domingo, 25 de julho de 2010

Eu Sou o Último Judeu - Treblinka (1942-1943)

"Eu Sou o Último Judeu" traz relato inédito de sobrevivente de campo de concentração

Apenas 57 judeus sobreviveram ao campo de concentração Treblinka .É razoavelmente comum encontrarmos livros que trazem relatos sobre sobreviventes de campos de concentração nazistas, como Dachau e Auschwitz. Mas isso não acontece quando tratamos de Treblinka, e o motivo é o pior possível.

Dos cerca de 750 mil prisioneiros --em sua esmagadora maioria, judeus dos guetos de Varsóvia, capital da Polônia-- que foram enviados para lá, apenas 57 sobreviveram. Chij Rajchman foi um dos que estavam na revolta que deu liberdade a algumas poucas pessoas, permitindo que elas pelo menos lutassem por sua sobrevivência. Ele foi um dos últimos a conseguir escapar nesta ocasião.

Ainda fugitivo e sem saber se conseguiria chegar vivo ao final da Segunda Guerra Mundial, ele começou a escrever febrilmente sobre as terríveis experiências pelas quais tinha passado em Treblinka. Até agora inédito, este impressionante relato é publicado no Brasil com o nome de "Eu Sou o Último Judeu" (Jorge Zahar, 2010), em uma edição complementada por fotografias, mapas e plantas do campo de extermínio.






Horror


Durante os dez meses em que esteve preso lá, Rajchman sobreviveu de maneira quase que inexplicável. Viu incontáveis execuções e empalamentos, testemunhando algumas das piores atrocidades cometidas pelos seguidores de Hitler.

Ele próprio carregou cadáveres em decomposição e arrancou dentes de ouro dos mortos para dar aos nazistas. Em depoimento ao Museu do Holocausto de Washington, ele afirma que foi obrigado a cortar o cabelo de várias mulheres antes que elas fossem mortas em uma câmara de gás.

Após a guerra, testemunhou em diversos processos judiciais e se mudou para o Uruguai, onde viveu até a sua morte, em 2004.






Trecho do livro


Em vagões chumbados rumo a um destino desconhecido

Os vagões tristes me carregam para lá. Eles vêm de toda parte: do leste e do oeste, do norte e do sul. De dia e de noite, seja qual for a estação: primavera, verão, outono, inverno. Os comboios chegam lá abarrotados, incessantemente, e Treblinka prospera mais a cada dia que passa. Quanto mais comboios chegam, mais Treblinka consegue absorvê-los.

Partimos da estação de Lubartow, a cerca de 20km de Lublin.

Assim como todos nós, não sei para onde nos levam, nem por quê. Tentamos saber mais sobre isso durante o trajeto. Os guardas ucranianos que nos vigiam não dão mostras de nenhuma benevolência e se recusam a nos responder. A única coisa que ouvimos deles é: "Ouro, prata, objetos de valor!" Os assassinos não nos deixam em paz. Não se passa um instante sem que um deles nos aterrorize. Agridem-nos com coronhadas, e todos tentam molhar a mão desses criminososa fim de evitar os golpes.

Eis o retrato do nosso comboio.

Estou com a minha irmã caçula Rivke, uma bonita garota de 19 anos, e um de meus bons amigos, Volf Ber Rojzman, sua mulher e seus dois filhos. Conheço quase todos os que estão no vagão. Eles vêm do mesmo shtetl (do iídiche, "lugarejo", com maioria de população), Ostrow Lubelski. Somos 140, espremidos uns contra os outros, respirando um arviciado. Como é impossível nos deslocarmos, somos obrigados a fazer nossas necessidades no local, embora homens e mulheres estejam misturados. Ouvimos gemidos, e as pessoas perguntam-se umas às outras: para onde vamos? 

Respondem dando de ombros e soltando um suspiro. Ninguém sabe para onde vamos, e, ao mesmo tempo, ninguém queracreditar que somos levados para onde há meses nossos irmãos e irmãs, todos os nossos, são deportados.


Outro amigo, Katz, engenheiro, está sentado ao meu lado. Ele me garante que vamos para a Ucrânia e que seremos instalados fora das cidades, que poderemos cultivar a terra. Ele sabe disso, pois um tenente alemão lhe contou. Era o diretor de uma fazenda estatal que fica a 7km do nosso shtetl, em Jedlanka. Ele lhe faz essa confidência para lhe agradecer por ter consertado um motor elétrico. Quero acreditar nisso, a despeito das aparências.


Avançamos. Nosso comboio para com muita frequência, interrompido pela sinalização, pois não é prioritário e deve deixar passar os trens regulares. Passamos por diversas estações, entre as quais Lukow e Siedlce. A cada vez que o trem para, peço aos ucranianos que descem à plataforma para nos arranjarem água. Não respondem, mas, se lhes dermos um relógio de ouro, eles nos trazem um pouco dágua. Muitos entregaram seus objetos de valor sem receber em troca os poucos goles prometidos.

Tenho sorte. Peço um pouco dágua a um ucraniano, ele exige cem zlotys por uma garrafa. Aceito. Pouco depois, ele volta com meio litro. Pergunto-lhe quanto tempo de viagem temos pela frente. Ele me responde: três dias, pois vamos para a Ucrânia. Começo a achar que é verdade Faz praticamente 15 horas que partimos, e não percorremos mais de 120km.


"Eu Sou o Último Judeu" - Chil Rajchman -  Pagina 27 à 29.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/livrariadafolha/ult10082u710002.shtml




OBS: Quem já leu o livro Treblinka de Jean-françois Steiner, que é um romance, no qual ele diz que o que foi escrito vem de supostos depoimentos e declarações de sobreviventes, lembra-se do especialista em cremação de cadáveres, que se chamava-se Herbert Floss. Sobre esse especialista em cremação de cadaveres, há muitos debates em relação da existencia ou não dele, e a impossibilidade da cremação da quantidade gigantesca de cadaveres. Na próxima postagem, vou colocar uma parte do livro "Eu sou o ultimo Judeu" que também fala da existência de uma pessoa que era responsável pela cremação dos corpos, o qual o autor chama de "O Artista".



quinta-feira, 22 de julho de 2010

Cartas de soldados alemães escritas durante a batalha em Stalingrado


“Me assustei quando vi o papel. Estamos completamente isolados, sem ajuda exterior. Hitler nos abandonou. Esta carta vai seguir se o aeroporto ainda estiver nas nossas mãos. Estamos no norte da cidade. Os homens da bateria também pensam nisso, mas não o sabem tão bem como eu. O fim está próximo. Hannes e eu vamos à prisão. Ontem vi os russos apanharem quatro homens, depois da nossa infantaria ter recuperado a iniciativa. Não, não vamos para a prisão. Quando Stalingrado cair, você ficará sabendo que nunca mais voltarei”.

Fonte: Cartas de Stalingrado, Coleção Einaudi, 1958.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Flakturm / Flaktower - "Torres de batalhas" - As torres de defesa anti-aérea de Berlim





Exemplo de uma arma das torres: guarnição de um Flak 40 de 12,8 cm, na torre do zoologico de Berlim.


As torres de defesa anti-aérea de Berlim, tinham sido construidas em 191/42, logo a seguir aos primeiros ataques dos aliados.

Havia três complexos de defesa anti-aérea, cada um constituido por duas torres. Uma mais pequena, utilizada para comunicações e com armamento mais leve e outra muito maior, chamada de "Torre de batalha", equipada com armamento anti-aéreo pesado. Em Berlim, estas torres encontravam-se em,Humboldthain, Friedrichshain e a última, nos terrenos do jardim zoologico, na zona do Tiergarten (grande zona verde de Berlim), Estas três grandes torres, estavam nos vertices de um triangulo, no meio do qual ficava a zona do Reichtag e a Chancelaria do Reich. Era aliás a torre de comunicações do jardim zoológico, que servia de torre de comunicações do abrigo de Hitler, nos subterrâneos da chancelaria.

A maior de todas as torres, era a torre G, a "torre de batalha" do complexo do jardim zoologico. Cobria a superficie de um quarteirão, tinha uma altura superior a 40 metros, e paredes de betão reforçado, com uma espessura superior a 2.5 metros. As aberturas laterais podiam ser fechadas por coberturas de aço com 1 metro de espessura. No telhado, havia uma bataria com quatro peças duplas de 122mm (um total de oito canhões).

No interior, o ruido era insuportável, por causa do barulho dos disparos e do vaivem continuo dos elevadores das munições, desde o paiol, no andar terreo, até ao topo.

A torre G, tinha sido construida não só como uma torre de defesa anti-aérea mas também como um imenso depósito de 5 pisos, com a seguinte distribuição:

Cobertura - Peças anti-aéreas
5º andar - Guarnição de 100 a 300 homens da torre
4º andar - Hospital da Luftwaffe, com 100 camas, sala de raio X, e duas salas de operações completamente equipadas. O hospital dispunha de 5 médicos, 20 enfermeiras e 30 auxiliares. Nos últimos dias da batalha, o numero de pessoas aumentou enormemente.
3º andar - Casa forte, onde estavam alguns dos mais preciosos tesouros dos museus da Alemanha, como as esculturas de Pérgamo, mandadas construir por Euménio II rei dos Gregos, 180 anos antes de Cristo, ou o tesouro de ouro do rei Príamo, e outras reliquias obtidas aquando da descoberta da cidade de Tróia.
1º e 2º andares - Abrigo para os civis, com cozinhas, armazéns de géneros alimentares, e instalações de emergência para a radio alemã, "Deutschlandsender"
Piso térreo: Paiol de munições

A torre G, era bastante auto-suficiente. Tinha o seu próprio abastecimento de água, e energia eléctrica e acomodava 15.000 pessoas durante os ataques aéreos. O nível de aprovisionamentos era tal, que a guarnição da torre dizia que, acontecesso o que acontecesse ao resto de Berlim, a torre do jardim zoológico, era capaz de resistir durante um ano se necessário.




 


A Torre Flak no bunker do Zoologico (codinome "Gustav"), no parque Tiergarten. Em primeiro plano um destruído Tanque Josif Stalin.

Fonte: http://www.areamilitar.net/historia/1945_QuedaBerlim/1945_Flakturm_G.asp

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Heinz Knoke e o combate contra os Mosquitos


6 de novembro de 1942 

Ao meio-dia o centro divisionário telefona: dois Mosquitos acabam de cruzar a costa. Cinco minutos depois, o tenente Kramer, nosso controlador, está chamando. 

- Poderá decolar, com esse mau tempo? 

Sem mesmo refletir, respondo pela negativa. O teto é de trinta metros. Da janela do meu gabinete mal consigo ver a extremidade oposta do campo. 

Kramer não insiste e desliga. Ele bem sabe que tenho razão. Já faz algumas horas que uma chuva fina e glacial cobre toda a região. Os pilotos jogam baralho, escrevem cartas ou roncam em suas camas. 

A cada quinze minutos a posição dos Mosquitos é assinalada. Julgara que, com esse tempo, logo fariam meia volta. Mas esses inglêses são rijos. Uma hora depois, estão sobrevoando Berlim. 

A campainha do telefone toca novamente. Vou atender. 

- 5ª esquadrilha, subtenente Knoke. 

Reconheço imediatamente a voz de meu interlocutor: é o coronel Henschel, comandante da caça alemã na região do gôlfo da Alemanha. 

- Bom dia, meu pequeno Knoke! Como vai o tempo por aí? 

- De não se pôr uma dedo para fora, meu coronel. Não se vê nada a quinhentos metros. 

- De qualquer forma, meu pobre amigo, você precisa decolar. Acabo de receber um telefonema de Göring. O marechal está furioso. Não compreende como pudemos deixar que aqueles dois Mosquitos passassem, e nos ordena que os abatamos a qualquer preço. 

- Entendido, meu coronel! 

- Quem pretende mandar? 

- O ajudante Wennecker e eu mesmo. 

- Pois então, vão à merda! 

- Obrigado, meu coronel! 

Eu e Wennecker somos dos raros pilotos da esquadrilha capazes de voar com qualquer tempo. Não é a primeira vez que decolamos juntos, debaixo de chuva e envolvidos pela cerração. 

Decolamos às 13h 30m para tentar interceptar os Tommies que, agora, estão em algum ponto na região de Bremen e se dirigem reto na direção noroeste. Provavelmente, ganharão o mar pelas ilhas orientais da Frísia. 

Tomamos o rumo da costa. A voz clara do indicador nos dá o setor B-Q como sendo a posição dos Mosquitos. 

- Rumo 315. Apressem-se - insiste ele. 

É o momento de abrir bem os olhos. Se a indicação estiver exata, não tardaremos a ver nossa presa. Não fosse essa maldita chuva, teríamos a certeza de lhes cortar a retirada. A visibilidade é cada vez menos. Começo a sentir-me nervoso. 

- Você deveriam vê-los agora - insiste ele - Olhem bem, à sua esquerda. 

Não tenho tempo de responder. Bem na minha frente, uma sombra irrompe da cerração. 

Um Mosquito! Seu piloto já me viu. Guina tão brutalmente que sua asa esquerda quase roça o chão. Depois, volta-se com a mesma rapidez para a direita. 

Mas não adianta, meu amigo! Não pense qeu os seus ziguezagues sejam suficientes para enganar-me. A cada uma de suas cabriolas, disparo-lhe uma rajada, visando ligeiramente à frente de seu nariz. 

Voamos extremamente baixo. Felizmente, a região é plana como a palma da mão. Mais um minuto, e desembocamos sobre o mar. O Mosquito arrasta um leve penacho de fumaça. em supercompressão, voa a uma velocidade terrificante. Meu 'Gustavo' (Messerschmitt Me-109G) consegue seguí-lo, mas o de Wennwcker visivelmente perde terreno. Como valeu a pena atormentar os mecânicos, para que cuidassem do meu 'zinco' com dedicação toda particular! Cuidados que se traduzem em 15 a 20 quilômetros/hora suplementares. 

Quero diminuir a distância antes de liquidá-lo. Para isso só há um recurso: fechar as paletas do radiador. Lentamente vou me aproximando dele. Por fim, chego a uma centena de metros, mais ou menos. Com uma ligeira correção, a fuselagem do inglês vem colocar-se no meu colimador. Meus dedos comprimem o gatilho. 

Minha primeira rajada bate como um chicote em seu motor esquerdo. E é o fim. O Mosquito é um avião frágil, um avião de madeira. Tôda a sua asa se incendeia numa fração de segundos, e logo se destaca. Um choque, e o Mosquito desaparece nas vagas escuras do mar do Norte. Quando ganho altitude, vejo a mancha de óleo brilhar no fundo das ondas. 

Gotas de suor salgado me correm pelo rosto.


Fonte: trecho extraído de "A Grande Caça" (Die Grosse Jagd) - Heinz Knoke - Ed. Flamboyant.

Cartas de soldados alemães escritas durante a batalha em Stalingrado


“Não sei se voltarei a te escrever mais uma vez, é preciso que esta carta chegue às suas mãos e que fique a saber desde já, para o caso de voltar alguma vez. Perdi as mãos no princípio do mês de dezembro. Na mão esquerda me falta o dedo mínimo, mas o pior é que na direita congelaram os três dedos do meio. Posso pegar um copo com o polegar e o mínimo. Me sinto um inútil. Só quando perdemos os dedos que percebemos para é que servem, mesmo nas coisas mais pequenas. Kurt Hahnke, acho que você conhece, porque iam juntos à escola em 1937, ele tocou a música Passionata num piano, há 8 dias, numa pequena rua paralela à praça vermelha. Não acontece todos os dias, o piano estava literalmente na rua. A casa tinha  sido bombardeada, mas o instrumento, talvez por compaixão, tinha sido afastado e colocado no meio da rua. Cada vez que passava um soldado, tocava um pouco. Em que outro lugar do mundo é que se pode encontrar pianos no meio da rua?” 


Fonte: Cartas de Stalingrado, Coleção Einaudi, 1958.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Espiã no lençol

O mito de que prostitutas iam para a cama com oficiais alemãs para passar segredos contados na alcova para a Resistência não é mito coisa alguma. Há vários exemplos, uma das mais bem-sucedidas, Amy Elizabeth Thorpe, codinome Cynthia, fez da cama uma de suas principais armas para roubar segredos alemães. Casada com o diplomata inglês Arthur Pack e morando nos Estados Unidos, ela conseguiu obter os códigos para decifrar as operações navais italianas e as correspondências do governo de Vichy. Em 1940, já sob as ordens do serviço secreto inglês, ela usou seu charme com o almirante Alberto Lais, da Marinha da Itália. Seduzido, ele entregou o livro com os códigos secretos a ela, ajudando os aliados a derrotar os italianos na batalha de Cape Matapan em 1941. Nesse mesmo ano, Cynthia recebeu outra missão: descobrir os códigos secretos utilizados pelo governo de Vichy para se comunicar com a Alemanha. Usando novamente sua arma preferida, ele foi conversar com o assessor de imprensa do governo de Vichy em Washington, o capitão Charles Brousse, um ex-piloto da Marinha francesa, usando como disfarce uma posição de jornalista. Os dois começaram um affair, embora ele fosse casado, e Amy convenceu-o a ajudá-la a copiar os livros com códigos de criptografia do cofre da embaixada. Após duas tentativas frustradas, eles conseguiram os dados, entregando aos aliados os códigos de criptografia do governo de Vichy. Foi sua última missão, mas para os alemães ela continou a ser uma das agentes mais procuradas inclusive com uma recompensa por sua captura. No final de guerra, em 1945, o marido de Amy se suicidou e a experiente espiã foi traída pelo coração. Brousse havia se divorciado. Cynthia, apaixonada, casou-se com ele.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Carta de uma mãe sobre o tratamento da Gestapo à sua filha capturada





Danae Vagliano, a mãe de uma integrante da resistência francesa, relata a um amigo da família como os nazistas trataram sua filha após a terem capturado.


Quatro dias depois de as tropas alemãs invadirem Paris, em 14 de junho de 1940, e somente algumas semanas depois de conquistar a Holanda e a Bélgica, uma voz solitária, transmitida pela rádio BBC, desde Londres, conclamava o povo francês a não se render sem luta. “A última palavra foi proferida? Deve a esperança perecer? É esta a derrota fnal? Não!”, exclamou. “O que quer que aconteça, a chama da resistência francesa não pode se extinguir e não será extinta.” O locutor era o general Charles de Gaulle, o ex-subsecretário de Guerra francês, que rejeitara enfaticamente o armistício que cedera metade da França ao nazismo alemão. (Ironicamente, o novo primeiro-ministro francês, designado para dirigir o regime Vichy, que colaboraria com os nazistas para governar a França ocupada, era o marechal Henry Philippe Pétain — o “herói de Verdun” —, que defendera seu país com grande afinco durante a Primeira Guerra Mundial.) Movidos pelas palavras de De Gaulle, inúmeros franceses arriscaram suas vidas ao longo dos quatro anos seguintes para subverter o governo Vichy e ajudar os esforços aliados, à medida que se preparavam para a libertação da França, em junho de 1944. Filha de gregos que tinham residência tanto na França quanto na Inglaterra, Elaine Vagliano foi inspirada pelo chamado às armas de De Gaulle e juntou-se à resistência. Depois que os alemães foram expulsos da França pelos aliados, quando era seguro escrever livremente sobre a ocupação, a mãe de Elaine, Danae, escreveu uma longa e emocionada carta a um amigo na Grã-Bretanha, a respeito dos acontecimentos dos últimos quatro anos. Concentrou-se particularmente nas barbaridades dos soldados da Gestapo (a polícia secreta nazista) e na coragem impetuosa de homens e mulheres, incluindo sua flha, que serviram ativamente à resistência.

__________________________________________________________________________________


Caro sr. Andrews, 

De todo o coração, desejamos agradecer-lhe pela maravilhosa carta que o senhor e a sra. Andrews nos enviaram. Ficamos muito emocionados com sua grande e sincera simpatia. Façam a gentileza de agradecer em meu nome à sua filha por sua querida e bela carta! Espero que uma amiga lhe envie esta correspondência, pois, neste momento, não posso escrever individualmente para cada um! Isso levaria ao menos seis semanas nos correios e gostaria que soubessem os detalhes agora! Agradeçam também à sra. Norman por sua delicada carta e a Ellen Wicks e Florence. Desejo que elas saibam rapidamente o quanto apreciamos a simpatia e a lembrança delas. Mais tarde, escreverei a todas pelo correio comum, uma vez que nem sempre posso incomodar essa minha querida amiga, que faz um ótimo trabalho em Paris. Ela é inglesa, e seu marido é um desses heróis que se encontram “em algum lugar” próximo às linhas de frente. Eles formam um belo casal. Não preciso repetir a todos nossa agonia e sofrimento. Afortunadamente, fomos presos no mesmo dia que nossa filha, embora não no mesmo local. Tivemos a grande sorte de ver Elaine três vezes durante nosso aprisionamento. A primeira, no pátio externo da prisão de Grasse, antes de partirmos para Nice, e as outras duas vezes no quartel-general da Gestapo em Nice ou talvez Cimiez, ao norte de Nice. 

Nos separaram na prisão de Nice e cada um de nós foi jogado numa cela distinta, ao lado de outros três ocupantes. Nenhum assassino ou criminoso inglês seria colocado em lugares tão imundos; cheios de insetos e quase sem comida. Ninguém poderia tolerar tal tratamento por muito tempo e muitos prisioneiros morreram depois de alguns meses. A Gestapo sabia que éramos pró-Inglaterra e partidários de De Gaulle e talvez soubessem que fazíamos trabalho de propaganda. Acho que a verdadeira razão para nossa prisão foi torturar minha filha ainda mais e machucar-nos, a fim de dobrá-la. Fomos espancados diante dela e, embora ela nos adorasse, jamais delatou os nomes de seus companheiros. Mesmo agora posso ver seu pobre rostinho contraído, com duas enormes queimaduras, e com os olhos aflitos. As lágrimas escorriam pela face, mas nada falou. Rezei para que ela não cedesse por causa do amor que sentia por nós. Ela não abriu a boca, pois se tivesse revelado o nome de seus companheiros ou se indicasse a localização de seu quartel-general, a maior parte dos grupos de resistência seria encontrada, torturada e fuzilada. Tudo isso ela me contou, com muita calma e simplicidade, no porão da Gestapo, em Cimiez. 

Sussurramos, pois sabíamos que os alemães nos mantinham todos juntos e tinham microfones no lugar. Isso aconteceu na prisão de Cannes.Ela me falou também o nome da “grande amiga” que a denunciara. 

Elaine era tão fel aos amigos que não podia acreditar nisso, até que viu o testemunho assinado por essa mulher e uma lista de nomes. Também me deram a lista com o nome das pessoas que vieram me ver no domingo e aquela mulher também estava naquele dia! Me recusei a assinar e os denunciei, é claro. Isso me custou quatro dentes, pois o homem da Gestapo pensou que eu pudesse dar detalhes a respeito deles, que fossem ignorados por essa mulher tão vil, embora ela soubesse que eles eram violentamente anti-alemães. Ela, no entanto, traiu aqueles que conhecia. Felizmente, não estava a par das organizações de resistência (seus quartéis-generais) e dos nomes de alguns dos agentes. Ela mencionou aqueles a quem fora apresentada e disse que, por duas vezes, Elaine a enviara com algumas cartas a certos locais. Elaine confava nela, mas jamais lhe falou a respeito de sua “grande obra”. 

Em 25 de julho, minha filha ficou ansiosa, queimou todos os seus papéis e alertou os colegas. (Isso ela me falou na prisão e acrescentou: “Nada podia ser encontrado ou usado contra mim, pois nenhuma prova existia. Foi apenas por meio de Antoinette R.C. que a Gestapo soube que eu enviara aquelas cartas. Ela havia me implorado para que eu salvasse o filho dos alemães e consegui que ele fosse enviado para longe. Essa foi a primeira coisa que Antoinette revelou em seu depoimento e acrescentou (suponho que para impressionar os alemães) que a partida de seu filho fora contra a vontade dela!!!” Então minha filha chorou e me disse: “Oh, mamãe, eu gostava dela! Por que ela fez isso comigo?” Eu poderia ter respondido que Judas existe e que seus seguidores ainda vivem nesta terra. 

Essa mulher terrível está agora na prisão em Cannes desde o final de agosto. Algum dia será julgada. Ela disse ao interrogador francês que havia denunciado minha flha depois de ela (Mme. R.C.) ter sido capturada pela Gestapo, por uma denúncia menor, porque estava “mentalmente cansada” (!) Acrescentou que não fora torturada. Alguns familiares dela dizem: “Pobre Antoinette!” Ela estava tão “mentalmente” cansada! Não é uma boa desculpa, pois Mme. R.C. é uma mulher muito forte e não um delicado botão de rosas! Por causa dela, perdi minha querida, sem a qual nossa casa está vazia. O pobre Stephen é doce, mas é homem e jovem, então, aos poucos, está superando tudo isso. É natural, mas, para Marino e para mim, é diferente. Elaine era a mola propulsora em nossa casa. Era tão cheia de vida, tão pouco egoísta e, para nós, mais do que uma filha – uma amiga que sempre me ajudou e me manteve viva durante esses últimos quatro terríveis anos. Meu marido tornou-se subitamente um homem velho e eu me sinto como se tivesse 100 anos! Jamais esquecerei aqueles dias terríveis, a tortura de minha menina, suas últimas palavras! “Adeus, mamãe querida”, e seu cativante e delicado sorriso. Ela disse à moça em sua cela que estava tão feliz, tão aliviada, por termos sido libertados, mas chorava toda a noite. Não pudemos permanecer em Nice. Em nosso retorno a Cannes, movemos o céu e a terra para tirá-la da prisão. Até mesmo oferecemos suborno, às vezes o dinheiro tenta esses nazistas! Como meu rosto fora cortado e estava bastante machucado, fiquei muito doente ao voltar, por causa de uma toxemia que se instalou e alcançou os olhos. Tudo isso não me incomodava, pois eu continuava pensando em minha querida, sozinha com aqueles nazistas! Continuei a esperar que Elaine retornasse que tudo não passasse de um blefe alemão, que não mais a machucariam, visto que não havia provas (mesmo então, eu não podia acreditar que eles a matariam!). 

O desembarque aconteceu (tudo já acabou, portanto espero poder mencionar isso agora). Ficamos completamente isolados. Não tínhamos luz (apenas quatro velas!), água, comida o bastante e vivíamos em nossos porões – mas estávamos tão entusiasmados! Continuávamos a mencionar como Elaine faria satisfeita. Ela desejava tanto ver todas as nossas bandeiras no alto das casas! As pontes foram destruídas e as estradas, bombardeadas. Nem uma notícia sequer chegava. Esperamos, e Nice foi tomada! Esperamos, mas Elaine não chegou. A polícia sabia a verdade e alguns de nossos amigos também – até que, no dia 22, Stephen entrou chorando e nos falou que Elaine fora fuzilada! Em 3 de outubro, seu corpo foi trazido de volta, pois há uma lei na França que proíbe o transporte de corpos. (Tivemos de enfrentar a polícia, que, finalmente, desistiu e conseguimos ter nossa filha de volta. Foi horrível!) Tivemos de esperar até mesmo por isso! 

Como um soldado, ela regressou em uma carreta de canhão e seu caixão estava coberto por uma bandeira da França. (E ainda está, enquanto jaz em seu túmulo!) Ela não voltou para casa. Foi levada a Mairie e, todas as noites, havia uma guarda de honra a seu redor, com soldados em posição de sentido. No dia seguinte, houve um funeral com honras de Estado tão grandioso que lhe deram tous les honneur e muitas, muitas flores! Todos permanecemos fixos como estátuas de pedra, pois nem ao menos conseguíamos chorar. Cannes tirou-a de nós. Ela foi a heroína deles. “Notre Helen!” (Uma rua próxima da rue d’Antibes foi batizada como “rue Helene Vagliano – Heroine de la Resistance”). A única pessoa a me ajudar foi uma mulher da resistência, quando veio me ver após o funeral de Elaine. Ela lutou ao lado dos soldados e, antes, ajudara a esconder armas. Foi presa, mas escapou por milagre. O marido dela foi aprisionado, torturado e morto. No dia anterior ao funeral de Elaine, ela soube que seu único filho fora morto pelos alemães. Ela me contou tudo isso com bastante simplicidade e, quando tentei consolá-la e dizer-lhe quão corajosa era, ela disse. “C’est affreux, mais je n’ai pas le temps de pleiner!” (É terrível, mas não tenho tempo para chorar!) Vi a angústia em seus olhos! Nos tornamos grandes amigas. Ela pertence ao grupo Les Femmes de France, cuja presidência, como dizem por aqui, é ocupada por mim. Procuramos recolher roupas etc. para as famílias dos membros da resistência; para as famílias ou somente para os filhos das vítimas da Gestapo; e para as famílias dos homens que foram forçados a ir trabalhar na Alemanha. É um bom trabalho, pois essas mulheres são maravilhosas! No Natal, organizamos festas e montamos uma árvore para todas essas crianças, mais de mil; uma para os bichinhos de Elaine (os filhos dos prisioneiros). (Ela batalhou tanto por eles.) E outra para os filhos dos soldados que estão “em algum lugar” nas montanhas. É bom estar ocupada, mas, ao voltar para casa, as feridas se abrem novamente! Pediram-nos que enviássemos para a Inglaterra fotos daqueles que foram mortos pela Gestapo. Tivemos que reunir tudo isso. Em primeiro lugar, fomos à prisão de Mont-feury, em Cannes. Lá, em 14 de agosto, os seguidores de Himmler (um dos quais confessou depois de preso) fizeram uma festa regada a champanhe, então esses Herrenmensch* tiraram seus casacos e foram para o porão. Lá, atiraram em todos os prisioneiros indefesos, incluindo duas garotas de 19 e 20 anos, entre outros. Vimos sangue pelo chão – no colchão (aquele que ocupei em 29, 30 e 31 de julho estava empapado de sangue!). Vimos excrementos revirados e, nas paredes, marcas de mãos ensangüentadas. Em 15 de novembro, fomos a L’ariane, próximo a Nice, onde minha filha fora assassinada! Encontramos o fazendeiro que, por ser o dono daquelas terras, testemunhara tudo. Em 15 de agosto, viu prisioneiros desembarcarem. Viu agentes da Gestapo e os soldados alemães empurrarem esses prisioneiros para o alto da faixa de terra próximo à margem do rio. Ouviu esses brutamontes gargalharem, enquanto aquelas pessoas tombavam indefesas. Às pressas, atravessou a ponte em direção à sua casa. Ali perto, viu duas metralhadoras. Antes de fechar as janelas, viu todos os prisioneiros em fila, de frente para as metralhadoras, logo acima do riacho. Ouviu as armas dispararem três vezes, e pouco depois o som de disparos de revólveres. Mais tarde, um vizinho veio até ele e disse que uma tragédia havia acontecido e os dois correram até a ponte. Viram algo terrível. Corpos de homens e mulheres estavam espalhados por todos os lados. Alguns prisioneiros tentaram escapar e foram cruelmente assassinados e até mesmo chutados enquanto permaneciam prostrados! 

Minha filha não tentara escapar, pois estava deitada de lado. Seu rosto estava coberto de sangue (até mesmo seu lindo cabelo!), e na parte de trás da cabeça havia um enorme buraco feito por um revólver. (Quando foi colocada no caixão, sua pequenina cabeça estava despegada!) Quanto àquelas fotos horríveis, encontramos entre elas uma de minha filha, tirada depois de sua morte! Quando deixou meu quarto, em 29 de julho, às 10h30 da manhã, ela parecia tão leve e alegre. Penteara seu lindo cabelo com cuidado; usava um vestido novo e me perguntou se eu havia gostado! Reconheci apenas o vestido em sua última foto, pois os alemães desfiguraram seu rosto! Tínhamos de ver todo esse horror, pois, desse modo, podemos contar a verdade, sem sermos acusados de exagero. Se, um dia, um homem ou uma mulher na Inglaterra virem essas fotos é preciso que saibam que essa menina ou esse rapaz poderiam ser seus filhos, caso os alemães tivessem vencido a guerra! Esses horríveis assassinatos teriam ocorrido também em suas cidades e vilarejos! Não é preciso cometer exageros na França e, suponho, em todos os países ocupados pelos alemães. 

As pessoas aqui não pedem apenas simpatia. Desejam que acreditem nelas, porque o que sofreram foi verdadeiro! Ouvimos no rádio pessoas fazendo discursos como: “Temos de ser gentis com os alemães depois da guerra.” “Não deve haver ódio!” “Afinal, os alemães são seres humanos!” Posso dizer que não! Não sou uma mulher histérica, enlouquecida de ódio porque minha filha foi assassinada pelos alemães! Eu simplesmente afirma que quem não vive ou viveu em cidades ocupadas por alemães não pode entender o que isso significa! “Seja gentil com os alemães” é algo que fere nossas gargantas!!! Esses alemães não são humanos! Eles votaram em Hitler; não protestaram contra a Gestapo, mesmo em seu país! Gritaram de animação quando ouviram Hitler afirmar, em seus discursos, que desejava ver em chamas cada cidade e vilarejo da Inglaterra! Para eles, mesmo derrotados, a gentileza é uma fraqueza. Quando deixaram as cidades, aqui e em Cannes, atiraram deliberadamente em todas as janelas por que passavam. Nas nossas também, e nos escondemos nos porões! Eles atiraram em civis e incendiaram casas e vilas inteiras. 

Comportaram-se como selvagens. Ainda olhamos por cima dos ombros quando falamos com um amigo e ainda trememos quando a campainha da porta soa alto demais! Os carros alemães vinham com freqüência à nossa casa. Em duas ocasiões, foi para nos levar à prisão. (Na primeira vez, alegaram que meu marido era judeu!!! A acusação era tão absurda que ele logo foi liberado, mas como sofremos até tê-lo de volta.) Numa segunda ocasião, vieram para tomar a casa e disseram que voltariam. Felizmente, no dia seguinte, encontraram algumas casas, próximas à nossa, que serviam melhor a seus propósitos. Tornaram-se nossos vizinhos – por toda parte, ao nosso redor e rua abaixo. Os soldados alemães perambulavam em nosso jardim dia e noite. Cortavam nossas árvores, roubavam nossos frutos, quebravam bancos de pedra e não podíamos reclamar! 

As mulheres alemãs eram igualmente más; costumavam gargalhar diante dos caminhões de prisioneiros! Sei que a dor se espalhou por todos os países. Na Inglaterra, houve bombardeios e todos foram muito corajosos. Deve ter sido horrível e, ainda assim, permaneceram de pé. Todas as honras à Inglaterra. O que os ingleses não sabem, graças a Deus, é o que é ser torturado vagarosamente, estar à beira da morte e ver, por fim, o escárnio ou a felicidade no rosto de alemães que assistem ao seu fim! Minha filha sempre fora chamada de “sale Anglaise” (a inglesa suja) pelos alemães. Ao falar francês, ela apresentava um forte sotaque inglês e isso os enfurecia. Foi por causa de sua formação e educação inglesa que Elaine aprendeu a ter o autocontrole, a determinação e a coragem que a levaram à persistência e ao sacrifício. Eu gostaria que as pessoas na Inglaterra soubessem a seu respeito, e que compreendessem por que ela “se apegou a isso” (seu trabalho) até o último instante! Ela não queria honras ou condecorações, somente a lembrança de seus amigos. Ela me pediu que lhes desse toda a sua coleção de música; e especialmente Bach (uma vez que o sr. Andrews o admira muito). Ela reuniu uma grande quantidade de música antiga! Sobre Sue Harvey, me disse: “Por favor, dê a ela minha pele de raposa cinzenta – caso eu...!" Eu respondi: “Claro que darei – caso...!” Jamais terminamos a frase. 

Em 13 de agosto, ela contrabandeou duas cartas para fora da prisão com a ajuda de um prisioneiro que fora libertado. Uma era para nós, e que loucura! Ela escreveu para nos avisar que, graças às nossas reclamações, os alemães viriam nos buscar para nos deter até o final da guerra. (Não reclamamos de nada, nem vimos nossos amigos ou saímos de casa, mas as pessoas viram nossos rostos no ônibus e falavam a nosso respeito em Cannes.) Felizmente, as estradas foram bombardeadas e os boches não puderam passar. A outra carta foi enviada ao “chefe” dela. Ela escreveu: “Não fique apreensivo, pois jamais falarei!” Quando ele me mostrou a carta, chorou como uma criança. 

O senhor poderia enviar uma cópia de minha carta para Sue Harvey, 46 Godfrey Street, Londres, S.W.3., e dizer que, como ela gostava de minha filha, os detalhes a respeito de Elaine talvez lhe interessem. Eu gostaria de receber notícias dela também, pois era amiga de minha filha. (Por favor, peça a Sue Harvey que mostre esta carta ao tio Bill – tio de Marino.) 

Seria muito trabalhoso se transmitisse alguns detalhes a Ellen e Wicks? Onde está Cliffe? Ele gostava muito de Marino! Ficamos muito tristes ao saber que vocês dois estiveram muito doentes. Que azar! 

Enviamos-lhes nossos melhores votos de Feliz Ano-novo e Saúde. Quando nos veremos? Nossas melhores e mais afetuosas lembranças. 

Danae Vagliano 



P.S. Mamãe está bem e comportou-se como um leão, até mesmo diante dos alemães!! Será que conseguiremos livros? Como esperamos por eles!! 

Por favor, me desculpem estas mal traçadas linhas, mas as lembranças voltam sempre que menciono esses acontecimentos! Espero que a recebam logo, uma vez que conheciam Elaine desde seu nascimento – então, espero que essas coisas sejam do seu interesse.



__________________________________________________________________________________

Seis semanas depois de Charles de Gaulle  transmitir seu comovente apelo à população francesa, ele foi julgado in absentia por traição à França de Vichy e condenado à morte. Quando Paris foi libertada, mais de quatro anos depois, o general De Gaulle marchou em  triunfo sobre a cidade ao  lado das  tropas aliadas e tornou-se o líder do governo provisório. O marechal Pétain escapou do país semanas depois da chegada de De Gaulle, mas retornou à França em abril de 1945. Ele defendeu sua coalizão com os nazistas como um esforço para salvar a França da destruição (como aconteceu com a Polônia), mas o argumento provou-se pouco convincente, e um Pétain de quase 90 anos  foi sentenciado à morte diante do pelotão de fuzilamento. De Gaulle comutou a pena para prisão perpétua e Pétain morreu atrás das grades em 1951.


Fonte: Cartas do front - Relatos emocionantes da vida na guerra- Andrew Carroll  (Pg.245 - 253)

Cartas de soldados alemães, escritas durante a batalha em Stalingrado


“Amados pais. Se estão lendo esta carta, é porque ainda temos o aeroporto. Tenho certeza que esta  será a última que seu amado filho lhes escreverá. Temos russos por todos os lados e não nos mandam ajuda de Berlim. Lhes tenho uma triste notícia, Granstsau morreu semana passada. Estava ele, eu e mais três andando quando simplesmente caiu no chão com a cabeça aberta. Amados pais, chorei muito ao vê-lo, porque crescemos juntos, lembram-se? Quando éramos crianças, quebrei a perna, ele me levou a casa nas suas costas com a minha perna quebrada. Sinto muito pelos pais dele. Perdi meu único amigo. E aqui haverá o fim. Nosso comandante se matou com um tiro na boca ontem de noite. Nossa moral não existe mais. Mas espero que essa maldita guerra acabe, pouco me importa o que aconteça. Se não receberem mais cartas minhas, vão para Espanha o quanto antes, sabemos que é uma questão de tempo dos russos chegarem em Berlim. Amados pais, após essa guerra, a Alemanha ficará atônita ao saber que o soldado que lhes escreve teve a vida salva por um médico judeu. Estou bem dos ferimentos, mas a cicatriz é enorme e horrível. Amados pais, se cuidem. Se não receberem mais cartas minhas, vão para Espanha, o dinheiro vocês já tem. Logo estaremos de novo conversando com Hilse, nos bom tempos dos dias de sol. Com muita devoção, seu filho querido.”

Fonte: Cartas de Stalingrado, Coleção Einaudi, 1958.

Mais cartas:
http://www.stalingrad-stalingrad.de/stalingrad-feldpostbriefe.htm

domingo, 4 de julho de 2010

Cartões postais russos de Natal e Ano Novo

Durante a 2 ª Guerra Mundial os soldados russos tiveram cartões postais especiais de Natal e de Ano Novo. Em alguns, o Papai Noel não parecia muito calmo em sua tentativa de solidariedade para derrotar o invasor. Então, provavelmente esses são os únicos onde Santa Claus pode segurar uma metralhadora ou a outros actos furioso.







KV-VI Behemoth





"Ele não precisa fazer curvas, ele irá direto á Berlim"

Disse Stalin quando questionado sobre o projeto do KV-VI Behemoth.

Desde o colapso da União Soviética, muitas infoormações sobre armamentos secretos desenvolvidos pelo Exército Vermelho começaram a aparecer, e um dos mais fascinantes é o tanque KV-VI Behemoth.

Em Julho de 1941, Stalin soube de um tanque KV-II que sozinho segurou a 6º Divisão de Panzers por um dia inteiro. Com o incrível sucesso deste tanque, Stalin ordenou um projeto de um super tanque baseado no KV-II. Ele deveria ter três torres, ser pesadamente armado e blindado e capaz de se defender de qualquer tipo de ataque.

O projeto foi entregue para o grupo Kotin/Barkov. Quando os projetistas reclamaram para o Secretário-Geral do Partido Comunista da União Soviética que a insistência em ter três torres deixaria o tanque muito longo para ter um raio de curvatura aceitável. Ele respondeu: "Ele não precisa fazer curvas, ele irá direto á Berlim."

O KV-VI Behemoth era um tanque de múltiplas torres que utilizava componentes dos tanques KV-I, KV-II, BT-5, T-60 e T-38. O uso de projetos de tanques já existentes foi necessário devido a pressão do Secretário-Geral e as tensões impostas na indústria soviética pelos invasores alemães. Por causa do seu massivo peso, o tanque foi equipado com mecanismos de enchimento que o permitiam atravessar rios de até 2,7 metros de profundidade. O tanque também era equipado com uma torre de observação removível que poderia ser utilizada para direcionar os obuses e os foguetes.

Uma foto rara da primeira versão do KV-VI Behemoth 


Histórico Operacional 


O primeiro KV-VI Behemoth ficou pronto em Dezembro de 1941 e foi enviado para a defesa de Moscou. Na sua primeira ação, durante uma densa neblina de inverno, a torre traseira acidentalmente atirou contra a torre do meio, a explosão resultante destruiu o tanque completamente.

O segundo tanque ficou pronto em Janeiro de 1942 e foi enviado a Leningrado. Este tanque tinha um indicador instalado que mostrava quando outra torre estava na linha de tiro. No seu ataque inicial contra os alemães, o tanque quebrou ao meio quando atravessava uma ravina e uma faísca atingiu o combustível do lança-chamas, que resultou na total destruição do tanque.

O terceiro KV-VI Behemoth (mostrado na foto) era reforçado e também foi enviado a Leningrado, em 1942. Ele derrubou três aviõesalemães, mas em seu primeiro ataque contra posições alemãs, o KV-VI Behemoth estava atirando contra os inimigos, quando coincidentemente, todas as torres atiraram na posição 3 horas ao mesmo tempo. O grande recuo causado pela força dos canhões inclinou o tanque para dentro de um trincheira. As munições de 152mm armazenadas dentro do tanque bateram-se fortemente, o que eu causou uma explosão que destruiu o tanque.

Depois de todas estas falhas, Stalin cancelou o projeto, e muitos dos projetistas do KV-VI Behemoth passaram o resto de suas vidas na Sibéria. Entre os poucos alemães que encontraram o KV-VI, eles o apelidaram de "Orquestra de Stalin", devido a variedade de armas encontradas.


Especificações do KV-VI Behemoth



Tripulação: 15 homens e um comissário
Comprimento: 15 metros
Largura: 3 metros 

Altura: 4,5 metros

Altura/torre levantada: 11 metros
Peso: 138 toneladas
Motor: 3 motores X V-2 at 600 Hp cada
Velocidade Máxima: 20,9 km/h
Alcance máximo: 157 km na estrada; 69 km off-road
Blindagem: máxima: 160mm; mínima: 7mm
Armamento: 2 X 152mm; 2 X 76.2mm; 1 X 45mm; 2 X 12.7mm DShK; 2 X 7.62mm Maxim; 14 X 7.62mm DT; 16 Foguetes BM-13 ; 2 Lança-chamas Modelo 1933
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...