segunda-feira, 24 de outubro de 2011

RONA - Exército Russo de Libertação Nacional (Russkaya Osvoboditelnaya Narodnaya Armiya)

POHA = RONA

Participantes poloneses da Revolta de Varsóvia de 1944, em seus testemunhos e memórias muitas vezes erradamente se referem a "ucranianos" ou ao "Exército de Vlasov ", como as forças alemãs colaborando que eram culpados de pilhagem, estupros e assassinatos cometidos contra os civis de Varsóvia. No entanto, na maioria dos casos a referência é a 1.700 soldados da Waffen-SS Brigada RONA (Russkaya Osvoboditelnaya Narodnaya Armiya), uma força russa colaboradora liderada pelo Waffen Brigadeführer Bronislaw Kaminski. A brigada RONA, no momento da Revolta de Varsóvia, era composta em sua maioria de russos com Bielorussos e minorias ucranianas. A maioria eram voluntários, ex-prisioneiros de guerra, e desertores do Exército Vermelho. Além do RONA, as forças alemãs incluíam algumas unidades formadas com voluntários e ex-prisioneiros de guerra de vários grupos étnicos daUnião Soviética: por exemplo, cossacos, Kalmucks e azeris -grupo étnico do Azerbaijão (Batalhão Bergmann).


General Andrey Vlasov (1900-1946) do exército ROA (Russkaya Osvoboditelnaya Armiya), por outro lado, foi formado meses após a queda do Levante de Varsóvia.

Bronislaw Kaminski (1899-1944) nasceu em Witebsk, URSS. Ele tinha um paipolonês e mãe alemã. Durante a década de 1920 estudou química em São Petersburgo e mais tarde trabalhou como engenheiro em uma  fábrica de tintas. Preso em julho de 1935 pela NKVD (Comissariado do Povo para Assuntos Internos) como um espião polonês e alemão, ele foi condenado a dez anos de Gulag. Liberado após cinco anos, ele foi transferido para a cidade de Lokot na região Orel-Kursk.
Brigada Kaminski em Varsóvia

Kaminski
Bronislav Kaminski e pessoal do Volksheer-Brigada Kaminski - "operação" Frühlingsfest ", Bielorussia, maio 1944

Rota do RONA
A região de Lokot caiu em mãos alemãs em outubro de 1941. Logo depois, um engenheiro russo com o nome de Konstantin Woskobojnik (Voskoboinik) foi autorizado a criar um organismo de auto-governo regional mais tarde conhecido como o "República Briansk-Lokot ". Kaminski, inicialmente o segundo no comando, tornou-se o chefe da "república" após a morte Woskobojnik em janeiro de 1942 nas mãos do partisans russos.

Kaminski construiu da milícia local uma forte brigada com 10.000-15.000 homens. Seus soldados, vestidos com uniformes de estilo russo, assumiu o nome de Exército Russo de Libertação Nacional, ou RONA((Russkaya Osvoboditelnaya Narodnaya Armiya)) - (POHA no alfabeto cirílico russo). Inicialmente, (meados de 1942), a brigada era composta de 85% dos moradores locais, principalmente voluntários russos locais*. O restante veio de desertores do Exército Vermelho e prisioneiros de guerra russos. A brigada participou em diversas operações anti-partisans, por exemplo, na região de Orel em maio de 1943 e na Bielo-Rússia em abril-maio 1944, bem como operações contra o Exército Vermelho na região Siewsk-Dmitrowsk.

O recuo da linha de frente germano-soviético obrigou a brigada RONA a deixar sua área de residência levando consigo cerca de 50.000 civis e transferida para Lepel na Bielo-Rússia em agosto de 1943 e, em seguida, no meio de 1944 para a região de Czestochowa, na Polónia. Em julho de 1944 o RONA foi reorganizado e se tornou a Waffen-SS Brigada RONA. No início de agosto de 1944, 1700 soldados RONA sob o comando do Major Yurii Frolov (Jurij Frolow) foram enviados para entrar no grupo General SS Heinrich Reinefarth, que foi suprimir a Revolta de Varsóvia. A brigada lutou em Ochota e nos distritos de Wola (03-27 agosto de 1944), e na Floresta Kampinos nos arredores de de Varsóvia, o entre 27 de agosto e 04 de setembro de 1944. Entre os civis de Varsóvia, o RONA ganhou a reputação de ladrões cruéis, estupradores e assassinos que cometeram muitas atrocidades. Depois da guerra, general SS Erich von dem Bach, o comandante de todas as forças alemãs que suprimiram a revolta, declarou que:
"... Ele tinha visto os homens de Kaminski com carrinho de compras quase totalmente cheios de jóias roubadas, relógios de ouro e pedras preciosas". Como ele lembrou que, "A captura de uma fonte de bebidas alcoólicas foi mais importante para a brigada do que a apreensão de uma posição comandando a mesma rua. '"(Dallin)
De acordo com um membro da brigada:
"Havia orgias selvagens lá. Eles estupraram freiras e saquearam e roubaram tudo o que podiam obter com os seus dedos. Alguns voltaram de Varsóvia, com cinco quilos de ouro. Foi o episódio mais vergonhoso que eu conheço." (Dallin)
Vlasov e Himmler
Durante a Revolta de Varsóvia, RONA perdeu 400 (40% dos 1.700 original)soldados, incluindo Major Frolov.
No final de agosto de 1944, Bronislaw Kaminski foi preso, julgado e executado,provavelmente por ordem de von dem Bach. Há muitas especulações sobre o(s) motivo(s) para execução de Kaminski. Alguns mencionam saques pessoais, ou estupro e assassinato de duas mulheres alemães, membros da organização Kraft durch Freude(Força através da Alegria) pelo RONA em Varsóvia. Outros se referem que Heinrich Himmler tomou a decisão de apoiar o General Andrey Vlasov, e assim, liquidar Kaminski como seu rival em potencial. A versão mais provável é fornecida por Dallin, descreve que o final de Kaminski é da seguinte maneira:

"... Kaminski foi chamado ao quartel-general alemão para uma conferência destinadas a resolver o destino de seus civis. ... Quando ele apareceu e foi recriminado pela " pilhagem selvagem " de suas tropas", ele procurou se defender.
Kaminski ficou enfurecido [um dos oficiais alemães lembra]: em primeiro lugar, antes de entrar em ação seus homens tinham sido prometidos a mão livre; em segundo lugar, ele não conseguiu entender o ponto de vista alemão: ele e seus homens tinham, em anos de luta para os alemães, perdido tudo que tinham - e agora eles nem sequer foram autorizados a compensar-se à custa da traiçoeiros e rebeldes polacos?
Discussões graves se seguiram, até que um Kaminski claramente descontente e temeroso, "colocado em seu lugar" pelos alemães, foi apressadamente chamado de volta para Varsóvia. Poucos dias depois, seus homens foram informados de que ele tinha sido morto.
A primeira versão da transmissão culpou o assassinato por guerrilheiros poloneses que supostamente emboscaram Kaminski, seu chefe de gabinete, o médico e o motorista em um carro a cerca de vinte quilômetros ao sul de Varsóvia. "

A Brigada RONA foi novamente reorganizada como a 29ª Divisão Waffen-SS e, eventualmente, se separou em novembro de 1944. Os soldados restantes RONA(3000-4000) foram transportados para Münsingen em Württemberg para se juntar ao exercito do General Vlasov (ROA/POA) que acabou de ser formado naquela época. Os civis que acompanham o RONA foram, de acordo com alguns relatos, enviados para trabalhar na região de Pomerânia.

*De acordo com o censo de 12/17/1926, na região de Briansk havia 1,8 milhões de russos e ucranianos, mais 132 mil outras pequenas minorias étnicas. No entanto, entre os ucranianos só 8.600 falava língua ucraniana em casa. Taxa de crescimento populacional na URSS entre 1926 e 1939 foi de 15,9%.

Bibliografia:

Dallin, Alexander. The Kaminsky Brigade: A Case-Study of Soviet Disaffection. In: Revolution and Politics in Russia. Russian and East European Series, vol. 41. Indiana University Press, 1972.

Rudny, Zenon. Kontrowersje wokol Brigadeführera Bronislawa Kaminskiego. Dzieje Najnowsze, Rocznik XXXVIII, 1996, 3-4.

Rudny, Zenon, Brygada RONA. Wojskowy Przeglad Historyczny.RONA Brigade route map: Dallin. The Kaminsky Brigade, p. 245.

Tradução: Daniel Moratori (http://avidanofront.blogspot.com/)

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Soldados Ustasha assassinando prisioneiro a machadada

Fotos(estão fora de ordem) mostrando o nivel de crueldade dos soldados organização croata de extrema-direita que tinha como base conceitos cristã em sua formação. Brutalidade sem limites nesse ideal apoiado pelo cristianismo.
Vou aproveitar e colocar um documentário da minha conta de videos só sobre o Ustasha e sobre o Vaticano no Holocausto na Croácia.




Documentário sobre Ustasha:
Os maiores assassinos da Historia, os Croatas pró-nazistas - Ustasha 1/2
Os maiores assassinos da Historia, os Croatas pró-nazistas - Ustasha 2/2

Documentário Holocausto do Vaticano:

Holocausto do Vaticano - Campos da morte na Croácia pró-nazista - parte 1 
Holocausto do Vaticano - Campos da morte na Croácia pró-nazista - parte 2
Holocausto do Vaticano - Campos da morte na Croácia pró-nazista - parte 3
Holocausto do Vaticano - Campos da morte na Croácia pró-nazista - parte 4
Holocausto do Vaticano - Campos da morte na Croácia pró-nazista - parte 5
Holocausto do Vaticano - Campos da morte na Croácia pró-nazista - parte 6


Mais material sobre Ustasha aqui no blog:
Ustashae a Igreja Catolica

Para quem se interessar, o Roberto do Holocaust-doc  traduziu uma materia sobre o Ustasha:
A Ustasha e o silêncio do Vaticano - parte 1 parte 2 / parte 3
Mais material relacionado:
Holocausto na Croácia - parte 1 / parte 2



Mais recente:
O Vaticano, após a queda do NDH, jamais admitiu qualquer ligação com o regime. Nem mesmo o site oficial do Vaticano possui texto repudiando as barbaridades do NDH. O papa JP2 nunca aceitou visitar Jasenovac, atitude compartilhada pelo atual papa,B16. O Vaticano, através de seu banco, receptou e lavou o dinheiro roubado pelos fugitivos do regime nazi-católico da Croácia (Ustasha) no final da 2GM, além de ajudar vários figurões do NDH que nem Ante Pavelic,Andrija Artukovic e Dinko Sakic fugirem pra América do Sul e EUA(Operação Ratlines). A cumplicidade vaticana com os croatas lhe rendeu uma ação judicial. Advogados dos EUA, representando sobreviventes e parentes de vítimas do regime Ustasha, estão tentando processar, sem sucesso, o Banco do Vaticano.

Ver site dos advogados:  http://www.vaticanbankclaims.com/faqs.html
As folhas do processo contra o Banco Vaticano: http://www.vaticanbankclaims.com/5AC.pdf


domingo, 9 de outubro de 2011

Levante do Gueto de Vársovia (o que o relatório Stroop não mostrou): os abusos contra mulheres


O Levante do Gueto de Varsóvia foi uma insurreição no Gueto de Varsóvia, na Polónia em 1943. Deixando de lado a parte de batalhas, vamos mostrar um pouco um outro lado da guerra, e veremos o que o relatório Stroop não mostrou. Pode-se afirmar que era um tipo de revista necessária, dependendo da situação, mas esse tipo de fotografia é bem peculiar e interessante de se analisar.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Levante do Gueto de Vársovia (o que o relatório Stroop não mostrou): os abusos contra mulheres

O Levante do Gueto de Varsóvia foi uma insurreição no Gueto de Varsóvia, na Polónia em 1943. Deixando de lado a parte de batalhas, vamos mostrar um pouco um outro lado da guerra, e veremos o que o relatório Stroop não mostrou. Pode-se afirmar que era um tipo de revista necessária, dependendo da situação, mas esse tipo de fotografia é bem peculiar e interessante de se analisar.

domingo, 2 de outubro de 2011

Ordem direta de Hitler é desacatada por Rommel



Prioridade, 
09/06/1942
Quartel general
Muito Secreto
Apenas para oficiais

1. Exército Panzer Afrika, alto comando alemão das forças armadas italianas, Roma : 
2. OKH/GenQu 
3. Gen. z. b. V. bei OKH 
4. Ob.d.L./Gen.Qu 
5. OKW/WR

De acordo com relatórios de inteligência atuais, podem ser encontrados muitos refugiados políticos alemães, nas unidades da França Livre na África.

O Führer ordenou proceder contra eles com o máximo rigor, então eles devem ser destruídos impiedosamente em batalha. Presos devem ser sumariamente executados por ordem do oficial mais próximo, exceto aqueles que estão temporariamente suspensos para fins de inteligência.

Você não pode fazer qualquer referência a essa ordem por escrito. Comandantes devem comunicar estas instruções por via oral.

 OKW/WFSt/Qu (Verw.) 
 Nr. 55 994/42 g. Kdos. Chefs.

Tradução: Daniel Moratori (avidanofront.blogspot.com




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...