sábado, 10 de abril de 2010

Massacre em Novi Sad, Vojvodina - Iugoslávia



Policiais hungaros
 
Novi Sad, cidade às margens do Danúbio no Vojvodina, na Sérvia.  Em 1942, um dos mais notáveis de crimes de guerra durante a ocupação da Iugoslavia, foi o assassinato em massa de civis, em sua maioria de sérvios , judeus e ciganos, realizados por tropas alemãs e húngaras na invasão no sul do Bačka, em 1942 . O número total de civis mortos no ataque foi de 4211, quando os lugares que foram afetados pelo ataque incluem Novi Sad , Becej , Vilovo , Gardinovci , Gospođinci , Đurđevo , Žabalj , Lok , Mošorin , Srbobran , Temerin , Titel , Čurug e Šajkaš .  As vítimas incluíram 2.842 sérvios , 1.250 judeus , 64 romenos, 31 rutenos , 13 russos e 11 de etnia húngara .

Policiais hungaros e soldados alemães colocando civis no caminhão.

Até 1941, havia aroximadamente 4.000 judeus em Novi Sad, para uma população total de 80.000. O extermínio dos judeus de Novi Sad foi realizado em ondas sucessivas, inicialmente sob a ocupação da Hungria e mais tarde pelas tropas alemãs. 

Quando o ataque em Sajkaska terminou em 19 de janeiro, um total de 2.425 civis foram mortos. Deste número, 2.183 foram os sérvios, 154 eram judeus, 64 eram Roma, 29 foram rutenos, 3 eram húngaros, um alemão e um checo. Foram 1.425 homens, 450 mulheres, 300 crianças com idade de 18 anos, mais de 90 crianças com idade de 12 anos foram assassinados e 250 idosos. Dez padres ortodoxos sérvios foram mortos e um rabino judeu. Foram 1.199 alunos, 324 artesãos e 149 lojistas.

 Em 21-23 janeiro de 1942, uma pequena rebelião perto Novi Sad serviu de pretexto para o chamado "razzia", quando toque de recolher total foi ordenado e casas de judeus foram procuradas e saqueadas, enquanto seus ocupantes foram assassinados nas ruas. Vojvodina foi anexada à Hungria, onde 4.620 sérvios e judeus foram mortos entre 1941-1945. Durante a grande incursão de 1942, até 3.928 civis foram mortos, consistindo de 2662 sérvios e 1.103 judeus e 163 vítimas de outras nacionalidades. Em 20 de janeiro de 1942, as forças de ocupação da Hungria em Novi Sad mataram aproximadamente 1.300 civis, sendo que 813 eram judeus, 380 foram sérvios, 18 eram húngaros, 15 eram russos, 13 eram eslovacos, 8 foram  croatas, 3 eram alemães, 2 eram russos, 2 eslovenos, e um era 1 muçulmano. Havia 492 homens, 418 mulheres, 168 crianças e 177 idosos. Sete sacerdotes ortodoxos sérvios estavam entre os mortos, juntamente com um rabino, 126 vendedores e lojistas, 100 artesãos e 81 alunos.

 As vítimas foram executadas e jogadas no rio Danúbio congelado. As forças hungaras, em seguida, atiraram no gelo para quebrá-lo. A maioria dos sérvios e judeus se afogou.  Em 23 de janeiro mais de 1.400 judeus foram levados para o Danúbio e alinhados em quatro fileiras. O gelo do rio congelado foi quebrado e durante todo o dia, os judeus, incluindo mulheres e crianças, foram baleados nas costas, desaparecendo nas águas, que transportou os cadáveres até Belgrado, por semanas. Alguns civis, ainda vivos, foram lançados sob a superfície gelada de meados do inverno no Danúbio congelado. O "razzia" causou uma agitação mesmo nos círculos húngaros, e a cabo de ordens de Budapeste, chegaram a parar o massacre na noite de 23 de janeiro. Várias centenas de sobreviventes, metade congelado e com medo da morte, foram liberados. A política de extermínio continuou, entretanto. A região de Banat em Vojvodina foi colocado sob controle direto militar alemão.



Soldados hungaros e alemães no massacre de Novi Sad, Yugoslavia, em 23 Janeiro de 1942.

Novi-Sad, Iugoslávia, soldados hungaros arrastando corpos através da neve. 23-1-1942

 Corpos de judeus assassinados por policiais hungaros. 23-1-1942
Corpos em um campo de futebol em Novi Sad.

Corpos flutuam sobre o Danúbio, 23/1/1942
Novi Sad, na Iugoslávia, os cadáveres no cemitério, após um assassinato em massa no dia 23/01/1942

Zemun, Iugoslávia, corpos das vítimas Novi Sad assassinato perto do rio.
Zemun, Iugoslávia, corpos das vítimas assassinadas em Novi Sad boiando no do rio. 1942
Durante 1942, os judeus do sexo masculino com idades entre 18 e 45 foram reunidos em "batalhões de trabalho", maltratados e com fome (o primeiro na Hungria), e em seguida enviadosao front da Ucrânia, onde morreram.  A última fase veio com a ocupação alemã em março de 1944. Com o auxílio dos húngaros, os alemães procuraram os restantes judeus e transportaram cerca de 1.600 para Auschwitz em abril de 1944.

Consequências:

Em 1943, os dirigentes húngaros tentaram relançar as relações com os Aliados ocidentais, assim como parte de tais objectivos, a Hungria organizou um julgamento de vários oficiais que estavam entre os responsáveis pelo ataque. No entanto, os funcionários foram autorizados a fugir para a Alemanha nazista antes de sua condenação. Após a guerra, algumas das pessoas responsáveis pelo ataque foram julgadas novamente pelo novo governo comunista da Hungria (que os condenou à morte ou à prisão perpétua) e, novamente, na Iugoslávia, onde eles foram condenados à morte novamente e executados. László Deák e Miklos Horthy, que alegadamente também estavam entre os responsáveis pelo ataque, nunca foram condenados.


Sandor Kepiro
 Em 2006 , o Simon Wiesenthal Center cobrou de Sandor Kepiro, antigo policial húngaro, a participação no massacre, sobre a prova da sua convicção nos ensaios de 1944 e 1946 . Kepiro, no entanto, afirma que como um oficial de polícia, sua participação se limitava apenas a detenção de civis, e ele não tomou parte nas execuções ou qualquer outra atividade ilegal. Hoje, ele se encontra preso, aos 93 anos esperando o julgamento, sendo que poderá ser considerado o criminoso mais velho a ser julgado, se isso vier a acontecer.


Monumento às vítimas em Novi Sad

 

Tradução e adaptação: Daniel Moratori (avidanofront.blogspot.com)
Fontes:



3 comentários:

  1. Informações muito bem detalhadas, estou muito agradecido! O incidente em questão é relembrado no primeiro capítulo do livro "007 Carte Blanche" de Jeffery Deaver. Apesar de conhecedor de muitos fatos ocorridos na segunda grande guerra, pouco sabia sobre fatos históricos na região da Sérvia, bem como a participação de húngaros com nazistas em assassinatos. Agradeço novamente pelas informações!

    ResponderExcluir
  2. Não conheço esse livro que você citou.
    Já que se interessou pelo assunto,leia sobre o Ustasha. Tem aqui no blog. É na região da antiga Iugoslávia.

    ResponderExcluir
  3. Aconteceu na minha cidade natal. Foi eternizado em forma literária no romance O Livro sobre Blam de Aleksandar Tišma.

    ResponderExcluir

Favor, sem ofensas, comentários ideológicos, racistas, antissemitas e semelhantes.

Se não concordar, discordar ou mesmo ter a acrescentar com o escrito no post, o dialogo é a melhor opção.

OBS: Não tenho muito tempo para responder todos comentários, então se seu comentário demorar a ser moderado, não venha reclamar comigo, pois tenho outras atividades alem desse blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...