sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Feliz Natal e prospero Ano Novo

Pára-quedista alemão no norte da África. Natal de 1942

A todos as pessoas que frequentam o blog, um ótimo Natal e prospero Ano Novo, que o ano que passou sirva de lição para o ano que se aproxima, para aprendermos com os erros e procurar melhorar no que acertamos. É tempo de repensar valores, de ponderar sobre a vida e tudo que a cerca. Espero que o pessoal que visita o blog tenha absorvido um pouco da realidade da guerra e de seu eventual estrago causados a vidas inocentes. Espero também que ano que vem as postagens aumentem em numero(preciso de mais tempo), mas manterão a mesma qualidade que tento repassar aos visitantes.
Fora isso, forte abraço a todos, em especial para Isabela, Leandro, Tania, Marcelo, Fred, Barney, Roberto(holocaust.doc), Krauszenberger...





quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Relato sobre estupros do Exercito Vermelho contra alemãs e soviéticas libertadas

Poznan, 1945
O Gauleiter Greiser, como Koch na Prússia Oriental, fugira de sua capital, tendo ordenado que todos os outros aguentassem firmas. Recusara-se a permitir a evacuação de qualquer civil até 20 de janeiro, e em conseqüência, parece que em muitas áreas mais da metdade da população não conseguiu escapar. Vasili Grossman, que se juntara novamente ao 8º Exercito de Guardas de Tchuikov, ficou cada vez mais consciente do "civil alemão, observado-nos secretamente por trás das cortinas".

Havia muita coisa de que ver do lado de fora. "A infantaria move-se numa imensa variedade de veículos puxados a cavalo", rabiscou Grossman em seu caderno. "Os rapazes fumam mahorka, comem e jogam cartas. Passa um comboio de carroças decoradas com tapetes. Os condutores sentam-se em colchões de penas. Os soldados não comem mais rações militares. Vêem-se rostos rosados e bem alimentados pela primeira vez." "Os civis alemães, já ultrapassados por nossos destacamentos blindados avançados, deram volta e agora estão retornando. Recebem uma boa surra e seus cavalos lhe são roubados por nossos poloneses que aproveitam qualquer oportunidade para assalta-los." Grossman, como a maioria dos cidadãos soviéticos. fazia poca ideia do que realmente acontecera em 1939 e 1940 e, portanto, das razões pelas quais os poloneses odiavam tanto os alemães. O tratado secreto de Stalin com Hitler, dividindo o país entre si, fora encoberto por um blecaute noticioso na União Soviética.

No entanto Grossman escondeu de s mesmo verdades impalatáveis,ainda que nunca pudesse publicá-las. "Havia 250 de nossas moças que os alemães haviam trazidos dos oblasts de Voroshilovgrad, Kharkov e Kiev. O chefe do departamento político do exercito disse que essas moças haviam sidos deixadas quase sem roupas. Estavam cobertas de piolhos e seus ventres inchados de fome. Mas um homem do jornal do exército me contou que essas moças estavam bastantes limpas e bem vestidas até que nossos soldados chegaram e lhes tiraram tudo."

Grossman logo descobriu o quanto os homens do Exército Vermelho tiraram. 'As moças soviéticas libertadas queixam-se com muita freqüência de que nossos soldados as estupram", observou. "Uma moça me disse em lágrimas: 'Era um velho, mais velho que meu pai.' Mas Grossman recusou-se a acreditar no pior sobre os verdadeiros frontoviki. "Os soldados da linha de frente estão avançando dia e noite debaixo de fogo, com o coração puro e santificado. Os homens do escalão da retaguarda que vêm atrás estão estuprando, bebendo e pilhando."

As batalhas de rua em Poznan constituíram uma pequena prova do que os esperava em Berlim. Grossman, que passara tanto tempo em Stalingrado durante a batalha, estava interessado em ver o que Tchuikov, que cunhara a expressão "Academia Stalingrado de Luta de Rua", iria fazer. "O princípio mais importante em Stalingrado", observou Grossman, "foi que invertemos o equilíbrio entre o poder das máquinas e a vulnerabilidade da infantaria."



Transcrição: Daniel Moratori - avidanofront.blogspot.com

Fonte: BEEVOR, Antony - Berlim 1945: A queda - . Ed. Record - p 110-111.

sábado, 3 de dezembro de 2011

Extrato de uma diretriz sobre a luta contra os guerrilheiros e o uso da repressão massiva contra a população civil.

Partisans. Kaunas, Lituânia
Extrato de uma diretriz do Standartenführer SS Ehrlinger aos chefes da policia de segurança e do SD sobre a luta contra os guerrilheiros e o uso da repressão massiva contra a população civil.

20 de outubro de 1943

...2. Emprego das medidas de repressão massivas.

A destruição das aldeias, as execuções publicas, a expulsão dos habitantes, assim como a deportação de mão-de-obra para o Reich, são medidas cujo emprego pressupõe o conhecimento da estrutura da população, da sua situação e do seu estado de espirito. caso contrario, estas medidas podem provocar um resultado contrario ao que se pretende.

O comando militar é responsável por todas as medidas que não pertençam à esfera das operações estritamente policiais.

Entretanto, o comando e os destacamentos da policia de segurança  e do SD deve ajudar os chefes militares com conselhos baseados na experiencia, com o seu conhecimento da situação e do estado de espirito da população.

3 .  Utilização imediata das informações obtidas para fins de propaganda

As informações obtidas pelos comandos e destacamentos da policia de segurança e do SD devem ser tanto quanto possível utilizadas imediatamente como prorpaganda: por intermédio dos propagandistas ligados às tropas, ou por intermédio dos homens da policia  de segurança e do SD aptos para esta tarefa. Se às unidade estiverem ligados propagandistas, estes devem colaborar muito intimamente com os comandos da policia de segurança e do SD.

Em função da situação e das perspectivas de sucesso, recomenda-se que reúnam os chefes e outras autoridades locais e que lhes sejam dadas explicações por meio dos interpretes. Em caso de operações punitivas (por exemplo, punições massivas), deve-se, se as circunstancias o permitirem, informar imediatamente Solução dos problemas por meio dos propagandistas, as aldeias vizinhas, explicando de forma adequada as causas destas medida de de modo a evitar a difusão de boatos perigosos.

4. Solução dos problemas gerais políticos e policiais

Dada a insuficiência de organismos de policia local nas zonas contaminadas ou controladas pelas guerrilhas, os comandos e os destacamentos  da policia de segurança  e do SD executam, na medida do possível, tarefas policiais durante as operações, prestando especial atenção à descoberta dos serviços de informações do inimigo assim como à liquidação dos comunistas e dos agentes do comissariado do interior soviético.

5. Apoio dado pelas tropas aos comandos e aos destacamentos, mais particularmente a transferência imediata dos prisioneiros de guerra e dos trânsfugas,  assim como a participação em todas as operações, constituem uma condição necessária para a descoberta das guerrilhas pelo SD. A direção unica do serviço de informações e de utilização de informantes obtidas por um comando do SD, é um fator tão importante na luta  contra guerrilhas como o comando tático único.

 Standartenführer SS Ehrlinger

(O original alemão encontra-se nos Documentos e materiais da seção de historia da Grande Guerra nacional, peça nº 18.650, folhas 1a.)



Transcrição: Daniel Moratori - avidanofront.blogspot.com
Fonte: COELHO, Zeferino - O crime metódico. Ed. Inova Limitada - pg.97-98

Erich Ehrlinger
Sobre Erich Ehrlinger:
http://avidanofront.blogspot.com/2011/03/operacoes-de-massacre-do-einsatzgruppe.html
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...