quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Hugo Boss lamenta uso de trabalhadores forçados durante o nazismo

 Livro sobre história da grife revela que trabalhadores foram obrigados a fabricar uniformes para o regime de Hitler. Empresa diz que financiou pesquisa para ter mais clareza sobre seu passado.

 

Hugo Boss era conhecido como 'alfaiate de Hitler'

Sinônimo de moda e elegância, a grife mundialmente famosa Hugo Boss desculpou-se por ter maltratado pessoas que trabalhavam forçadamente na fábrica de uniformes nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

O pedido de desculpas foi divulgado na última quinta-feira (22/09) após revelações feitas no livro Hugo Boss, 1924-1945 – Eine Kleiderfabrik zwischen Weimarer Republik und "Drittem Reich" (Uma Fábrica de Roupas entre a República de Weimar e o Terceiro Reich), financiado pela companhia, que conta a história da empresa e sua relação com o regime nacional-socialista.

De acordo com o pesquisador Roman Köster, autor do livro, a confecção de Hugo Ferdinand Boss, que funcionava na cidade de Metzingen, sul da Alemanha, empregava mão de obra forçada durante a guerra.
A firma Hugo Boss, que já foi chamada de "alfaiate de Hitler", afirma que financiou a pesquisa de Köster com o intuito de acrescentar "clareza e objetividade" às discussões sobre sua história.
"A empresa também lamenta profundamente por aqueles que sofreram ofensas e passaram por dificuldades na fábrica dirigida por Hugo Ferdinand Boss sob o jugo do nazismo", afirma a marca em sua página na internet.

 Boss Nazista

Boss entrou para o Partido Nacional Socialista em 1931, quando a empresa começou a sentir o impacto da crise econômica no país. A Hugo Boss escapou da falência graças à produção de uniformes para soldados alemães das forças paramilitares SA e SS, além da Juventude Hitlerista.

Como era difícil encontrar mão de obra durante a guerra, a fábrica se beneficiou de 140 trabalhadores forçados – a maioria deles, mulheres. Outros 40 prisioneiros de guerra franceses trabalharam para a Hugo Boss entre 1940 e 1941.
 "O fato de se tornar membro do partido em 1931 certamente não o incomodou, mas se você olhar para o resto da carreira de Boss, aí fica claro que ele não entrou para o partido apenas por causa de cálculos financeiros. É possível ver claramente que ele era um nazista convicto", afirma Köster, que realizou pesquisas sobre a vida de Hugo Boss na Universidade das Forças Armadas Alemãs em Munique.
 Hugo Boss começou sua carreira como um simples alfaiate. Após a Primeira Grande Guerra, aos 33 anos de idade, ele fundou sua própria confecção em Metzingen. Nesta época, a produção contava apenas com 30 funcionários e tinha um relativo êxito – longe do atual sucesso internacional da grife, que veio a ser alcançado anos mais tarde.
 De início, paralelamente à fabricação de uniformes, que era compartilhada com outras alfaiatarias, a Hugo Boss também produzia roupas normais para trabalhadores e camisas. Em 1938, conta Köster, a situação mudou com o reinício do recrutamento militar na Alemanha. O foco passou a ser exclusivamente a confecção de uniformes para as forças nazistas. A empresa chegou a contar com 300 funcionários nesta época.

Outros passados
A Hugo Boss não é a única empresa a encomendar estudos independentes para resgatar os laços com o nazismo no passado. Este ano, a Quandts, família de industriais e acionista majoritária da BMW, quebrou seu silêncio. Ela admitiu ter feito uso de milhares de trabalhadores forçados e de terem fechado vários negócios com o governo nazista.
Em 1999, o Deutsche Bank encomendou uma investigação interna sobre as práticas de empréstimo da companhia durante o período nazista. Foi revelado que créditos do banco foram usados para erguer o campo de concentração de Auschwitz.
Firma de Hugo Boss não foi a única fábrica de uniformes nazistas
 O Ministério alemão de Assuntos Estrangeiros também fez uma busca sobre seu passado e descobriu que muitos de seus diplomatas dos anos 1950 e 1960 tiveram passado nazista.
Segundo estudos, cerca de 90% das empresas alemãs se beneficiaram do trabalho escravo ou semiescravo durante a Segunda Guerra Mundial. Calcula-se que no final de 1944 havia, em toda a Alemanha, 7,7 milhões de trabalhadores forçados em todo o país.
Para compensar as vítimas, o governo alemão estabeleceu um fundo de reparação no final dos anos 1990. Empresas com passado nazista disponibilizaram recursos para o fundo, entre elas a Hugo Boss.

Fabricação de ternos
Durante o período de desnazificação, com o fim do regime, em 1945, Boss foi considerado como "reponsável". Apesar disso, ele foi autorizado a continuar tocando sua fábrica, afirma o estudo de Köster.
Boss não viveu tempo suficiente para ver sua empresa virar uma grife mundialmente famosa. Ele morreu em 1948 em Metzingen, sua cidade natal. Gerenciada pelos filhos, a Hugo Boss, passou a se dedicar à produção de ternos bem cortados, pelos quais atualmente é conhecida. Há alguns anos a empresa foi vendida e seus atuais donos não têm mais relação com a família Boss.

Autores: Friedel Taube / Mariana Santos
Revisão: Carlos Albuquerque
Fonte: http://www.dw-world.de/dw/article/0,,15415050,00.html

domingo, 11 de setembro de 2011

A extensa discriminação aos judeus orientais(Ostjuden) pelos judeus-alemães

Polonia, Judeus em Olkusz em foto com alemães, numa situação irônica.

Judeus Orientais (Ostjuden) versus Judeus-Alemães

O exame do trágico conflito entre judeus-alemães e judeus orientais(Ostjuden) antes da chegada de Hitler ao poder ajuda a explicar a confusão dos Mischlinge sobre o que significa ser judeu. Antes da ascensão do nazismo, muitos judeus-alemães, infelizmente, discriminavam os Ostjuden.  Muitos achavam que os pobres, culturalmente atrasados e "sujos" Ostjuden davam má fama aos bens sucedidos Jeckes alemães. Embora muitos judeus-alemães desprezassem os Ostjuden, alguns os ajudavam filantropicamente. Sentiam pena daqueles judeus que deixavam o Leste por causa do comunismo, progroms e luta econômica. Infelizmente, esses judeus-alemães que ajudavam os Ostjuden eram minoria. Muitos judeus-alemães achavam que os Ostjuden  viviam em guetos anacrônicos e só aprendiam "barbarismo talmúdico polonês", em comparação com a refinada Bildung (educação). Para eles, esses "judeus do gueto" vindos do leste seguiam uma religião irracional e supersticiosa dos misticos judeus, que não mais podia funcionar direito num mundo baseado numa religião da razão e do conhecimento. A maioria dos Ostjuden  achava que seus heréticos irmãos daitsch (alemães) haviam deixado a Yddishkeit(judeidade) raspando a barba e não mantendo o santo shabat. Muitos deles denunciavam os movimentos reformistas iniciado na Alemanha. Na Áustria, muitos judeus vienenses também não acolhiam os Ostjuden e demonstravam desprezo por aqueles "pessoas barbudas, vestidas com caftãs".

Assim, muitos judeus e Mischlinge alemães pensavam que Hitler baseava suas diatribes anti-semitas nos Ostjuden que haviam emigrados da "terra do bolchevismo". Os nazistas reforçavam esse engano quando emitiram decretos contra os Ostjuden em 1933 e depois, quando obrigaram 1800deles a deixar o Reich em 1938. Wolf Zuelzer, 75% judeu, explicou  que os judeus-alemães mantinham o preconceito contra os Ostjuden  devido ao isolamento e estilo de vida "primitivo" deles. Zuelzer escreveu que, "para a maioria dos judeus-alemães, os Ostjuden  ortodoxos vestidos de caftã, com chapéu de pele e suíças rituais eram uma aparição assustadora, vindos da Idade Media". No inicio do seculo XX, "muitas das comunidades judaicas locais na Alemanha recusavam-se a permitir que judeus orientais votassem em eleições comunitárias, com base  em que não eram nacionais alemães. O Dr. Max Naumann, judeu, major reformado do Exército da Primeira Guerra Mundial e fundador da organização militante direitista dos Judeus-Alemães Nacionais, escreveu a Hitler a 20 de março de 1935, dizendo que ele e seus seguidores haviam lutado para manter os Ostjuden fora da Alemanha. Achava que aquelas "hordas de judeus meio asiáticos" eram "hospedes perigosos" e deviam ser implacavelmente expulsos".

Naumann queria que Hitler retirasse à força os Ostjuden da Alemanha. Lutou por aceitação pelos nazistas, exibindo a adesão de sua organização ao que julgava fosse a Weltanschauung de Hitler. Naumann esperava ganhar a aprovação de Fuhrer para sua organização. Não reconheceu como isto era impossível. Sua organização não era a unica. A Deustsche Vortrupp (vanguarda Alemã), grupo de estudantes universitários liderados por Hans Joachim Schoeps, acreditava que o que estava no centro do nazismo era a regeneração da sociedade alemã, "não racismo nem ódio racial". Ele e seu grupo queriam fazer parte do apoio aos nazistas na reconstrução da Alemanha. Queriam que os nazistas vissem que eles, como judeus nacionalistas alemães, eram partes da nação alemã. Admitiam que existiam problemas entre judeus e arianos, mas, o que não surpreende, "culpavam os Ostjuden por isso". Os nazistas iam dissolver as organizações de Naumann e Schoeps em 1935. Muitos judeus-alemães viam como um grave perigo para a sua posição os Ostjuden, que,se se deixassem que permanecessem na Alemanha, só iriam intensificar sentimentos anti-semitas. Em várias declarações públicas nas décadas de 1920e 1930, judeus-alemães liberais rotulavam de "inferiores" os Ostjuden, e pediam ajuda do Estado para combater a imigração deles. Muitos alemães, incluindo judeus, achavam que Hitler ia deter a imigração de Ostjuden, que aumentou dramaticamente após a Primeira Guerra Mundial, e aprovaram essa politica. na década de 1920, algumas estimativas dizem que bem mais de cem mil judeus estrangeiros, a maioria poloneses, viviam na Alemanha. Muitos judeus-alemães provavelmente achavam que o grande numero de Ostjuden, que trabalhavam por salários mais baixos, ameaçavam seus empregos. Talvez alguns judeus-alemães também assim reagissem porque os Ostjuden  representavam uma partes deles mesmos que queriam negar. Todos os judeus-alemães sabiam que, numa época da historia, eles ou seus ancestrais tinham a aparência que condenavam nos Ostjuden. Este fato constrangia a maioria, e muitos reagiam aos Ostjuden com desdem e arrogância. Os Ostjuden  simplesmente representavam tudo de que muitos judeus-alemães haviam lutado para distanciar-se.

Polonia, Galicia , Gorlice 1939


Polonia, Radom
Polonia, Judeu em Olkusz. O Ostjuden(judeu do leste) com tefilin.

Robert Braun lembrou que seu pai judeu, o Dr. Leopold Braun, era um anti-semita que não gostava dos Ostjuden. Muitos judeus e Mischlinge alemães achavam que, como suas famílias tinham vivido na Alemanha por varias gerações, deviam ser tratadas de forma diferentes dos Ostjuden. Por exemplo, o tenente-coronel reformado Albert Benary, meio judeu e conhecido escritor militar, escreveu ao governo nazista a 25 de setembro de 1933, em resposta ao Arienparagraph (leis raciais que perseguiam "não-arianos"[Nichtarier] no serviço publico).  Sentia-se indignado pelo fato de um oficial testado em combate, cuja família vivia na Alemanha havia mais de um seculo, fosse excluído da "construção da Alemanha no momento mesmo de sua realização". Exigia que ele e sua família fossem reconhecidos como cidadãos alemães que, pelo contato com o Blut und Boden alemão,  haviam se tornado alemães. repetiu seu pedido a 16 de outubro de 1933:
Minha família não vem dos guetos orientais. Veio do Ocidente para a Alemanha pelo Norte da Africa e a Espanha, e certamente não pegou sangue judeu no caminho. Contudo, minha família não se envergonha de seu sangue judeu. podemos remontar nossas origens judias à casta sacerdotal do povo judeu, e o lema de nossa família, grito de guerra se quiserem, vem do Livro de Macabeus: "Se chegar a nossa hora, morramos como cavalheiros por nossos irmãos, para preservar nossa honra". Acredito que este lema ressoa também no coração nacional-socialista (...). Acredito que tenho o direito de pedir para não ser tratado como um alemão de segunda classe.
Benary não entendeu as intenções nazistas. Eles não ligavam para a honorabilidade dos ancestrais dele, como ele se comportara ou de que classe ou religião tinha vindo sua família. Para os nazistas, ele era um não-ariano. Embora o fato de o tratarem como um "alemão de segunda classe" devesse torna-lo mais consciente das drásticas mudanças que ocorriam na Alemanha, ele ainda não entendia que, enquanto Hitler mantivesse o poder, sua ancestralidade o excluía da sociedade ariana. talvez por senso de lealdade a um  irmão oficial, o chefe do departamento ministerial da Reichswehr, Coronel Walter von Reichenau, escreveu em favor de Benary, dizendo que seu notável serviço à pátria devia permitir-lhe permanecer em seu posto. Aparentemente, apesar da ajuda de Reichneau, Benary continuou enfrentando problemas. A maioria dos nazistas não simpatizavam com ele e pouca atenção dava ao que judeus ocidentais e orientais pensavam uns dos outros, ou ao que um meio judeus-alemão julgava ter direito.


Transcrição: Daniel Moratori (avidanofront.blogspot.com)
Fonte: RIGG,Bryan Mark, Os Soldados Judeus de Hitler, ed. Imago, pg 36-39.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...