segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Oskar Dirlewanger

Dr. Oskar Dirlewanger (26 de setembro de 1895, Würzburg - 5 de junho de 1945, Altshausen) foi um oficial da SS que comandou a SS-Sturmbrigade Dirlewanger, um batalhão penal composto de criminosos alemães. Juntamente com a SS-Brigada Kaminski, a SS-Sturmbrigade Dirlewanger é considerada uma das mais controversas unidades militares alemão, devido à seus abusos aos direitos humanos, incluindo assassinatos em massa de civis na Revolta de Varsóvia.

Início de vida


 Oskar Dirlewanger foi um oficial de infantaria na I Guerra Mundial e ganhou o Cruz de Ferro de segunda classe e a Cruz de Ferro de primeira classe. Seu serviço militar era visto como exemplar pelas autoridades alemãs, e era conhecido por sua considerável bravura em batalha (por ter sido ferido mais de dez vezes) e que sempre conduzia suas tropas na frente. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele ganhou uma série de medalhas adicionais, incluindo a Cruz Ferro 2 ª Classe, a Cruz dos Balcãs, e da Cruz Alemã em Ouro. Ele foi premiado com a Cruz de Cavaleiro em 1944.

Após o término da I Guerra Mundial, ele se juntou a diferentes milícias de voluntários Freikorps e lutou em Ruhr; Saxónia e Silésia. Entre a sua atividade militante, ele estudou na universidade de Frankfurt e atingiu um PhD em ciência política em 1922. No ano seguinte, ingressou no NSDAP, mas acabou por ser expulso. Ele voltou anos depois e recebeu o numero do partido # 1098716 e, posteriormente,o da SS # 357267.

Dirlewanger e os homens de sua brigada.
Ele realizou vários trabalhos, que incluíram o trabalho em um banco, uma fábrica de malha, e como professor. Em 1934, ele foi condenado pelo estupro de uma menina de 13 anos de idade da BDM (Bund Deutscher Mädel ou Liga das Garotas Alemãs), uso ilegal de um veículo do governo,  danificando o veículo sob a influência do álcool. Por esses crimes ele foi condenado a dois anos de prisão. Dirlewanger em seguida, perdeu seu emprego, seu título de doutor e todas as honras militares. Ele também foi expulso do NSDAP. Logo após sua libertação, ele foi preso novamente por acusações semelhantes. Ele foi enviado para o  campo de concentração Welzheim, como era prática habitual para agressores sexuais na Alemanha da época, mas ele foi solto e voltou como um coronel da SS após a intervenção pessoal de seu amigo, mais tarde SS-Obergruppenführer, Gottlob Berger, chefe da SS Hauptamt e de longo tempo amigo pessoal de Heinrich Himmler, com a condição de que ele pretendia viajar para a Espanha para lutar na Legião Condor contra o  forças anti-Eixo na Guerra Civil Espanhola.

Dirlewanger serviu com a Legião Condor de 1936-1939 e foi ferido três vezes. Ambas as vezes ele foi considerado um soldado modelo e foi bem falado nos círculos militares. Após nova intervenção em seu nome por seu patrono Berger, ele conseguiu uma petição para ter seu caso reconsiderado à luz do seu serviço na Espanha. Dirlewanger foi reintegrado ao partido nazista. Seu doutorado foi também restaurado pela Universidade de Frankfurt.




Segunda Guerra Mundial


No início da Segunda Guerra Mundial, Dirlewanger foi voluntário para a Waffen-SS e recebeu a classificação de Obersturmführer. Ele se tornou o comandante do chamado Batalhão Dirlewanger, composto inicialmente de um pequeno grupo de caçadores, juntamente com ex-soldados de um contexto mais convencional. Acreditava-se que o excelente rastreamento e habilidades de tiro dos caçadores poderia ser colocada em uso na luta contra guerrilheiros comunistas.

O batalhão foi designado para funções anti-partisans em primeiro lugar na Polónia ocupada(Governo Geral), onde Dirlewanger anteriormente serviu como um SS-TV( SS-Totenkopfverbände - que significa "Unidades da Caveira", era o SS organização responsável pela administração doscampos de concentração nazista para o Terceiro Reich)- comandante de um campo de trabalho SS em Dzików.

Em fevereiro de 1942, o batalhão foi transferido para fazer uma luta anti-partisans na Bielorrússia . Dirlewanger era conhecido por levar os seus soldados em combate pessoalmente o que era incomum para alguém de sua categoria, e ele foi ferido muitas vezes em combate. Dirlewanger recebeu o fecho para a sua Cruz de Ferro de segunda classe em 24 de maio de 1942, e a sua Cruz de Ferro de primeira classe em 16 de setembro de 1942, e recebeu a Cruz Alemã em Ouro em 05 de dezembro de 1943, em reconhecimento do regimento à seus sucessos durante esta operação (Operação Cottbus, a destruição do pseudo-estado partisan "República Autónoma Lake Pelik " e alegou a contagem de corpos de 14.000 partisans).

O principal patrono da Dirlewanger na hierarquia da SS foi Obergruppenführer Gottlob Berger, que forneceu a Himmler um enorme impulso político, e aumentando numericamente a Waffen-SS através de sua posição como chefe da SS Hauptamt (Inglês: SS Main Office - Escritório Central).

Soldados do regimento Dirlewanger entram Varsóvia, marchando na rua Chlodna, perto de Hala Mirowska (Mirowska Markthalle),  as ruínas no fundo pertencem ao Corpo de Bombeiros do Distrito Mirow em Varsóvia.
Unidade em ação.
 Na sequência de um despacho assinado por Berger em 1940, cada membro ativo da SS  que usam o mesmo uniforme são soldados profissionais. A diluição da fronteira entre os guardas do campo, da Gestapo e  soldados da linha de frente, empurrando Himmler em direção ao seu objetivo final. Tendo em conta a contribuição de Berger para ambições Himmler, é possível que Himmler tenha permitido uma mão livre a Berger .   Himmler e Berger estavam entusiasmados com a incorporação da  Brigada Kaminski a Waffen-SS, uma unidade composta por anti-comunistas dedicados, vindo de terras que estavam sob domínio soviético. No entanto, a brigada rapidamente provou ser quase completamente militarmente ineficaz e Bronislaw Kaminski foi sumariamente e, secretamente, executado por incompetência e roubo de "propriedade do governo alemão" (as posses dos polacos Warsaw), depois de desordeiros desempenho da unidade em Varsóvia em 1944, onde mais de 50% da brigada desertou após  ignorarem os seus objectivos, a fim de saquear tudo o que podiam carregar.

Uma foto muito rara de um grupo de homens do Sonderkommando Dirlewanger

Sturmbrigade Dirlewanger fotografada no Distrito Woli, na janela da casa na rua Focha 9 .No reflexo do vidro pode-se ver detalhes da casa no lado oposto da rua, na Rua Focha 8; Varsóvia; agosto de 1944.
A unidade Dirlewanger foi empregada em operações contra guerrilheiros nos territórios ocupados da União Soviética. A propaganda comunista naturalmente retratou essas operações contra as forças comunistas sob uma luz desagradável.

Mais tarde, a unidade de Dirlewanger foi utilizada na supressão do Levante de Varsóvia. A unidade Dirlewanger matou dezenas de milhares de civis não-combatentes poloneses, ao conseguir pouco militarmente. As atrocidades cometidas por suas tropas chocou e enojou mesmo os endurecido oficiais SS.

Dirlewanger recebeu sua promoção final, a SS-Oberführer der Reserve, em 15 de agosto de 1944. Em 15 de fevereiro de 1945, ele foi seriamente ferido em combate pela 12 ª vez e enviado para a retaguarda.

Os Dirlewangers frequentemente usavam máscaras no final de 1944,
devido a fotos tiradas em Varsóvia.

Assassinato

Em 01 de junho de 1945, as forças de ocupação francesa usaram soldados poloneses no seu serviço para levá-lo à força para prisão a Altshausen. Dirlewanger foi espancado e torturado durante os poucos dias seguintes. Ele morreu de ferimentos infligidos pelos guardas polacos em torno de 05 de junho de 1945. Esta informação foi suprimida na época, e muitas falsas aparições dele foram feitas em todo o mundo, apesar do  registrou francês que Dirlewanger foi enterrado em 19 de junho de 1945, deixando poucas dúvidas de que ele estava morto.

Outros boatos surgiram anos mais tarde, para sugerir que ele havia fugido, incluindo uma história de Dirlewanger servir na Legião Estrangeira Francesa e, posteriormente, desertando para o Egito para aceitar uma comissão do exército de Gamal Abdel Nassers. Estas foram provadas  falsas quando um tribunal francês organizou a exumação de seu corpo para confirmar a sua identidade em novembro de 1960.





Linhagem 

Wilddiebkommando Oranienburg (15 de Junho de 1940 - julho 1940) foi constituído por 84 homens dos quais 79 (94%) eram caçadores. A unidade foi equipada com armamento padrão do exército alemão e uniformes de combate da SS.

SS-Dirlewanger Sonderkommando (Julho 1940-1 Sep 1940) 300 homens, dois terços deles criminosos menores de unidades penais.

SS-Sonderbataillon Dirlewanger (01 de setembro de 1940 - setembro 1943), 700 homens, a maioria das prisões militares, os caçadores originais foram quase totalmente exterminados.

SS-Sonderregiment Dirlewanger (setembro 1943 - dezembro 1944) cerca de 2.000 homens, divididos em um terço de voluntários estrangeiros, presos do campo de concentração, e militares com condenação penal. Os voluntários estrangeiros eram tipicamente poloneses e criminosos russos, que não foram substituídos, sendo eliminados em combate. Durante este tempo, não era incomum que os soldados realizarem as suas tarefas mascarados.

SS-Sturmbrigade Dirlewanger (19 de dezembro de 1944 - 20 de fevereiro de 1945) 4.000 homens dos quais, cerca de 40% foram presos e outros 40% das unidades penais.

Unidades ligadas a Brigada

SS Regiment 1
SS Regiment 2
Artillerie-Abteilung
Fsilier-Kompanie
Pioneer-Kompanie
Nachrichtren-Kompanie

36ª 
Divisão SS de Granadeiros Dirlewanger (20 1945 de fevereiro-maio 1945) 6.000 homens dos quais 40% eram provenientes de unidades penais, 15% de concentração campo de prisioneiros, e 45% eram do exército alemão regular. Esta unidade de divisão foi criada em 20 de fevereiro de 1945, enquanto na frente do Oder- Sturmbrigade Dirlewanger SS e de uma parte de desabrigados de unidades do Exército regular (não da SS) . Foi uma divisão apenas no nome, e foi considerada, de longe, a pior unidade na SS. Qualidade e quantidade de armamento, treinamento e liderança variavam muito, não só de regimento para regimento, mas de pelotão para o pelotão. 


Unidades ligadas a divisão: 


72º Regimento de Granadeiros da Waffen-SS
73º Regimento de Granadeiros da Waffen-SS
Panzer-Abteilung Stansdorf I
Artillerie Abteilung 36
Fsilier Kompanie 36
687º Brigada Pioneiros
1244º Regimento de Granadeiro -  foi constituída uma mistura de homens de várias fontes, cerca de metade deles eram estudantes de escolas NCO e cerca de um quarto veio do Volkssturm.
681.Panzerjaeger-Abteilung



Traduzido por: Daniel Moratori (avidanofront.blogspot.com)

Fontes:
http://en.wikipedia.org/wiki/Oskar_Dirlewanger
http://www.thedarkpaladin.com/dirlewanger.htm

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Torres marítimas fortificadas na Inglaterra



Em 1943 a posição da Inglaterra na Segunda Guerra Mundial, alvo de bombardeamentos e ataques constantes por parte das tropas alemãs, era mais frágil do que nunca e chegou-se mesmo a recear uma invasão. Por esse motivo as defesas foram ampliadas e reforçadas. 

Uma das obras realizada foi a edificação de torres fortificadas ao longo do rio Tamisa, precisamente uma das vias de penetração do inimigo em território britânico. Essas torres teriam a capacidade de detectar e responder a possíveis ataques. O projecto foi encomendado a um engenheiro civil, Guy Maunsell, que o concluiu e construiu nesse mesmo ano. 


Maunsell foi escolhido pela sua experiência com betão pré-esforçado, sistema que já tinha utilizado em diversas pontes e a que recorreu para este projecto. Para o Tamisa planeou diversos conjuntos e tipos de fortificações imaginativas, entre os quais se conta este insólito grupo de torres, o Shivering Sands Army Fort, também conhecido como U7 devido ao número de elementos que o compõem. 

Cada uma das torres, construída em ferro, foi montada isoladamente em terra e depois fundeada no local, assente numa estrutura de quatro pilares de betão armado. O conjunto possuia vários sistemas defensivos (canhões, metralhadoras, radar, etc.) e interligava-se por passadiços metálicos. Durante a guerra desempenhou um importante papel, detectando ataques aéreos, lançamento de minas e abatendo também diversos aviões e bombas voadoras.


Após o fim do conflito armado o Shivering Sands Army Fort permaneceu em actividade até 1958, ano em que foi abandonado pelas tropas inglesas. A partir daí, sem manutenção e sob a acção corrosiva das águas, foi-se degradando progressivamente. Já foi abalroado por barcos, transformado em estação meteorológica e serviu até de local de emissão de rádios piratas. Houve quem propusesse a sua demolição pura e simples mas até hoje permanece de pé, ameaçando a navegação. É uma ruína magnífica, grave, fantasmagórica e indubitavelmente romântica...





Fonte: http://obviousmag.org/archives/2008/05/torres_fortificadas.html

sábado, 11 de setembro de 2010

O gueto de Riga

O gueto de Riga estava cobrindo uma área pequena em Maskavas Forstater, um subúrbio de Riga, capital da Letónia, nomeado pelos nazistas para concentrar os judeus da Letónia, e mais tarde outros deportados da Alemanha durante a Segunda Guerra.

Em 25 de Outubro 1941, os nazistas moveram todos os judeus de Riga e os seus arredores para o gueto, enquanto os habitantes não-judeus foram expulsos da área. A maioria dos judeus da Letónia (cerca de 24.000) foram mortos em 30 de novembro e 08 de dezembro de 1941 no massacrados de Rumbula. O nazistas um transportaram um grande número de judeus alemães para o gueto, sendo que a maioria deles morreu mais tarde no massacres.

Embora o gueto de Riga é conhecida como uma entidade única, na verdade, havia muitos "guetos". Foi  primeiro maior gueto judaico na Letónia. Após o massacre de Rumbula, os judeus sobreviventes da Letónia estavam concentrados em uma área menor dentro do gueto original, que ficou conhecido como o "gueto pequeno". O gueto pequeno foi dividido em seções para homens e mulheres. A área do gueto não foi alocado para o gueto pequeno, foi transferido para os judeus que foram deportados da Alemanha para este setor que era conhecido como o gueto alemão.

Restrições sobre os judeus

No início de julho de 1941, o exército alemão ocupou Riga e todo o país, começando a implementar as primeiras medidas e os ataques contra judeus, que contou com a colaboração da população civil da Letónia. A poucos dias  após o local ser ocupado, sediou a queima de todas as sinagogas do cidade.

Soldados alemães se divertem com judeus em Riga.

Os alemães emitiram uma série de decretos que afetaram diretamente os judeus, proibindo o trânsito nos locais públicos, incluindo parques e piscinas, e forçá-los a sempre levar uma estrela amarela de seis pontas em suas roupas,  arriscando a morte se eles não fizessem ,  e depois  imporam a obrigação de manter uma segunda estrela para fácil identificação na multidão, porque eles não foram autorizados a usar as calçadas. Os judeus também recebiam apenas metade da ração alimentar de um cidadão não-judeu .

Estabeleceu uma "Escritorio de Assuntos Judeus", que começou a aplicar políticas inspiradas pela Leis de Nuremberg, que previa a proibição de casamentos entre judeus e não judeus, exortando os casais ao divórcio já estabelecidos e em caso de não aceitar obrigadar a esterilização. Em paralelo, proibiu médicos judeus de tratarem não-judeus e médicos não-judeus de tratarem judeus.


Criação do gueto

Em 21 de julho 1941, o comando de ocupação de Riga decidiu concentrar os trabalhadores em um gueto judeu. Todos os judeus foram registrados e estabeleceu um Judenrat (Conselho Judaico), como era feito nos outros guetos . Sendo eleitos para o conselho, alguns dos mais proeminentes judeus da cidade. Os membros do Conselho receberam grandes braçadeiras brancas com uma Estrela de David em azul, e deu-lhes direito de usar as calçadas e conduzir automóveis.

 Riga - transporte de judeus.
Em 23 de outubro de 1941, as autoridades de ocupação emitiram uma ordem obrigando todos os judeus a se mudarem a 25 de outubro de 1941, para Forstater Maskavas (em castelhano, subúrbio de Moscou), um distrito de Riga. Como resultado, cerca de 30 mil judeus foram concentrados em uma pequena área de 16 quarteirões, cercado por arame farpado. Qualquer pessoa que chegava muito perto do muro foi baleado por guardas letões estacionados em todo o perímetro do gueto. A guarda letona, que era comandada pela polícia alemã de Dantzig, foi autorizada a atirar aleatoriamente durante a noite.

Enquanto os judeus foram reassentados no gueto, os nazistas confiscaram a sua propriedade e roubaram seus bens, porque estes foram autorizados levar muito pouco para o gueto, e o que foi deixado de fora, permaneceu sob o controle de uma autoridade de ocupação conhecido como Escritório de administração e confiança (em alemão, Treuhandverwaltung). Todo trens carregados com bens roubados dos judeus foram enviados para a Alemanha. Embora o que era passado para os alemães, era roubado pela polícia letã, considerada como uma forma de compensação pela sua participação nos assassinatos.

Deportação


Assassinatos em massa


Em setembro de 1941, Adolf Hitler, a pedido de Reinhard Heydrich e Joseph Goebbels, havia decretado a expulsão dos judeus da Alemanha para o leste. Embora inicialmente o destino previsto era Minsk, devido à sua superpopulação,  mais trens para deportação foram desviados para Riga, que também ultrapassou a sua capacidade.

Entre 30 de novembro e 9 de dezembro de 1941, os nazistas executaram 27.500 judeus do gueto letão em covas pré-escavadas na floresta perto de Rumbula, no que é conhecido como o massacre de Rumbula. O gueto grande tinha tido a existência de apenas 37 dias. Apenas cerca de 4.500 trabalhadores qualificados de unidades de trabalho masculino sobreviveram, sendo confinadosno ao  "pequeno gueto", com cerca de 500 mulheres, que tinham sido classificados como costureiras.

O primeiro transporte de 1.053 judeus de Berlim chegou na estação de trem Skirotava de Riga, em 30 de novembro de 1941. Todas as pessoas foram mortas no mesmo dia na floresta de Rumbula. Os seguintes quatro trens chegaram com cerca de 4.000 pessoas que foram alojados em um pátio vazio, chamado campos de concentração provisórios Jungfernhof, por ordem do SS-Brigadeführer e comandante da Einsatzgruppen A, Stahlecker Walter.

Um judeu sendo arrastado por soldados letões no gueto de Riga, na Letónia.




Instalação do gueto "pequeno"


Após os assassinatos em massa em Rumbula, os sobreviventes foram instalados no gueto pequeno. Embora por toda Riga foram colocados cartazes, observando que "qualquer pessoa a comunicar às autoridades sobre uma pessoa suspeita ou um judeu escondido, receberá uma grande soma de dinheiro, e muitas outras regalias e privilégios". Criou-se também passaportes internos para identificar a população, que eram utilizaveis, por exemplo, quando era solicitada uma receita médica. Foi nomeado como comandante do gueto pequeno, um oficial nazista chamado Stanke, que também participou da liquidação do gueto grande, sendo assistida por um letónio chamado  Dralleo, que ganhou uma reputação de brutalidade entre os judeus. Como no grande gueto, o perímetro era guardado por guardas também letões.

Vala comum na Mata Bikernieki perto de Riga

Vala comum na Mata Bikernieki perto de Riga.


Tradução: Daniel de A. Moratori à partir do link:
Transcrição por : avidanofront.blogspot.com/

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

O ataque trágico


Savoia-Marchetti SM.79

O Tenente Graziani narra um emocionante ataque dos torpedeiros SM79 a um comboio britânico, em 1942.

Em 5 de fevereiro de 1942, dois torpedeiros SM79, pilotados pelos Ten. Graziani e Ten. Cimicchi , decolam as 14:30hs do aeródromo de Gadurra para efetuar um ataque a um pequeno comboio inglês composto de um petroleiro e de algumas unidades de escolta, uma missão aparentemente de rotina mas que na verdade seria uma das mais difíceis pela qual os Aerosiluranti já passaram... Quem narra é o piloto Ten. Graziani.

Já próximos do alvo, avistamos a poucas milhas de Tobruk o comboio navegando para oeste, composto de um petroleiro escoltado por quatro contratorpedeiros do lado direito e três do lado esquerdo.

Eu já tinha estabelecido uma conduta de ataque após analisar os informes do serviço de reconhecimento. O perfeito conhecimento do objetivo certamente fez com que a preocupação com a defesa antiaérea passasse longe de minha mente.

Chegamos a área onde se encontravam os navios que já tínhamos avistado de longe. Não havia qualquer proteção de caças. 

As unidades de escolta também nos avistaram e abriram um violento fogo antiaéreo que ficava mais intenso à medida que avançávamos. As explosões das granadas acima e abaixo faziam o meu avião pular e não me permitia firmar o meu SM79 para o lançamento, era como se estivesse controlando um cavalo que avança sobre obstáculos.

Subitamente ouvi um som metálico, como se um grande martelo nos tivesse caído em cima, e senti algo batendo contra a hélice. Um cheiro de pólvora e de queimado entrava pela fuselagem irritando os olhos e a garganta.

O avião, no entanto, prosseguia e já me aproximava da distância de lançamento.

Ultrapassei os quatro contratorpedeiros de escolta e me dirigi direto contra o petroleiro. Já na posição de lançamento do torpedo, notei uma mancha no pára-brisas, e ao mesmo tempo que senti algo úmido cair no meu colo. Lançado o torpedo não senti o salto que o avião costuma dar após se aliviar dos 900 kg de peso do torpedo. No momento seguinte ao lançamento do torpedo senti uma corrente de ar, ao qual não dei importância naquela hora. Quando, porém, saí fora da área de fogo dos canhões antiaéreos, me apercebi do drama junto a minha tripulação. O co-piloto Ten. Riso estava agachado no soalho do lado direito, e seu peito estava banhado de sangue. O sub-Tenente Pavese feriu-se na mão, e o Sargento Venuti, sujo de sangue, informou que o sub-Tenente fotografo Di Paolo estava morto.
SM79 e um barco atingido
O Sgt. Armeiro Galli, que estava ferido no fêmur, veio até a cabine e informou que o torpedo não saíra do seu suporte.

Considerei por um momento e decidi repetir o ataque. Fiz uma virada e me posicionei para o ataque pela parte oposta de onde tinha vindo.

Os contratorpedeiros de escolta imediatamente voltaram a vomitar fogo com todos os seus canhões. Aproximei-me do alvo e acionei o comando de lançamento do torpedo, e novamente não obtive sucesso.

Após sair da área do fogo inimigo, instrui o Sgt. Venuti para que fosse até o fundo da fuselagem para observar se havia qualquer coisa de anormal nos cabides do torpedo, e disse que o botão de lançamento do torpedo estava acionado. Eu imaginava que a avaria poderia ser no circuito hidráulico em razão da perda de ar.

Venuti não conseguiu ver qual podia ser o problema, e eu compreendi que não podia fazer nada para renovar o ataque contra o petroleiro.

Procurei então levantar a situação de bordo, que era dramática. De imediato notei a triste morte do fotógrafo Di Paolo, que estava caído e com parte do peito fora da fuselagem. Um estilhaço ou uma bala de canhão atingiu a sua cabeça que estava sem metade do crânio. Uma parte do seu cérebro em migalhas caiu sobre meu colo e espirrou sobre o pára-brisa.

O Sgt. Venuti, que o segurava pelas pernas para evitar que caísse para fora do avião, estava manchado do sangue de Di Paolo pois seu coração ainda bateu por algum tempo esguichando sangue em sua direção. O Ten. Riso teve seu pulmão perfurado por dois estilhaços, perdeu muito sangue e permaneceu inconsciente durante todo o vôo de regresso. Constatei ainda que havia dois furos no meu pára-brisa.

Para melhor controlar e fazer a mira, eu sempre inclinava ligeiramente o corpo para o centro do aparelho, e com este gesto havia evitado de ser atingido pelos estilhaços que entraram através do pára-brisas raspando meu traje de vôo no ombro esquerdo, terminando por atingir a mão esquerda de Pavese logo atrás do meu assento.

Pavese por sua vez jazia entre o Sgt. Galli que, golpeado no fêmur, estava no fundo da fuselagem.

Indene estava apenas eu e o Sgt. Venuti. O avião estava em boas condições, mas o rádio havia sido atingido e estava inutilizado.

Tudo isto aconteceu próximo ao porto de Tobruk, ao cair da noite, fim de dia, horário ideal para atacar vindo da parte escura do céu.

Nós, no entanto, tínhamos que retornar a Rodes. Esta era uma noite sem lua com muitas nuvens, e voávamos sem o auxílio do rádio. Perdemos também o contato com o outro SM79 pilotado por Cimicchi.

Pus-me em rota com escassa possibilidade de atingir Rodes. Chamei o bom Venuti e disse-lhe o que pretendia fazer, e que apesar de tomar rumo em direção a Rodes, não sabia qual a nossa possibilidade de alcançar a ilha. Se não encontrássemos a ilha terminaríamos provavelmente em território turco que reconheceríamos através das luzes acesas das cidades ou vilas. Se fosse este o caso, saltaríamos de pára-quedas. Era necessário colocar o pára-quedas no morto e ajudar os feridos, e também auxiliar no lançamento da tripulação, depois Venuti se lançaria e eu iria por último.

Com esta escassa perspectiva de retornar a base, empreendemos o vôo de retorno. Junto com Venuti, consultamos a carta de navegação e efetuamos os cálculos relativos ao tempo de vôo. Mesmo ferido e perdendo sangue, Pavese vigiava o funcionamento dos motores e abria ou deslocava o combustível dos reservatórios no circuito de alimentação.

Depois de 01:15 hs de vôo realmente dramático pela nossa condição psicológica, e traumatizados de quando em quando pelo sinistro barulho provocado pelos gases de escape dos motores quando o avião atravessava as nuvens, avistamos ao longe, em meio a uma escuridão absoluta, um clarão exatamente a nossa frente.

O vôo continuou sem nenhuma correção e o clarão foi se tornando pouco a pouco em uma luz clara e visível. Meu coração de súbito batia violentamente, pois aquela luz não podia ser outra que não a dos holofotes da defesa antiaérea de Gadurra.

Da hora que avistamos o pequeno clarão pela primeira vez, até a aterrissagem, transcorreram 25 minutos, o equivalente a 125km de distância.

Atribuo verdadeiramente a nossa sorte, mais do que minha capacidade de aviador, termos retornado nas condições dificílimas de vôo em que nos encontrávamos.

Localizar a ilha de Rodes em meio à escuridão, sobre o mar e sem orientação, e pousar em Gadurra quando esperávamos bem pouco e quase não tínhamos mais esperança, o que nos deu força física e mental diante de situação tão excepcional, eu não saberia explicar.

Quando cheguei na zona de estacionamento do avião, uma multidão de companheiros, muitos olhando espantados, pois já nos haviam dado por perdidos, veio nos receber e perceberam o drama a bordo, e neste drama eu senti a solidariedade de todos que acorreram e prestaram toda ajuda e conforto.

Devido ao meu esgotamento físico e mental precisei de ajuda para sair do meu posto de pilotagem. Desta maneira, como se fosse um ferido, fui abraçado pelo comandante Cap. Marini...

Ao Coronel Graziani (Tenente na data deste fato) que faleceu em 1997, foi concedido a Medalha de ouro ao Valor Militar, a mais alta condecoração italiana, que só foi concedida a 29 aviadores e equipagens dos esquadrões torpedeiros.

Fonte deste artigo: I Martiri dell´Egeo - Gino Manicone; Revista Storia Militare 

domingo, 5 de setembro de 2010

"A Gata"








Em 1939, num povoado do sul da Argélia, vivia uma mulher de 30 anos, chamada Micheline Mathilde Carré. Era casada com um oficial do exército francês.


Ao estalar a guerra, Micheline Carré viajou imediatamente para a França, alistando-se no Corpo de Enfermeiras. Em Paris, durante o período de treinamento, foi considerada, por seus superiores, como uma mulher responsável e eficiente. Depois, quando a França foi derrotada, Micheline Carré se sentiu "terrivelmente comovida", segundo escreveu em seu diário. Antes da chegada das tropas alemães, Micheline Carré transferiu-se para Toulouse e ali, por sua própria iniciativa, organizou um centro de assistência aos feridos. Entretanto, enquanto se dedicava a esta tarefa, conheceu um oficial polonês que atuava no exército francês. Chamava-se Roman Czernianski, e ela, ante a dificuldade de pronunciar-lhe o nome, chamava-o "Armand". Ele, por sua vez, começou a chamá-la "A Gata". As relações de Armand e "A Gata" foram além de uma simples relação sentimental. O ex-oficial polonês, ardoroso combatente, arquitetou um plano para estabelecer um grupo de resistência. "A Gata", sem vacilar, uniu-se a ele.

Armand, não se atrevendo a viajar livremente, com medo de ser reconhecido e detido, confiou essa tarefa à mulher que o acompanhava. Micheline Carré começou, imediatamente, a recrutar os elementos que fariam parte do grupo. Assim, passo a passo, "A Gata" foi estabelecendo as bases do que chegaria a ser um dos grupos mais numerosos e organizados da Resistência. Entre outros, ingressou na organização o coronel francês Marcel Achard. Este, através da Espanha e de Portugal, mantinha estreito contato com os elementos britânicos.

Uma das primeiras tarefas de importância que o grupo empreendeu foi investigar se os alemães permaneceriam na fronteira da Espanha ou avançariam através do território espanhol para atacar Gibraltar. Achard, sem vacilar, encarregou "A Gata" desta investigação.

Micheline Mathilde Carré
A espiã partiu imediatamente para Bordéus e dali passou a Bayon e Biarritz, no sul da França. Ali, perto da fronteira franco-espanhola, estava acampada uma unidade blindada alemã. "A Gata" estabeleceu relação com um oficial alemão...


Foi esta a sua primeira grande missão. Pouco depois, o grupo de Achard era conhecido no serviço secreto britânico e também no americano. Seus agentes eram respeitados e considerados eficazes e valorosos. Neste período, Achard e os britânicos puseram-se de acordo com respeito aos lugares que utilizariam para o lançamento de armas e explosivos, assim como aparelhos de rádio. Além disso, ficou combinado um meio de facilitar a fuga de prisioneiros aliados, que eram conduzidos à Suíça ou à Espanha e, dali, à Inglaterra.

Mais tarde, Armand permitiu que outra mulher ingressasse na organização: Renée Borni. O ingresso da mesma coincidiu com uma mudança nas atitudes da "Gata". Esta, efetivamente, havia descoberto que Armand interessava-se mais do que o normal pela mulher. "A Gata" insistiu, várias vezes, para que a nova integrante do grupo fosse enviada para longe dali. Armand, porém, não o fez. Isso seria o fim. Porque Renée Borni, aliás Violette, destruiria a Resistência. No decurso de uma de suas missões, Violette travou relação com um soldado alemão, sem pressentir que um homem, civil, escutara o diálogo. O desconhecido, um agente da contra-espionagem alemã, suspeitou daquela mulher e a seguiu. E foi assim que conseguiu vê-la em companhia de Armand e da "Gata".

Em 18 de novembro de 1941, Armand e Violette foram aprisionados. Horas depois, Micheline Carré, "A Gata", tinha o mesmo destino.

O que se seguiu é baseado, em parte, em suposições. Conduzida por um sargento alemão a uma casa solitária, sede da contra-espionagem alemã, foi longamente interrogada. Não foi torturada. Porém, "A Gata" cedeu. Inexplicavelmente, a corajosa mulher, que tantas vezes havia desafiado a morte, delatou seus companheiros.

No dia seguinte, "A Gata" saiu acompanhada pelo sargento alemão, que parecia chamar-se Hugo Bleicher. Nas oito horas seguintes, 35 membros do grupo caíram nas mãos da Gestapo. Somente um homem não foi atraiçoado pela "Gata": o Coronel Achard. Durante o julgamento que se seguiu, depois da guerra, o coronel declarou: "Ela sabia onde eu me ocultava, mas não o disse...".

Em 1949, finalmente, "A Gata" enfrentou seus juízes. A acusação, em sua alocução, disse: "Durante dois meses, ela praticou a pior espécie de traição. Seu diário, do qual foi lido uma parte, a descreve como ela é: um cérebro sem coração. Vocês terão que julgar tudo isto. E reconhecerão que há somente uma pena possível: a morte".

O advogado de defesa respondeu: "Admito sua culpabilidade, mas vocês devem considerar que esta mulher teve que escolher entre a vida ou a morte. Não esqueçam que no início da Resistência ela foi uma heroína. Vocês condenariam à morte quem, no começo, implantou a semente da fé e, mais tarde, subestimou sua própria força?"

Em 8 de junho de 1949 foi pronunciado o veredicto: "Micheline Mathilde Carré, de 40 anos, é, pela presente, condenada à morte pela Décima Quarta Corte Criminal".

Poucos meses depois, o presidente da República francesa comutou a pena de morte imposta a Micheline Carré pela de prisão perpétua.

Fonte: http://adluna.sites.uol.com.br/400/499-09.htm

sábado, 4 de setembro de 2010

Hans Klein relembra Rommel e o Afrika Korps


As lembranças das lutas do veterano Hans Klein no deserto e de seu cativeiro.

Hans Klein nasceu em 1921, era marceneiro antes de entrar para a Divisão Hermann Göring da Luftwaffe em 1942. Enviado para a África, serviu no Afrika Korps entre 1942-43, onde alcançou o posto de cabo.

No inicio de 1942 eu fui recrutado para servir na Força Aérea (Luftwaffe), na Divisão Paraquedista Hermann Göring.
Diferente do que costuma ser publicado, a Divisão não era integrada por voluntários, na verdade éramos diretamente recrutados ou transferidos de outras unidades, e eu nunca conheci algum voluntário na nossa companhia. A Divisão Hermann Göring era uma unidade fantástica, e foi uma honra servir em suas fileiras.

Nossa Divisão teve um bom programa de treinamento, e era uma unidade sólida e orgulhosa. Eu fui enviado a Utrecht, na Holanda, para treinamento, mais especificamente, para ser estafeta. Além da instrução militar, aprendi a dirigir diversos tipos de motocicletas e veículos, além de aprender auto-mecânica e elétrica.

Lamento dizer isto mas muitos dos homens na minha Divisão achavam que o Marechal da Força-Aérea Hermann Göring era um fanfarrão. No início da guerra ele fez a estúpida afirmação de que se algum avião inimigo alcançasse Berlim ele mudaria o seu nome para "Meier", e desde então nós o chamávamos de Hermann Meier em nossas conversas.

A primeira campanha em que eu estive envolvido foi a ocupação do território de Vichy, na França, em novembro de 1942. Não houve qualquer resistência e prosseguimos em direção ao sul até a cidade de Cognac, que é uma das mais belas cidades na França.

No final de 1942 a situação no norte da África era crítica, e foi decidida a criação do Grupo de Combate (Kampfgruppe) Schmidt, formada com elementos da Divisão Hermann Göring. Fomos transportados via aérea para a área de Nápoles, na Itália, e depois para a África, em aviões de transporte Junkers-52. Estes aviões eram lentos mas bastante robustos. Voamos rente ao nível do mar, entre 7 e 15 metros de altura, por sobre as ondas, esperando que não acontecesse algum problema mecânico. Tivemos a escolta de alguns caças e fomos afortunados por não acontecer nenhum incidente durante a viagem. Chegamos a Túnis e eu assumi o meu posto de estafeta. Lutamos e participamos de várias batalhas durante meio ano, até que a luta cessou na África.

Em um dia típico na África havia a constante troca de tiros da artilharia na maior parte do dia, mas não mais que 50 ou 60 tiros em ambas as direções. Apenas o suficiente para deixar o outro lado perturbado. Nós continuamente nos protegíamos pois estávamos muito próximos da linha de frente. Estávamos freqüentemente juntos aos observadores avançados, que não estavam a mais que 700 metros das linhas inglesas. Na metade do tempo fazíamos patrulhas na terra de ninguém, mas nossas atividades mudavam constantemente. Quando não estávamos patrulhando nós ficávamos nos nossos buracos, protegidos dos ataques aéreos. Usualmente recebíamos uma calorosa visita todos os dias.

Muita de nossa atividade era feita durante a noite. Nós colocávamos minas ou saiamos em patrulha. Se nos encontrávamos na linha de frente, o que acontecia na maior parte das vezes, recebíamos tiros de barragem do inimigo a cada 15 minutos. Na primeira oportunidade que tínhamos, procurávamos dormir, geralmente no final da madrugada.

Nossos suprimentos de comida, água e munição não eram adequados. Usualmente tínhamos falta de tudo. Deveríamos receber quatro litros de água por dia, mas na prática eram apenas dois litros para cada um de nós. Raramente tomávamos banho, a menos que estivéssemos próximo à costa do Mediterrâneo.

Em uma noite a minha moto foi pelos ares, atingida em cheio pela barragem. Não havia muito o que fazer. Supostamente a Divisão Hermann Göring era motorizada, e nós esperávamos que chegassem os veículos, mas os cargueiros em que estavam sendo transportados foram afundados no caminho e nós nunca recebemos os equipamentos.

As moscas eram um problema constante, e não tínhamos controle sobre elas, nuvens delas vinham sobre nossas faces e usávamos uma rede sobre a cabeça o tempo todo. Para comer o pão, algumas vezes, poucas vezes, tínhamos geléia ou carne enlatada, e devíamos antes retirar as moscas e rapidamente colocar o pão sob a proteção da rede, esperando que nenhuma tivesse entrado junto com a comida.

O calor durante o dia era tremendo, com média de mais de 40oC a sombra, era muito desgastante. A noite fazia tanto frio quanto quente era o dia, e tínhamos que vestir agasalhos para as missões noturnas.

O nosso comandante, o Marechal de Campo Erwin Rommel, foi o homem mais importante que já conheci. Ele era uma lenda para os soldados que lutaram na África, nós tínhamos um respeito e admiração natural por ele.

Eu o vi pessoalmente em várias ocasiões durante a minha tarefa de estafeta. Ele nunca me dirigiu a palavra, mas estar próximo a sua pessoa causava uma forte impressão. Nós sabíamos que em todas as decisões que ele tomava, sempre levava em conta a vida e a segurança de seus homens. Ele surpreendia o inimigo e encontrava uma maneira de manobrar em torno deles de forma a proteger os seus soldados. Esta foi a sua marca de galanteria na campanha da África.

Por problemas de saúde o Marechal passou o comando para o General Hans Von Arnim que era muito inteligente e ágil, mas não tinha o mesmo carisma que seu antecessor, e assim sentíamos como que afastados do seu comando. Havia uma grande camaradagem entre nós, os soldados do Afrika Korps, e a nossa moral era bastante elevada.

Por outro lado, os nossos aliados italianos passavam por uma série de dificuldades. Aos oficiais italianos sequer lhes passava pela cabeça dormir ou comer ao lado de seus soldados, em contraste, os oficiais alemães estavam sempre compartilhando das mesmas rotinas de seus subordinados, nós éramos muito unidos e isto nos dava um sentimento de orgulho. Isto continuou mesmo quando nos tornamos prisioneiros de guerra. Recebemos posteriormente a admiração dos jornais americanos pela forma "democrática" de integração do nosso corpo militar.

Tínhamos uma grande camaradagem com os italianos, mas dava pena de sua situação, se nossos suprimentos eram escassos, a deles era totalmente inadequada. A sua liderança além de inepta não providenciava a sua apropriada alimentação bem como o suprimento de munição e armamento adequados. Os italianos não tinham a mesma disposição de luta porque não tinham nada decente com que se defender. Os seus tanques não eram de segunda categoria mas sim de terceira. Os aliados tinham novos tipos de tanques entregues aos milhares e os italianos tinham que lutar com um modelo construído em 1928, eles não tinham a menor possibilidade de vencer. Se a pressão na batalha fosse muito grande eles simplesmente viravam as costas e desistiam. Preferiam mais ser capturados a lutar por um sistema que nunca lhes ofereceu nada.

Um dia ficamos face a face com quatro tanques americanos que entraram em nosso campo minado. Um deles estava atirando contra nós, e eu, num impulso, corri até ele e coloquei uma granada entre as suas lagartas. O som da explosão fez com que a equipagem saísse do tanque e se rendesse a nós. Pelo feito ganhei a medalha da Cruz de Ferro de 2ª classe.

Após a batalha de El Alamein nossa retirada foi constante, mas também organizada. Tínhamos sempre que estar com um olho nos italianos pois sua retirada podia se transformar em debandada, além disso os seus oficiais sempre queriam levar todas as suas coisas nos caminhões, incluindo ai as suas confortáveis camas, equipamento de cozinha, banheiros e apetrechos de luxo de toda natureza, enquanto isso nós levávamos apenas o estritamente necessário.

Em um determinado ponto estávamos cercados ao sul da Tunísia, próximo a cidade de Pond du Fahs. Durante três dias sofremos pesado bombardeio e não tínhamos força suficiente para quebrar o cerco, nossas chances de escapar eram muito pequenas, então fomos instruídos a destruir os documentos e nosso equipamento para evitar a captura pelo inimigo. Recebemos permissão para comer nossas rações de emergência, que eram reservadas somente para o último e desesperado momento. Ela contém comida desidratada e energética, e até barra de chocolate. Resignadamente esperávamos pela morte ou captura nos próximos minutos.

Felizmente fomos socorridos no último momento pela 10ª Divisão Panzer que furou o cerco e libertou nossas tropas. Continuamos então a retirada através da Tunísia. Em caminhões atingimos a cidade de Zaghouan, onde cerca de 25.000 soldados alemães, de diferentes unidades concentraram-se. Estas unidades estavam muito misturadas. Os combates diminuíram e apenas mantínhamos escaramuças para cobrir a retirada.

Em 11 de maio de 1943 eu estava junto com cerca de 5.000 soldados alemães em Zaghouan, que ficava localizado em uma montanha acerca de 600m de altitude, cobrindo a retirada dos demais. Os americanos estavam fazendo um bombardeio pesado sobre a cidade. Eles também lançavam folhetos de aviões dizendo que se não nos rendêssemos pela manhã a cidade seria bombardeada e destruída, mas claro, nós não nos rendemos.

Além das armas pessoais e morteiros, nós tínhamos cerca de 20 canhões de 88mm, o melhor canhão da campanha na África. Os americanos atacaram com cerca de 30 tanques, vindos de uma única direção, e cerca de 25 outros vindo de outra. Eu me lembro que tínhamos apenas 15 tiros por peça, então esperamos até o último momento para atirar. Os tanques estavam a apenas 300 metros quando abrimos fogo fazendo uma barragem incrível. Imediatamente entre 12 e 15 tanques foram pelos ares. Durante dois dias as carcaças arderam.

Recebemos ordem de recuar alguns dos nossos tanques que estavam desgastados e precisando de reparos Não tínhamos peças sobressalentes e mecânicos suficientes para recuperar todos. A situação no geral deteriorava-se a cada momento.

Pouco tempo depois perdemos o contato com o Quartel-General em Túnis e com o General Von Arnim. Estávamos concentrados ao sul da frente, mas na verdade não havia uma frente definida, éramos mais uma tropa presa em um bolsão. O bombardeio americano da manhã seguinte foi intenso e terrível, era o nosso fim. Recebemos ordem de destruir nossas armas. O comandante passou a ordem para nos concentrarmos em uma determinada região da cidade para a rendição final.

Não tínhamos nada para comer, nossas munições acabaram e apenas a água era ainda distribuída regularmente. Por volta das 08:30hs da manhã de 12 de maio de 1943 foi formalizada a nossa rendição, e não nos pareceu um fim muito dramático. Marchamos para fora da cidade de Zaghouan, os tanques americanos pararam perto de nós.

Os americanos nos colocaram em campo aberto, onde entramos em formação. Não tínhamos comida ou água, e ficamos assim por dois dias. Eles não tomaram a mínima atitude ou cuidado para conosco e o tempo estava muito quente. Pouco depois fomos entregues aos franceses, mais especificamente, aos homens da Legião Estrangeira. Ficamos muito apreensivos pois eles eram bem hostis em relação a nós. Fomos revistados e despojados de tudo que tínhamos. O tratamento que recebemos como prisioneiros de guerra foi terrível.
Avanço da 39ª seção Panzerjäger pertencente ao Afrika Korps, 1942.

Por dois dias nos fizeram marchar até um ponto ao norte de Pond du Fahs. Um bom número de nós foi ferido pelos guardas da Legião durante a marcha até o campo de prisioneiros. Nós marchávamos em quatro ou cinco fileiras e, de tempos em tempos, os legionários vinham atrás em um caminhão puxando um cabo atado a um rolo de arame farpado e dirigiam em velocidade passando entre nós. Praticamente todos nós fomos feridos neste processo. Apenas aqueles que conseguiam ouvir a tempo os gritos e o barulho do veículo tinham uma chance de desviar, eu fui um dos poucos que conseguiu.

O campo de prisioneiros em Pond du Fahs media entre 300 e 400 acres, cercado por arame farpado. Éramos entre 12.000 e 14.000 prisioneiros no campo. Ficamos ao ar livre, os franceses não nos deram tendas ou pás para cavarmos buracos onde pudéssemos nos proteger do sol e do vento. Nunca recebemos qualquer tipo de material para fazermos abrigos.

Não recebíamos água com regularidade, tínhamos que dosar e economizar o precioso líquido. Imaginamos uma maneira de escapar mas não tínhamos ilusão pois não havia água ou comida na região, além disso estávamos bastante debilitados fisicamente, e não conheço nenhum prisioneiro alemão na Africa que tenha conseguido escapar.

Não demorou para surgirem centenas de casos de morte por inanição, falta de água e insolação. Cavei várias covas para enterrar os mortos. Éramos mais de 12.000 homens esquecidos no deserto, nem mesmo a Cruz Vermelha tomou conhecimento. Normalmente os prisioneiros são contados e colocados sob a proteção das leis internacionais, mas não para a Legião Estrangeira.

Após um tempo, entre seis e oito semanas, vários de nós fomos forçados a trabalhar na limpeza de campos minados. Aqueles que se recusavam eram fuzilados no local. Todos os dias cerca de 100 prisioneiros marchavam para os campos minados. Eu ouvia sempre nessas ocasiões três ou quatro explosões. Os franceses não forneciam qualquer tipo de equipamento ou ferramentas, muito menos algum tipo de orientação sobre o campo e as minas.

Esta rotina diária de retirada de minas durou três semanas. Sabíamos que os franceses tinham o mapa dos campos minados e a localização das minas, porém não forneciam qualquer informação.

Por volta de julho de 1943 fomos forçados a marchar por três ou quatro dias até um campo menor próximo de Túnis. A marcha até o campo foi feita em uma cadência muito lenta devido ao estado de fraqueza em que nos encontrávamos, muitos ficaram pelo caminho para nunca mais voltar.

Durante a marcha só recebemos água uma única vez. Os franceses trouxeram uma grande cisterna de água e simplesmente abriram todas as torneiras. Corríamos desesperados para poder pegar um pouco, não tínhamos nada além das mãos. A água tinha gosto de gasolina e corria para a areia onde formava poças que eram disputadas pelos homens.

O tratamento era intencional, com o objetivo de eliminar os mais fracos. O campo localizado próximo de Tunis ficava a cerca de 80 km de Pond du Fahs no deserto do Saara. Nada além de areia existia na região. Eu calculo que mais de 4.000 prisioneiros ocupavam o campo e a cada dia dezenas morriam de fome, privação ou doenças.

Nos períodos melhores recebíamos 1/4 de litro de água por dia e um naco de pão duro cheio de areia que batia nos dentes como se estivéssemos comendo pedra. Passávamos o dia pensando em comida e água. Improvisamos a construção de abrigos cavando um buraco do tamanho de um homem no qual colocávamos arbustos e argila utilizando a água que não era possível beber. Conseguimos algumas lonas e pudemos finalmente colocar uma proteção contra o sol abrasador.

Não tínhamos provisão de medicamentos e havia apenas um médico alemão no campo, mas ele não podia fazer muito sem instrumentos e remédios. Eu e meu amigo fomos escalados várias vezes para cavar covas rasas e enterrar os mortos. Não sei quantos corpos enterrei mas foi uma quantidade muito grande.

Aqueles que caiam de lado não recebiam qualquer atenção dos franceses e eram deixados para morrer. Após um tempo estabelecidos, os franceses ordenaram que todos se reunissem pois iriamos mudar de campo. Então ordenaram que empilhássemos as lonas e o material de abrigo em uma grande pilha, onde depois foi ateado fogo.

Quando estávamos prontos para marchar eles cancelaram a ordem e mandaram dispersar, vivemos então apenas dentro dos buracos, sem proteção contra o sol e o vento. Claro que foi proposital, com a intenção de retirar o pouco do abrigo que a custo conseguimos construir.

Em um determinado ponto eu entrei em uma espécie de estado de coma que durou mais de uma semana. Não tinha forças sequer para fazer as necessidades mais básicas. Sem hospital, apenas podíamos ficar deitados no chão ou nos buracos. Eu fui capturado em 12 de maio de 1943 e em setembro já tinha emagrecido mais de 40 kg.
MG 34

Minha vida foi salva porque um major americano achou nosso campo por acidente. Este major tinha ligação com a Cruz Vermelha e com o controle dos prisioneiros de guerra, e resolveu averiguar o campo, descobrindo as péssimas condições em que nos encontrávamos. Uma centena de prisioneiros estavam inconscientes dos cerca de menos de 2.000 que ainda estavam vivos.

O Major voltou no dia seguinte com duas dezenas de ambulâncias e forçou sua entrada no campo francês, apoiado por uma centena de soldados americanos. O major selecionou entre 100 e 120 dos casos mais urgentes para hospitalização. Afortunadamente eu estava entre estes. Fui colocado em uma ambulância onde deram-me algo para comer. Fomos levados então para Tunis onde nos internaram em um hospital da Cruz Vermelha Alemã.

Pouco depois fomos levados para Casablanca para embarcarmos em um comboio que partindo de Oran se dirigia para os Estados Unidos. Havia seis ou sete navios carregados com prisioneiros alemães. Viajamos em um barco mercante e fomos dos primeiros prisioneiros alemães a embarcar para os EUA.

Desembarcamos em Nova York e depois fomos transportados em um trem confortável de passageiros, algo inédito pois na Alemanha os soldados eram transportados em vagões de carga..

Viajamos por quatro dias e três noites até o nosso destino em Tonkawa, Oklahoma, para um campo de prisioneiros cercado de arame farpado. Ficamos alojados em barracas com capacidade para 50 homens cada.

Durante o período em que estávamos prisioneiros fomos levados a ajudar vários fazendeiros da região na colheita e serviços diversos, no campo e nas cidades.

Quando a guerra terminou eu fui um dos afortunados que retornou para casa quatro semanas após a Páscoa de 1946. Após 1946 nem todos os prisioneiros retornaram diretamente para a Alemanha. Muitos passaram ainda um ano ou mais trabalhando na Inglaterra ou na França.

Fonte deste artigo: World War II magazine - Setembro 2005.
http://www.grandesguerras.com.br/relatos/text01.php?art_id=136

Algemas e martelos – Uma história do GULAG



E, de repente, do meio dos oficiais imóveis e tensos, saltaram dois agentes da contra-espionagem, atravessando o quarto em dois pulos, agarrando-me com as quatro mãos, a estrela do boné, os galões, o cinturão da montanha, e gritando em tom dramático: – você está preso! (Soljenítsin, 197, p. 29).

O barulho da cela que se fecha, o grunhido das chaves trancado as portas, as poucas palavras do vigilante, a desumanização, o reduzir a frangalhos, a notícia, o mundo que desaba, as tantas páginas lidas que agora pouco serviam, solidão. Ressignificação completamente nova da vida, os valores humanos se relativizam e se tornam maleáveis, vazios. Você está preso. As estatísticas impressionam. A quantidade de pessoas que passaram pelo sistema presidiário soviético pode ser comparada a populações de diversos países - a garra do estado soviético era faminta. Lewin, em o século soviético, apresenta um apanhado do número de presos por razões políticas. Entre 1921 e a primeira metade do ano de 1953, as cifras apontam 4.060.306 pessoas condenadas, sendo que 2.634.397 a campos, colônias ou prisões de trabalho forçado e, desse montante, 799.455 à pena capital (2007, p. 482).

Os artigos em que o Código Penal russo enquadravam esses prisioneiros eram vagos e ambíguos. Aarão Reis menciona os principais: o "58" e o "35". O primeiro, que mais nos interessa, dizia respeito exatamente aos presos políticos. Os crimes de possível adequação a essa categoria eram muitos: traição, espionagem, sabotagem, terrorismo, propaganda anti-soviética, "só não caia nessa rede quem o pescador não quisesse". (1997, p. 178).

Com a necessidade de reprimir os "inimigos do povo", o governo soviético passa a custódia desses a um órgão denominado "Administração Central dos Campos" (Glavnoe Upravlenie Lagerei) - origem da sigla GULAG. Muitos e de variadas espécies, seriam transformados em grandes complexos produtivos e em depósito do "lixo soviético": "ex-prisioneiros, nações colaboracionistas, sabotadores em germe, dissidentes ativos, descontentes passivos, toda uma nova geração de presos, políticos e comuns". (Aarão Reis, 1997, p. 178) Esses prisioneiros eram levados a lugares longínquos, congelantes e sombrios, onde a ração era somente a essencial e o trabalho duríssimo - os mais indesejáveis. Mão-de-obra abundante, gratuita e de fácil substituição.

Lewin aponta alguns dos feitos realizados com o uso de trabalho prisioneiro:

Uma rede, de bom tamanho, de agencias administrativas industriais, ferrovias e hidrelétricas, mineração e empresas metalúrgicas, florestais e de desenvolvimento da região do extremo oriente (o Dal`stroi). Projetos de pesquisa e de engenharia para a produção de armas, inclusive atômicas, foram criadas em campos especiais de presos - os chamados Sharashki - com grandes especialistas, entre eles Tupolev (aviões) e Korolev (foguetes). (2007, p. 149).

À medida que a importância desse tipo de trabalho e do GULAG crescia, as contradições e as crises internas se mostravam vorazes, cancerígenas. As condições de vida eram as piores: fome, frio, execuções, ameaças e humilhações - um pântano enlameado nas taigas russas. Até quando duraria esse modelo, ao certo não se sabia, mas a sobrevivência estava ofegante. Com índices de morte tão elevados, logo não seria tão simples a reposição da mão-de-obra.

Medidas visando o enfraquecimento do modelo GULAG começam a se gestar em período ainda anterior à chegada de N. Kruchev ao poder, na primeira metade dos anos 1950. Como afirma Lewin, a "desgulaguização" foi produto prioritário de seu crescente insucesso e baixa produtividade. Foi necessário, no entanto, esperar a morte de Stalin, grande líder do regime. 


Gulag na Siberia. Para o leste da região de Perm está o vasto território da Sibéria. Foto do Museu Gulag em Perm-36.
No governo de N. Kruchev, enfim, a estrutura se desmantela. O número de detidos em campos cai de 5.223.000 em 1953 para 997.000 em 1959. E o mais espantoso, o número de contra-revolucionários decresce de 580.000 para 11.000. (Lewin, 2007, p. 198). O GULAG abre falência. Os tempos eram outros, a política também. 

Com maior liberdade de expressão, vozes aumentam a força das denúncias dessa realidade. Aleksandr Soljenítsin, antigo prisioneiro do Gulag, lança um primeiro livro: Um Dia na Vida de Ivan Denisovich. Um pouco mais tarde, sua obra clássica: O Arquipélago do Gulag, narrando sua história e esboçando a coleta de entrevistas que fez com ex-presidiários. A URSS começava a abrir as cortinas para o mundo e para si própria. A vida desse prisioneiro se tornava em larga escala conhecida.

Soljenítsin conta que, ao ser preso, sua carreira militar era arruinada. Tudo que ele era se tornava apenas um passado nas lembranças – de capitão a inimigo do povo. Breves segundos dividiam dois abismos. Os primeiros meses de completo isolamento em celas apertadas, mal-cheirosas, frias, sombrias (apenas um pequeno foco de luz constante) são detalhadamente revelados. Em uma passagem de o Arquipélago do Gulag, o autor narra a felicidade de ser reincorporado a celas comuns, junto com outros detentos, depois de tanto tempo em regime solitário:

E nenhuma outra coisa você recordará pela vida afora com tanta emoção.(...) Essas pessoas compartilham com você o chão e o ardente cubo de pedra, nesses dias em que você revivia toda a sua vida sob uma luz nova. E alguma dia você se lembrará delas, como se fossem pessoas da família. (1976, p. 183)

A política soviética de correção através de trabalho era literalmente seguida. Como e em que medida se fazia isso era algo de difícil mensuração. Um poder discricionário extremo, a ferro e fogo: 

Que luta é essa para nós, se quando o chefe da Lubianka entra na cela da anarquista Anna G...v (1926) ou da socialista revolucionária Kátia Olitskáia (1931) estas se recusam a pôr-se de pé à sua chegada? (e este inventa logo um castigo: privá-las de seu direito... de ir fazer as suas 
necessidades fora da cela). (Aleksandr, 1976, p. 442).

Mesmo com a progressiva desativação do GULAG, a memória e a importância histórica desse passado tão vivo permanecem presentes. A tirania que sepultou tantas vidas e sonhos de pessoas inocentes ou culpadas, não pode ser negligenciada. As obras faraônicas, os inventos ímpares, todos os frutos dessa expropriação sempre carregarão o sangue e o suor de um sistema covarde e desumano. Ainda que nada seja mais humano do que a barbárie.

O universo tem tantos centros quanto os seres vivos que nele existem. Cada um de nós é o centro do mundo e do universo. E ele desmorona quando alguém nos sussurra ao ouvido: – você está preso. (Soljenítsin, 1976, p. 15).


Cronologia
- 1917 - Triunfo da Revolução Russa
- 1918/1919 - Inicio do funcionamento de campos de trabalho forçado
- 1924/1927 - Consolidação do poder de J. Stalin 
- 1930 - O termo GULAG começa a ser empregado;
- 1942 / 1943 - Índices de mortalidade no GULAG atingem níveis recordes;
- 1950 / 1951 / 1952 - Período quando o GULAG mais possui prisioneiros;
- 1953 - Morte de Stalin e ascensão de N. Kruchev
- 1956 - N. Kruchev faz o famoso discurso-secreto denunciando práticas do governo de J. Stalin
- 1954 - Grande número de anistias a presos políticos – crise do GULAG.
- 1960 - Desativação oficial do GULAG;
- 1973 - Publicação de O arquipélago do GULAG, de Aleksandr Soljenítsin;


Bibliografia
AARÃO REIS, Daniel; Uma Revolução perdida: Fundação Perseu Abramo: São Paulo, 1997/2007.
APPLEBAUM, Anne. Gulag - Uma História Polêmica dos Campos de Prisioneiros Soviéticos. Rio de Janeiro. Ediouro, 2004.
BEEVOR, A. Stalingrado. O Cerco Fatal. Rio de Janeiro: Record, 2002.
LEWIN, Moshe; O século soviético. Tradução de Silva Costa. Rio de Janeiro: Record, 2007. 
SOLJENÍTSIN, Aleksandr. Arquipélago Gulag. Tradução de Francisco A. Ferreira, Maria M. Llistó 
e José A. Seabra. Rio de janeiro, Biblioteca do exército, 1976.

Autor do texto: Bernardo Augusto de Moura Machado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...