos invasores. Fiquemos no nosso solo sagrado para tomar conta de nosso povo. E antes que soe a hora em que o vencedor, nada tendo a recear, se recuse a discutir condições, obtenhamos dele a garantia de que os nossos jovens e as nossas cidades serão poupados a ponto de termos em mãos ainda a possibilidade de um renascimento."

Mas se o futuro da França era o primeiro a considerar-se, não era pelo menos o único. A Grã-Bretanha era aliada da França, e a França lhe estava ligada por compromissos que, honradamente, não poderiam ser ignorados. A 28 de março, depois de uma reunião do Supremo Conselho de Guerra em Londres, uma declaração conjunta foi emitida pelos dois governos, nos seguintes termos:

"O Governo da República Francesa e o Governo de Sua Majestade... resolvem mutuamente que durante a presente guerra não negociarão ou concluirão um armistício, nem tratado de paz, exceto por consentimento mútuo.

Acordam ainda em não discutirem condições de paz antes de chegarem a completo acordo sobre as condições necessárias para assegurar a cada um dos dois uma garantia duradoura e efetiva de segurança.

Finalmente, acordam em manter depois da conclusão da paz uma comunidade de ação em todas as esferas até o prazo em que se mostre necessário para salvaguardar a sua segurança e efetuar a reconstrução, com a assistência de outras nações, de uma ordem internacional que garanta a liberdade dos povos, o respeito à lei e a manutenção da paz na Europa."

O gabinete, entretanto, decidiu que à Grã-Bretanha deveria ser solicitado o livramento da França desse seu compromisso; e Reynaud, capitulando diante do sentimento da maioria, obteve uma entrevista com Churchill, que, acompanhado por Halifax e Beaverbrook, voou a Tours no dia 13. Os ministros britânicos se recusaram a, nessa fase, libertar a França de seus compromissos, mas prometeram todo o auxílio disponível para barrar o avanço alemão. (A Força Aérea Britânica, de fato, empenhou-se em pesadas ações em conseqüência disso, e todas as tropas que se pôde reunir na Inglaterra, inclusive uma força de canadenses, foram mandadas rapidamente à França). Concordaram, todavia, com que Reynaud fizesse um novo apelo aos Estados Unidos, e com que, no caso de uma resposta não satisfatória, a situação fosse novamente examinada.

A anterior mensagem de Reynaud, datada de 10 de junho, solicitando "assistência nova e cada vez maior", tinha sido respondida com a promessa de que todos os esforços seriam feitos para apressar e aumentar a remessa de suprimentos. Ao "novo e final apelo" de Reynaud a 13 de junho, o presidente somente pôde responder que o governo faria todos os esforços possíveis nas condições presentes, e que se sentia impelido a acrescentar a advertência de que isso não implicava em auxílio militar, já que somente o Congresso tinha o poder de tomar tais resoluções.

No dia 16, à luz dessa resposta, a França apelou uma vez mais para a Grã-Bretanha. A resposta foi a proposta sensacional de se fundir os dois impérios, para que a guerra pudesse prosseguir em comum. Um único gabinete de guerra seria estabelecido, os dois parlamentos se associariam formalmente e a União apelaria para os Estados Unidos no sentido de "fortalecer os recursos econômicos dos aliados e dar-lhes sua poderosa assistência material, para a causa comum." Era uma garantia implícita de que a causa francesa seria defendida até o último inglês. Mas o grupo pró-paz da França achou nessa proposta um motivo mais de alarme que de entusiasmo. Achava que a França perderia a independência e cairia sob a dominação inglesa. A arriscarem-se a isso, preferiam entregar-se ao suave arbítrio da Alemanha nazista.

A Inglaterra resignou-se, pois, à perspectiva da defecção francesa. Embora deixasse claro que ela mesma estava determinada a continuar a luta, aquiesceu relutantemente com que a França negociasse um armistício. Mas a mensagem do governo britânico a esse respeito continha uma condição de capital importância. A frota francesa deveria ser enviada a portos britânicos e ali permanecer durante as negociações.

Na tarde do dia I6, Churchill estava para partir a novo encontro com Reynaud quando lhe chegou a notícia de que o ministério francês caíra. Em face da crescente pressão do partido pró-paz e das defecções a seu favor, Reynaud se viu obrigado a renunciar. Aparentemente, ele jamais considerara a tentativa de angariar apoio no Parlamento ou na nação contra os que advogavam a rendição. Pode ter tido a esperança de, por sua renúncia, dissolver o ministério existente e ganhar assim nova oportunidade para formar outro mais resoluto. Mas o presidente Lebrun estava agora ao lado do partido da paz. Ao invés de conceder a Reynaud novo mandato, voltou-se para Pétain.

O ministério organizado pelo velho marechal compunha-se não somente dos principais membros do partido pró-paz como também, predominantemente, de representantes da Direita. A figura principal era Pierre Laval, que até então se destacava como principal adversário de Reynaud e o verdadeiro arquiteto do bloco pró-paz. Todas as hesitações chegaram então ao fim. Pétain imediatamente iniciou negociações com a Alemanha, através do governo de seu velho pupilo, o general Franco. A 17 de junho, anunciou ao povo francês: "Dirigi-me ao nosso adversário para perguntar-lhe se estava disposto a firmar conosco, como entre soldados depois da luta e com honra, meios de pôr fim às hostilidades."


Os pontos do armistício

Para Hitler, a fraseologia de Pétain deve ter soado como tolice antiquada. A questão da honra provavelmente lhe importava menos que a questão prática dos fins eficazes. Ele deve ter tomado em consideração os sentimentos franceses somente até o ponto de se abster de impor condições que provocassem os franceses à luta e não à submissão. Mas pouco depois exigia o máximo - e numa base que abriria caminho para conseqüências futuras indefinidas.

A 18 de junho, Hitler discutiu as condições em perspectiva com Mussolini em Munique. A presença do Duce constituía uma recordação de que outras facções que não a França e a Alemanha estavam interessadas. Não estava bem claro se a França teve a intenção de combater a Itália, ou se - como parecia provável - o seu governo apenas encarara o fato de que a Itália era beligerante, em vista da natureza modesta de sua beligerância. Em qualquer caso, a França foi imediatamente convidada a remediar esse pouco caso; e a 20 de junho, algo retardadamente, uma solicitação de armistício foi encaminhada a Roma.

Hitler, no centro do grupo, com a mão na anca, ao lado do Reichsmarschall Hermann Goering, e seus generais, perante a estátua do marechal Ferdinand Foch antes da assinatura do armistício. À direita da imagem pode ver-se uma parte da carruagem do armistício.


Imagem da carruagem do armistício, utilizada para a assinatura deste armistício e para a do Armistício de 11 de novembro de 1918.

No dia seguinte, enquanto as tropas francesas continuavam a combater os alemães em avanço, Hitler e seu estado-maior receberam os negociadores franceses. O vagão ferroviário em que Foch se sentara foi transportado até o ponto da floresta de Compiègne em que o armistício de 1918 foi assinado. Nesse local simbólico, os representantes da França derrotada confrontaram os alemães vitoriosos. Depois de submetidos a um discurso em torno das desgraças passadas e inocência atual da Alemanha, eles receberam as exigências alemães com a garantia de que a Alemanha não teve a intenção de dar às condições "o caráter de um insulto a tão valente adversário". Discussões posteriores resultaram em modificações de certos pontos, e no dia 22 as condições foram aceitas. Mas mesmo isso não pôs fim às hostilidades, que deveriam cessar somente quando também com a Itália se chegasse a um acordo satisfatório. No dia 24, a França chegou a um acordo com Roma; e a esse tempo as tropas alemães formavam uma linha que corria, através da França, do lago de Genebra à foz do Gironda. A 1h35 da madrugada de 25 de junho, exatamente oito dias depois que seus líderes admitiram estar a sua causa sem esperanças, as tropas francesas receberam, afinal, ordem de depor as armas.


O governo francês desde o começo das negociações alegara que somente uma paz honrosa seria aceitável. "Se os franceses são obrigados a escolher entre a existência e a honra", disse Baudoin, "sua escolha está feita". Essa afirmativa foi repetida enfaticamente durante os dias que se seguiram. Mas à medida que era retardada a conclusão do armistício, e a imprensa e rádio alemães continuavam a acentuar que um país derrotado tinha de se render incondicionalmente, a perturbação do governo crescia. Uma resistência renovada foi ligeiramente considerada, mas na mente dos líderes franceses ela era um recurso desesperado que somente no último caso deveria ser tentado. Na ocasião em que as condições do armistício lhes foram comunicadas, eles estavam numa situação moral capaz de aceitar com, alívio quase todas as condições, inclusive as que privariam do caráter de independência o governo francês.

Esta foi quase a única concessão dada pelos acordos do armistício. As vantagens dadas à Itália, na verdade, eram tão pequenas que quase não passavam de um gesto aberto de desprezo da Alemanha para um associado de menor importância. Por uma bela ironia, os ganhos territoriais italianos eram limitados à ocupação das poucas milhas de solo francês que tinham sido conquistadas no lento avanço para os quatro dias que precederam o armistício. Houve um gesto em relação à segurança de suas fronteiras, entretanto, com a criação de zonas desmilitarizadas ao longo tanto das fronteiras alpinas como das coloniais africanas; e lhe foram concedidos direitos plenos ao porto de Djibuti e da secção francesa da estrada de ferro de Djibuti a Addis Abeba.

É todo este conjunto de considerações complexas que determinará as condições do acordo de armisticio, um texto breve de vinte e quatro artigos, que contem, entre outras, as seguintes cláusulas:
-Os prisioneiros de guerra (mais de milhão e meio de homens) ficam cativos até à assinatura de um acordo de paz.
-A metade norte, bem como a costa atlântica, ficam sob a ocupação alemã, constituindo a chamada zona ocupada, que abarca aproximadamente três quintas partes do território. O resto constitui a chamada zona livre, isto é, a não ocupada, situada principalmente a sul do rio Loire. Ambas zonas se hallaban separadas pela chamada linha de demarcação.
-França deve prover a manutenção do Exército aleão de ocupação. O importe da dita manutenção é fizado de forma quase discrecional pelos alemães, sendo, como média, de uns 400 milhões de francos por dia.
-Na zona livre, o exército francês fica limitado a 100 000 homens e ditas tropas ficam desarmadas.
-A soberania francesa se exerce sobre o conjunto do território, incluida a zona ocupada, Alsácia e Mosela, mas na zona ocupada se estipula que Alemanha exerce Os direitos da potência ocupante, o que implica que a Administração francesa colabora com ela de um modo correto.
-O império colonial francês fica igualmente sob autoridade do Governo francês.
-Os navios de guerra devem acudir a seus portos em períodos de paz, embora alguns deles, como o de Brest, esteja em zona ocupada.
-França deve entregar os refugiados políticos alemães ou austríacos refugiados em seu território fugindo do nazismo.



General Giraud com os vencedores alemães.

Quanto ao resto, as condições italianas seguiam substancialmente às do armistício alemão, que deixavam a França desarmada e desmembrada. Dois terços da França seriam ocupados - à costa francesa - por tropas alemães. Isto incluía não somente as áreas industriais da França, exceto Lyon, como também toda a costa atlântica, até a fronteira espanhola. O exército francês deveria ser imediatamente desmobilizado, a exceção de uma pequena força para finalidades de segurança interna e cujo efetivo seria indicado pelo vencedor. Todas as fortificações e todo o material bélico deveriam ser entregues. A atividade aérea, mesmo na área não ocupada, foi proibida, e nesta área os campos de aviação ficariam sob o controle germano-italiano. Toda a navegação mercante francesa deveria ser chamada à metrópole e permaneceria em portos franceses até ulterior deliberação. Os prisioneiros de guerra alemães deveriam ser soltos, mas os prisioneiros de guerra franceses ficariam nos campos de concentração alemães até a conclusão da paz. A França deveria entregar todos os cidadãos alemães designados pelo governo alemão - uma concessão particularmente vergonhosa que lançaria milhares de refugiados às mãos vencedoras da Gestapo. A frota deveria ser desarmada nos portos franceses sob controle ítalo-germânico, com a solene garantia de que essas potências não tinham a intenção de utilizá-las para si próprias.
Mas essas condições eram apenas o começo. Os detalhes de sua aplicação foram entregues a uma comissão de armistício sediada em Wiesbaden, onde os alemães podiam exercer pressão constante sobre os impotentes delegados franceses. A Alemanha e a Itália se reservaram o direito de cancelar as condições caso achassem que o governo francês deixara de cumprir suas obrigações. E as condições de uma paz permanente ficariam aguardando a consecução de completa vitória do Eixo, quando uma França desorganizada e impotente seria obrigada a desempenhar seu papel especial na servil organização da Nova Europa de Hitler.
Essas as condições a respeito das quais Pétain disse: "A honra foi salva. Nosso governo permanece livre. A França somente por franceses será governada".



A ditadura Pétain

Os franceses que governavam de Vichy estavam, todavia, determinados a que a França fosse dirigida numa base muito diferente da dos últimos setenta anos. O novo regime representava uma liquidação temporária do elemento essencial e básico da política francesa: - cumprimento ou destruição dos princípios da Revolução de 1879. As forças da Direita estavam agora resolvidas a utilizar a derrota externa para assegurar sua vitória interna. A República, com a sua divisa de Liberdade, Igualdade, Fraternidade, era para esses homens um anátema. Resolveram substituir a liberdade pela disciplina, a igualdade pela autoridade, a fraternidade por uma organização calcada na de seus vencedores totalitários. Com a nova divisa de Trabalho, Família, Pátria, eles iniciaram a tarefa de extirpar as tradições que tinham moldado o espírito da França no último século e meio.


Marechal Pétain, foi um militar francês e líder do governo fantoche instalado na França pelos nazistas durante a Ocupação

Sua primeira medida foi pôr de lado a constituição vigente. A 9 de julho, o Parlamento francês, com a ausência de cerca de um terço de seus membros, aprovara uma resolução concedendo plenos poderes ao governo Pétain. No dia seguinte, isso foi ratificado por ambas as Casas do Parlamento que se reuniram para formar uma Assembléia Nacional. A 11 de julho, o presidente Lebrun passou ao marechal Pétain seus poderes de chefe de Estado. Nesse mesmo dia, a transformação foi completada pela publicação de três decretos que aboliram os principais dispositivos da constituição existente e colocaram nas mãos de Pétain pleno poder legislativo, bem como o controle da diplomacia, do exército, das finanças e das nomeações civis e militares. Os decretos sugeriram a criação de novas assembléias legislativas, mas não lhes prescreveram forma prática. Entrementes, as Câmaras existentes continuariam legalmente a existir, mas como suas reuniões haviam sido proteladas indefinidamente e apenas poderiam reunir-se por determinação de Pétain, sua parte nos negócios públicos parecia haver efetivamente terminado.

Uma série de decretos se seguiram a esses, decretos cujo efeito seria a transformação radical da vida francesa. Eles indicavam a criação de um Estado cuja economia seria predominantemente agrícola e evitaria competir com a Alemanha industrial; a supressão dos partidos políticos e dos sindicatos trabalhistas; uma política de repressão, não apenas contra os judeus e estrangeiros, mas também visando organizações tais como a Maçonaria; e crescente autoridade à Igreja, bem como novas leis de herança destinadas a salvaguardar a base camponesa da agricultura. As próprias divisões locais - de departamentos criados pela Revolução e que serviram de base à administração napoleônica - foram abolidas em favor das províncias mais antigas. "O governo", disse Pétain, "apoiará com todas as suas forças todas as instituições que visem evitar a corrupção da moral e a proteção à real felicidade... A França deve voltar a seu caráter basicamente agrícola e camponês, e sua indústria deve tornar a descobrir sua tradicional qualidade. É portanto preciso pôr-se um fim às desordens econômicas presentes pela organização racional da produção e de organizações corporativas."

Mas essa imitação lisonjeadora, embora sincera, produziu pouca impressão na Alemanha. Pétain alimentara a esperança de que a França em paz reteria força bastante para garantir a independência da política. Laval, com seus sonhos de um Bloco Latino, acreditara em que uma orientação no sentido do sistema fascista faria com que Mussolini protegesse a França contra Hitler e a usasse como uma aliada que pudesse contrabalançar o poderio de uma Alemanha por demais poderosa. Ambos sofreram rude decepção. Nem o avanço para uma ditadura totalitária, nem a instalação de uma corte para julgar os líderes acusados da responsabilidade pela guerra serviram para aquietar as censuras persistentes dos nazistas. O governo era apressado por constante pressão em favor de novas medidas. Os recursos da França foram debilitados pelo fechamento da fronteira da zona ocupada, o que não apenas cortou as comunicações e suprimentos como deixou a área meridional ainda superlotada com a massa de refugiados. A solicitação do governo para que lhe fosse permitida a volta para Paris, embora baseada especificamente nos termos do armistício, foi rejeitada; pois que, embora a solicitação pudesse demonstrar que Pétain não tinha esperanças de fazer uma política que pudesse ofender os conquistadores, os alemães não tinham desejo algum de ver uma possível autoridade rival na zona ocupada. A organização daquela zona, e particularmente as medidas para chamar a Alsácia para mais perto do Reich, demonstravam a decisão alemã de manter a França dividida e de multiplicar as dificuldades que pudessem criar confusão contínua e evitar aquele renascimento que o governo francês tão carinhosamente acalentava. Mais e mais o regime Pétain parecia composto de velhos desesperados a lutar para firmar pé em meio as circunstâncias que jamais poderiam compreender ou controlar. A vaga percepção disto pareceu surgir para Pétain quando se queixou a um grupo de jornalistas, a 20 de agosto: "Estamos presos de modo absoluto aos termos do armistício. Os alemães seguram a corda e torcem-na cada vez que acham que o acordo não está sendo cumprido." (Um dos repórteres atribuiu-lhe uma frase ainda mais pitoresca: "A França está manietada por uma fronteira desde o Atlântico até os Alpes. Toda a vez que fazemos alguma coisa que desagrada as autoridades ocupantes, estas apertam ainda mais as correias.)

2 comentários:

  1. em uma guerra, o que importa é o senso de oportunidade. A frança perdeu a oportunidade de esmagar a alemanha quando não retaliou aopos a invasão da polonia. Teve todas as condições e a alemanha nazi não teria defesa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente o trauma da Primeira Guerra era tanto que paralizou a França diante de uma possível ofenciva.
      Com isso restava esperar o ataque e defender-se sem muito ímpeto.

      Excluir

Favor, sem ofensas, comentários ideológicos, racistas, antissemitas e semelhantes.

Se não concordar, discordar ou mesmo ter a acrescentar com o escrito no post, o dialogo é a melhor opção.

OBS: Não tenho muito tempo para responder todos comentários, então se seu comentário demorar a ser moderado, não venha reclamar comigo, pois tenho outras atividades alem desse blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...