domingo, 30 de outubro de 2016

A história por trás das impactantes imagens de Saida Ahmad Baghili, símbolo da fome e a tragédia do Iêmen

As impressionantes imagens capturadas pelo fotógrafo da Reuters, Abduljabbar Zeyad, obrigaram o mundo a voltar os olhos, ainda que só por um momento, à gigantesca tragédia humanitária que está tendo lugar no Iêmen. Conseguiram fazer alguma diferença?

O estado de Saida Ahmad Baghili, de 18 anos,
recorda os estragos que a fome está causando no Iêmen
Chama-se Saida Ahmad Baghili, tem 18 anos, e da cama do hospital no Iêmen conseguiu que o mundo tenha atenção - ainda que só por um instante - para a crise humanitária que afeta este país árabe.

A imagem acima ocupou a capa do prestigioso diário inglês The Times na quinta-feira.

E, nos últimos dias, essa e outras fotos de Saida também apareceram em outras publicações e foram compartilhadas abundantemente nas redes sociais.

"Milhões morrem de fome na 'guerra esquecida'", título do The Times para se referir ao conflito que azota o Iêmen há mais de dois anos, quando rebeldes houthies tomaram o controle da capital, Saná.

Mas as comoventes imagens de Saida são um poderoso convite para não continuarmos fechando os olhos.

Saida foi fotografada pela agência Reuters num hospital de Houdieda, no Iêmen
O governo iemenita terminou de ser derrocado em fevereiro do ano passado e, desde então, uma coalizão liderada pela Arábia Saudita - e respaldada pelo Ocidente - esteve combatendo os rebeldes.

E mais de 6800 pessoas morreram e umas 35 mil ficaram feridas, fundamente como resultado de seus bombardeios.

Ao mesmo tempo, 3,1 milhões de iemenitas também tiveram que abandonar seus lares e segundo as Nações Unidas (ONU) umas 14 milhões de pessoas já sofrem de insegurança alimentar.

Mais de dois milhões - entre eles 1,5 milhões de crianças - estão desnutridos.

E Saida, a quem a agência Reuters fotografou num hospital de Houdieda, tornou-se seu rosto.
Este retrato de Saida Ahmad Baghili, de 18 anos, dá conta
dos estragos causados pela fome provocada pela guerra no Iêmen
"A foto (acima) foi tomada por um de nossos fotógrafos no Iêmen, Abduljabbar Zeyad", contou à BBC o chefe de fotografia para África e Oriente Médio da Reuters, Russell Boyce.

"É uma das sete poderosas imagens que distribuímos entre nossos clientes de todo o mundo", explicou.

E Boyce destaca a dignidade que Saida mostra nessa imagem, na qual posa erguida frente à câmara, "apesar de que aparece muito, muito magra, e que está sofrendo".

Para o diretor de fotografia para o Oriente Médio da Reuters,
Russell Boyce, as impactantes fotos também transmitem um pouco de esperança
"É importante saber que esta mulher está sendo atendida: sua tia estava ali, sua mãe estava ali, sua prima estava ali", contou também Royce.

"Assim que além de ser imagens chocantes, também têm um elemento de esperança", disse. "E creio que isso se nota nas imagens".

80% da população do Iêmen depende da ajuda humanitária
Segundo Boyce, os fotógrafos da Reuters cobrem o conflito no Iêmen todos os dias, em suas diferentes expressões.

"Às vezes é o impacto de um bombardeio, em outras ocasiões são protestos, mas é algo que fazem todos os dias", explica.

"Mas quando alguém se encontra com imagens como esta, que nos detém por um golpe, há que parar e pensar um pouco mais, averiguar mais, explicar mais, porque creio que fotos tão poderosas como estas plantam perguntas que há que se contestar", disse ele à BBC.

As imagens foram capturadas no último 25 de outubro
Neste caso, as perguntas plantadas pela indigente situação de Saida, são óbvias.

A pergunta é quanto terá que esperar ela, e o resto dos habitantes do Iêmen, antes que o mundo encontre respostas.

Fotos: Reuters
29 de outubro de 2016

Fonte: BBC/24 horas (Chile)
http://www.24horas.cl/noticiasbbc/la-historia-detras-de-las-impactantes-imagenes-de-saida-ahmad-baghili-simbolo-del-hambre-y-la-tragedia-de-yemen-2177363
Tradução: Roberto Lucena

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Rússia revela primeiras fotos dos novos mísseis 'Super nucleares' capazes de quase "aniquilar o estado de Nova York"



Os mísseis RS-28 Sarmat substitui os SS-18 Satan em uso desde a Guerra Fria.

A Rússia revelou o seu maior míssil nuclear que é dito ser poderoso o suficiente para quase destruir uma área do tamanho do estado de Nova York com uma única explosão.

O presidente Vladimir Putin quer substituir o envelhecido arsenal de armas SS-18 Satan, que foram originalmente encomendados pela URSS em 1974 do país, com uma nova geração de super-mísseis RS-28 Sarmat.

As novas armas virá com até 16 ogivas nucleares de acordo com imagens divulgadas pelo Makeyev Rocket Design Bureau.

Os mísseis, que vão entrar em serviço em 2018, fará com que as bombas que mataram pelo menos 129.000 pessoas em Hiroshima e Nagasaki no fim da Segunda Guerra Mundial pareçam "armas de brinquedo", de acordo com um especialista.

Dr. Paul Craig Roberts, ex-secretário assistente do Tesouro para Política Econômica, disse em um post de blog que a nova classe de mísseis seria poderoso o suficiente para "apagar três quartos do estado de Nova York durante milhares de anos".

Em uma declaração ao lado das fotos, a Makeyev Rocket Design Bureau disse à agência de noticias estatal Sputnik Internacional: "De acordo com o decreto do Governo russo" na ordem de Defesa do Estado para 2010 e o período de planejamento 2012-2013 ", o Makeyev Rocket Design Bureau foi instruído a começar a concepção e desenvolvimento de trabalho no Sarmat.

"Em junho de 2011, o Ministério da Defesa russo assinou um contrato de estado para o desenvolvimento do Sarmat.

"O sistema de mísseis estratégicos em potencial está a ser desenvolvido, a fim de criar uma dissuasão nuclear segura e eficaz para as forças estratégicas da Rússia."

Ele vem como quando as tensões entre a Rússia e o Ocidente quando estão no seu pior desde o fim da Guerra Fria sobre o comportamento da Rússia na Síria e na Ucrânia.


Zvezda TV, um canal de notícias executado pelo Ministério da Defesa do país, advertiu: "Esquizofrênicos da América estão afiando as armas nucleares para Moscou."

Ao longo de três dias, o exercício executado pelo Ministério da Defesa Civil, Emergências e Eliminação de Consequências de Catástrofes Naturais (EMERCOM) envolveu a participação de 200.000 pessoas de emergência e 40m de civis russos.

Fonte: 
http://www.independent.co.uk/news/world/politics/russia-nuclear-missiles-sarmat-satan-nuclear-war-cold-war-putin-us-a7378876.html

sábado, 22 de outubro de 2016

O que aconteceu com os capacetes alemães após a Segunda Guerra Mundial?


Vídeo interessante mostrando o processo de transformação dos capacetes em utensílios de cozinha.



Link do vídeo na conta do blog Avidanofront no Youtube: https://youtu.be/FPPdpuSSWf8
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...