terça-feira, 30 de novembro de 2010

Fuga do Gueto de Varsóvia pelos esgotos

Sapadores alemães atribuídos a explodir os bunkers onde os judeus estavam se escondendo, junto com os judeus que haviam sido retirados de uma dos bunkers, aparentemente, em 08 de maio de 1943.

O Levante propriamente dito, que teve inicio a 19 e abril de 1943, na primeira noite da Páscoa judaica, continuou até a liquidação final do gueto. Tres dias foram destinados para a liquidação final do Gueto de Varsóvia. A batalha dos bunkers durou mais de um mes.

Com o gueto em chamas, alguns judeus escaparam pelos esgotos. Relata um sobrevivente:

A 10 de maio de 1943, às 9 horas da manha, a tampa do esgoto sobre nossas cabeças literalmente se abriu e uma torrente de luz solar jorrou para dentro. Krzaczek[um membro da resistência polonesa] estava de pé na abertura do esgoto, chamando-nos para sair. Começamos a escalar a saída, um atrás do outro, e imediatamente subimos num caminhão. Era um lindo dia de primavera, e o sol nos aqueceu. Nossos olhos foram cegados pelo brilho do , pois durante muitas semanas não tínhamos visto a luz do dia e haviamos passado o tempo todo em completa escuridão. As ruas estavam cheias de gente, e todos ficaram parados olhando, enquanto seres estranhos, dificilmente reconhecíveis como humanos, rastejavam para fora dos esgotos.


Transcrito por: Daniel Moratori - avidanofront.blogspot.com
Fonte: GUTMAN, Israel -  Resistência. Ed. Imago, 1995, pg 18.

domingo, 28 de novembro de 2010

Extrato do diário de Friedrich Schmidt, o torturador de Budionovka

Extrato do diário de Friedrich Schmidt, Secretário da Policia Secreta adjunto ao 1° Exercito Blindado das Forças Armadas alemãs, redigido em Budionovka, perto de Mariupol.

25 de fevereiro - Não esperava que este dia fosse um dos mais intensos da minha vida... A comunista catarina Skoroiedova estava informada com alguns dias de antecedencia do ataque dos russos contra Budionovka. Dizia mal dos russos que colaboravam conosco. A fuzilamos as 12h...O velho Saveli Petrovitch Stepanenko e a mulher, da aldeia de Samsonovka, também foram executados... Foi ainda exterminado o filho da amante de Goraviline, de quatro anos de idade. pelas 16h, trouxeram-me quatro raparigas de dezoito anos que vieram a pé pela neve de Ieisk até aqui... O chicote tornou-as mais obedientes. Todas elas são estudantes e uma belas raparigas. As celas abarrotadas são um verdadeiro pesadelo...

26 de fevereiro - Os acontecimentos deste dia ultrapassaram tudo o que até hoje me foi dado ver... A bela Tamara suscitou o maior interesse. Depois trouxeram ainda seis rapazes e uma rapariga. Nem as exortações nem as mais violentas chicotadas fizeram qualquer efeito. Portaram-se como diabos! A rapariga não derramou nem uma unica lágrima, apenas cerrou os dentes... Depois de uma sova impiedosa fiquei com o braço como que paralisado.  Recebi duas garrafas de conhaque, uma do tenente Koch, do estado-maior do conde von Förster, e outra dos romenos. Senti-me novamente feliz. Sopra um vento do sul, começou o degelo. A primeira companhia da guarda de campanha apanhou a 3 km a norte de Budionovk cinco rapazes de dezessete anos de idade. Trouxeram-mos...O chicote entrou em ação, e ficou com o punho partido em mil pedaços. Batíamos a dois... Contudo, nada confessaram...Trouxeram-me dois soldados vermelhos...Moemo eles de pancadas... Tratei da saúde ao sapateiro de Budionovka, que pensava que lhe era permitido rir-se do nosso exercito. Já me doem os músculos do braço direito. O degelo continua...

1 de março - Mais um domingo de guerra... Recebi o pré: 105 marcos e 50 cêntimos... Hoje jantei com os romenos. Comi bem... Às 16h fui convidado, inesperadamente, para tomar café na casa do general von Vöster...

2 de março - Sinto-me mal. Fui atacado de diarréia. Tenho que ficar deitado...

3 de março - Interroguei o tenente Ponomarenko, que me tinham trazido. Ponomarenko foi ferido na cabeça no dia 2 de março; refugiou-se no kolkhoz Rosa Luxemburgo; aí disfarçou-se e desapareceu. A familia que escondeu Ponomarenko começou a mentir. Naturalmente, moí-os de pancada... À noite ainda me trouxeram cinco pessoas de Ieisk. Como de costume, são adolescentes. Usando do meu método simplificado que já deu boas provas, levei-os a confessar: como sempre, fiz trabalhar o chicote. O tempo começa a fiar doce. 

4 de março -  Está um tempo soberbo... O sub-oficial Vogt já fuzilou o sapateiro Alexandre Iakubenko. Atirou-se para a vala comum. Estou constantemente a sentir comichão por todo o corpo.

6 de março - Entreguei 60 marcos ao fundo de ...

7 de março - Ainda vivemos bem. Recebo manteiga e ovos; às 16h trouxeram-me novamente quatro jovens guerrilheiros...

8 de março - O sub-oficial Springwald e Frau Reidmann regressaram de Mariupol.Trouxeram o correio e uma ordem escrita de Groschek relativa à execução... Já tinha mandado fuzilar seis pessoas...Disseram-me que chegou de Vessioly mais uma rapariga de dezessete anos.

9 de março -  Como o sol esta radioso! Como a neve brilha! Mas nem mesmo o ouro do sol é capaz de me descontrair. Dia difícil. Acordei às tres horas. Tive um sonho horrível. O motivo é que tenho que matar trinta adolescentes capturados. Esta manha Maria serviu-me uma excelente torta...Às 10h trouxeram-me mais duas raparigas e seis rapazes...tive que lhes bater impiedosamente... Depois, foram as execuções em massa: ontem seis, hoje trinta e tres criaturas liquidadas. Não posso comer. Pobre de mim se me apanham. Já não me posso sentir seguro em Budionovka. Não há dúvida que me odeiam. No entanto não podia proceder de outro modo. Se os meus pais soubessem o dia difícil que passei. A vala está quase cheia. Como esta juventude bolchevista sabe morrer heroicamente! Será o amor da pátria ou o comunismo que lhes penetrou na carne e no sangue? Muitos deles, sobretudo as raparigas, não derramaram uma lágrima. Tem na verdade uma grande valentia. Obrigamo-los a despir-se (queremos as roupas para as vender)... Mal de mim se sou apanhado!

11 de março -  Só à chicotada se pode educar a raça inferior. Mandei construir ao lado do meu quarto uma privada muito limpa e dependurei na porta um letreiro proibindo a população civil de se servir dela... Em frente ao meu quarto fica o escritório do burgomestre, onde chegam todas as manhas os operários para trabalhar no aterro. Desprezando o letreiro, servem-se da privada. Ah! como lhes bato! Para a próxima mando-os fuzilar...

13 de março - Carregado de trabalho, há muito tempo que não escrevo para casa. Para dizer a verdade, não tenho vontade de escrever à familia, - não o merecem...Depois, moí de pancada um russo de cinquenta e sete anos, juntamente com seu genro, por ter falado com insolência dos alemães. Em seguida, fui ter com o coronel romeno...

14 de março - Voltou o frio. Tenho novamente diarreia e sinto dores na região do coração; chamei o medico. Diagnosticou: complicações no estomago e nervos... Dei hoje ordem para fuzilarem Ludmila Tchukanova, de dezessete anos. Tenho que matar adolescentes, e é por isso que tenho o coração doente.

17 de março -O meu primeiro trabalho de hoje: Mandei trazer do hospital, numa telega(espécie de carroça, de quatro rodas), o quinto paraquedista russo. Ordenei a execução imediata junto da vala comum... Feito isso, passei o dia tranqüilamente. Depois de jantar dei um pequeno passeio. A terra estava dura do gelo.

19 de março - Eis-me na cama. Mandei chamar o major medico. Auscultou-me e pensa que quanto ao coração tudo corre bem.  Constatou uma depressão moral. Receitou-me comprimidos contra a prisão de ventre e um ungüento contra o comichão... Temos um porco excelente. Mandamos fazer chouriços.

21 de março - Ainda não tínhamos conhecido em Budionovka um dia tão horroroso. À noite apareceu um bombardeiro russo. Lançou primeiro foguetes luminosos e depois doze bombas. Os vidros tremeram nas janelas. Imagine-se a emoção que senti quando, deitado na cama, ouvi o ruido do avião e o rebentar das bombas...

23 de março - Interroguei uma mulher que roubou o meu interprete, Frau Reidmann. Chicoteamos-lhe as nádegas nuas. Ao ver isto, até Frau Reidmann chorou. Depois dei uma volta pela aldeia e passei pelo talho onde me estão a fazer os chouriços... A seguir interroguei dois garotos que tinham tentado fugir pela neve até Rostov. Fuzilei-os como espiões. Pouco depois trouxeram-me um rapaz que há uns dias atrás tinha vindo de Ieisk, pela neve... Entretanto, trouxeram-me chouriço de fígado picado. Não sabe mal. Quis mandar espancar uma komsomol (organização juvenil do Partido Comunista da União Soviética)...


27 de março - à noite esteve calma... Interrogo dois rapazes de quatorze anos que rondavam pelos arredores. Mandei espancar uma mulher que se tinha esquecido de se registrar.

28 de março - Fui visitar o coronel Weiner, que desempenha a tarefa de Arbeitsfuhrer. Às 18h mandei fuzilar um homem e uma mulher que tinham tentado fugir pela neve...

1 de abril -  Recebi 108 marcos em rublos, o que faz um grande maço de dinheiro. Valia massageou-me e banhou-me novamente...

10 de abril -  O sol queima. Quando, de manha, Maria abre a janela, os raios brilhantes jorram sobre a cama. O gelo fundiu, e agora só se receia a ameaça dos aviões. Espanquei varios rapazes e raparigas por não se terem registrado. Entre eles a filha do staroste (campones). Sinto uma sensação desagradável quando começa a escurecer, - começo a pensar nos bombardeiros.

11 de abril -  Todos estão contentes por eu ter voltado. Tratam-me como rei. Ceamos copiosamente e bebemos aguardente...

12 de abril -  Todas as manhas bebo leite quente  como um omelete... Agora há menos que fazer... Trabalhamos somente à escala local. Punições: espancamentos  ou fuzilamentos. Geralmente mando aplicar as chicotadas nas nádegas nuas.

16 de abril - Dia calmo. Resolvi uma questão entre o staroeste e o chefe da milícia, e depois espanquei tres homens e uma mulher que, apesar da proibição, vieram a Budionovka procurar trabalho... Em seguida, torturei uma mulher militar: confessou ter sido maqueira... Os romenos deram-me por varias vezes aguardente, cigarros e açúcar. Sinto-me novamente feliz.
Finalmente Groschek propôs-me para a Cruz de Guerra com espadas cruzadas. Eis-me pois condecorado!

17 de abril - As raparigas (Maria, Ana, Vera) cantam e brincam junto da minha cama... À noite trazem-me uma noticia. Parti para o local com o interprete para resolver o assunto. Mexericos de mulheres. Mandei espancar duas raparigas, em minha casa, nas nádegas nuas...

18 de abril - Tempo chuvoso e encoberto. Mandei chamar varias raparigas que se tinham exprimido em termos reprovadores sobre a policia secreta. Mandei-as espancar a todas.

Transcrito por: Daniel Moratori - avidanofront.blogspot.com
Fonte: COELHO, Zeferino - O crime metódico. Ed. Inova Limitada - pg.74-79

Parlamento da Rússia atribui massacre de poloneses a ex-líder soviético

26/11/2010

União Soviética reconheceu apenas em 1990 a autoria dos crimes

A Câmara Baixa do Parlamento da Rússia, chamada de Duma, aprovou nesta sexta-feira (26) em primeiro turno uma declaração que reconhece como "uma tragédia" ordenada por Josef Stalin o massacre de milhares de oficiais poloneses pelo NKVD em 1940 em Katyn. A declaração também implica outros dirigentes soviéticos.

- Os documentos publicados, que permaneceram por muitos anos nos arquivos secretos, não apenas revelam a amplitude desta terrível tragédia, como são uma prova de que o crime de Katyn foi cometido por ordem pessoal de Stalin e de outros dirigentes soviéticos. A responsabilidade desta matança foi atribuída na propaganda soviética aos criminosos nazistas, o que alimentou a revolta, a amargura e a desconfiança do povo polonês.

Imagem de arquivo mostra retirada de corpos de poloneses de cova coletiva em Katyn.
O Parlamento russo manifesta sua "profunda compaixão com todas as vítimas desta repressão injustificável, com suas famílias e amigos", prossegue a nota.

Moscou e Varsóvia iniciaram este ano uma aproximação sem precedentes desde a época soviética.

Após a invasão pela URSS em setembro de 1939 das regiões do leste da Polônia em consequência do pacto germânico-soviético, 22 mil oficiais poloneses prisioneiros do Exército Vermelho foram mortos nos bosques de Katyn e em Mednoia (Rússia), assim como em Jarkiv (Ucrânia).

Durante décadas, a União Soviética acusou a Alemanha nazista de ter cometido os assassinatos. Apenas em abril de 1990 o líder soviético Mikhail Gorbachov reconheceu a responsabilidade do país no massacre.



As imagens dos documentos que foram liberados pelo governo russo vocês podem ver aqui:  

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O frustrado ataque da Brigada de Cavalaria Pomorska (mito)



"A bravura dos defensores é indubitável", disse Dietrich num espaço enviado ao QG de combate. E era verdade, como prova o exemplo abaixo:

Do outro lado das ruínas fumegantes de Krzepice, com seus habitantes procurando fugir apressadamente, mas sendo assassinados às centenas, enquanto os atacantes avançavam implacavelmente, veio um contra-ataque inesperado. Era ridículo em seu conceito e desesperado na maneira de fazer. Uma tropa da famosa Brigada de Cavalaria Pomorska ocultara-se nos bosques existentes além de Krzepice e, de acordo com ordens do seu comandante, saiu para atacarem campo aberto na direção dos tanques do "Leibstandarte". Os cavaleiros portavam lanças e espadas; seus uniformes azuis eram enfeitados de borlas douradas e de seus capacetes pontiagudos pendiam plumas; e em suas frágeis couraças de parada viam-se bordados os símbolos de antigos reis  poloneses. Montavam veloses cavalos negros e seus "Hurrah", o tradicional brado de guerra polones, que é hoje conhecido em todo o mundo, foram momentaneamente ouvidos em meio às intermináveis levas de aviões que rugiam pelos céus da região.

Mais tarde, Dietrich disse que por instantes ninguém quis acreditar naquela horrível carga de opereta.  "Quase todos nós achavamos que era uma espécie de miragem". Os cavalos continuaram galopando na direção do tanque e, depois de breve momento de espanto e antes que os canhões abrissem fogo, começou a atacar o veiculo com sua espada e lança. Os artilheiros do "Leibstandarte" - escotilhas abertas e rindo às gargalhadas diante de espetaculo tão inusitado - pegaram de suas suas metralhadoras e varreram os que se aventuravam a luta tão desigual. Cavalos empinavam, caíam, davam saltos, confundindo-se tudo em dolorosa desordem, homens e animais. O espetaculo resultou numa amálgama de carne, osso, sangue e uniformes desfeitos em trapos que o gelo tradizadas pelo inverno deu aparencia de "uma colagem na qual os elementos de cor, estupidez, bravura, crueldade e agonia haviam sido conservados".

Transcrito por: Daniel Moratori - avidanofront.blogspot.com
Fonte: WIKES, Alan -  A guarda de Hitler -  SS Leibstandarte - Ed. Renes; pg.75


OBS: Conforme estudos recentes, foi diagnosticado que essa carga da cavalaria contra tanques foi merito da propaganda alemã, pois não há provas algum que comprovem o fato, e foi repassado em centenas de publicações até os dias atuais. Colocarei um texto referente sobre o assunto logo abaixo:

Cavalaria Polaca: Um mito militar dissipado

Nazista acusado de 430 mil mortes morre aos 89 anos na Alemanha

Guardas do campo de extermínio de Belzec. Samuel Kunz é o terceiro da direita, com o bandolim nas mãos.


Agência de Notícias

Ex-guarda de um campo de concentração nazista, Samuel Kunz morreu na quinta-feira passada (18) aos 89 anos, antes de enfrentar julgamento pela morte de 430 mil judeus.

"Samuel Kunz morreu em 18 de novembro, aparentemente em sua residência. Temos o atestado de óbito", afirmou o promotor Andreas Brendel, diretor do Escritório Central para a Elucidação de Crimes Nazistas de Dortmund (oeste).

Kunz era o terceiro na lista de nazistas mais procurados do centro e devia ser julgado por crime contra a humanidade pelo assassinato de judeus aprisionados no campo de concentração de Belzec, então parte da Polônia ocupada pelos nazistas, entre janeiro de 1942 e julho de 1943.

Ele era acusado de ter matado dez dos prisioneiros pessoalmente, além de participar da morte de outros 430 mil. O julgamento de Kunz deveria começar somente em 2011, depois de vários atrasos --o último resultado de uma petição do próprio juiz para novas investigações sobre o réu no registro de criminosos de guerra de Dortmund.

Depois da guerra, Kunz trabalhou como funcionário do Ministério Federal da Construção.

Brendel lamentou ao jornal "Bild" a suspensão do caso do julgamento que "teria sido uma boa oportunidade para esclarecer o massacre dos judeus, em especial no campo de morte de Belzec".

Na lista de criminosos nazistas mais procurados permanecem, entre outros, o húngaro Sandor Kepiro, ex-oficial de polícia que teria participado de uma matança de 1.200 civis em Novi Sad (Sérvia), o ex-chefe de polícia croata Milivoj Asner, que colaborou na deportação de sérvios e judeus. Entre os alemães mais buscados por crimes de guerra, está Adolf Storms, sub-oficial das forças nazistas que teria matado 58 prisioneiros judeus.




Morre 3º criminoso nazista alemão mais procurado

Site Terra

O terceiro criminoso nazista alemão mais procurado, Samuel Kunz, de 89 anos, morreu na quinta-feira passada sem chegar a ser processado por crimes contra a humanidade, informou nesta segunda-feira o Escritório Central para a Elucidação de Crimes Nazistas de Dortmund.

Kunz, que foi guarda do campo de concentração nazista de Belzec (Polônia) de janeiro de 1942 até julho de 1943, era acusado de ter matado pessoalmente dez pessoas e de participar do assassinato de outros 430 mil prisioneiros.

O julgamento contra Kunz estava previsto para o próximo ano após vários atrasos, o último a pedido do próprio juiz, que solicitou novas investigações sobre o acusado no registro de criminosos de guerra de Dortmund.

Após a guerra, o ex-guarda viveu perto de Bonn até sua aposentadoria como funcionário do Ministério de Construção.

As investigações contra Kunz tiveram início durante o processo atualmente em tramitação em Munique contra o suposto criminoso nazista John Demjaniuk pela morte de 27.900 judeus no campo de concentração de Sobibor.

Segundo o jornal "Bild", o promotor Andreas Brendel lamentou a suspensão do julgamento e afirmou que "teria sido uma boa oportunidade para esclarecer o massacre judeu, especialmente o do campo da morte de Belzec".

O diretor do Centro Wiesenthal de Jerusalém, Efraim Zuroff, expressou nesta segunda-feira sua frustração pelo fato de que Kunz não poderá ser julgado.

"O fato de que Kunz tenha vivido durante décadas na Alemanha sem ser julgado é o resultado de uma falha na estratégia de investigação: a de que quem não foi oficial desconhecia o Holocausto", disse Zuroff.

O diretor do Centro Wiesenthal desafiou as autoridades alemãs a "solucionarem rapidamente outros casos similares dada a elevada idade de muitos dos acusados".

Na lista dos criminosos nazistas mais procurados permanecem, entre outros, o húngaro Sandor Kepiro, ex-oficial de Polícia que teria participado de um massacre de 1.200 civis em Novi Sad (Sérvia), e o então chefe de Polícia croata Milivoj Asner, que colaborou na deportação de sérvios e judeus.

Entre os alemães mais procurados por crimes de guerra está Adolf Storms, suboficial das SS que teria assassinado 58 trabalhadores forçados judeus.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Extrato de um relatório sobre a destruição da aldeia de Borki - de 22 a 26 setembro de 1942



15º Regimento de policia - 10º Companhia

28 Setembro de 1942

A 21 de setembro de 1942 a companhia recebeu a missão de destruir a aldeia de Borki situada a 7 km a leste a leste de Mokrany.

À noite as seções da companhia foram postas ao corrente da operação. A preparação começou.

Em 22 de setembro o numero de veículos era suficiente para carregar e transportar ao ponto de ligação em Mokrany todas as seções da companhia e a seção da 9ª companhia que lhe estava adjunta. A deslocação teve lugar sem incidentes. Ninguém foi licenciado.

As carroças necessárias para a operação  foram previamente preparadas e chegaram a Borki à hora determinada. Quando se estavam a mobilizar as carroças descobriram-se varias camponeses recalcitrantes e a companhia pediu a sua punição.

A operação realizou-se segundo o plano, salvo alguns atrasos em algumas etapas. A causa destes atrasos foi a seguinte: no mapa, a localidade de Borki, está indicada como uma aldeia compacta. Na realidade, esta localidade estende-se por 6 ou 7 km de comprimento e de largura.

Quando, de madrugada, dei conta deste fato, alarguei o cerco a leste e organizei o contorno da aldeia de tesoura espaçando simultaneamente a distancia entre os postos. Graças a isto consegui prender e levar para o local de  concentração todos os habitantes da aldeia sem exceção. Esta tarefa foi facilitada pelo fato de a população ignorar até o ultimo momento a finalidade deste reagrupamento. No local de concentração reinava a calma, o numero de postos foi reduzido ao mínimo, e as forças que assim ficaram disponíveis puderam ser utilizadas no ulterior desenvolvimento da operação. A equipa de coveiros só recebeu as pás no local da execução, e a população ignorava a sorte que a esperava. As espingarda-metralhadoras, como  foram colocadas de modo a não serem vistas, evitaram o pânico que surgiu no inicio quando soaram os primeiros tiros no local da execução situado a 700 metros da aldeia. Dois homens tentaram fugir mas, depois de darem alguns passos, caíram atingidos pelas balas. A execução começou às 9 horas e acabou as 18. Das 809 pessoas reunidas, 104 (seguras do ponto de visto político) foram libertadas, entre as quais os operários da exploração de Mokrany. A execução desenvolveu-se sem complicações, tendo-se mostrado racionais as medidas preparatórias. A confiscação do trigo e do material decorreu segundo o plano, exceto algum atraso de tempo. O numero de carroças era suficiente, pois a quantidade de trigo era epquena e os postos de entrega do cereal não debulhado encontravam-se a curta distancia.

Os objetos caseiros e o material agrícola foram transportados nas carroças juntamente com o trigo.

Indico os resultados numéricos da execução: foram fuziladas 705 pessoas, das quais 203 homens, 372 mulheres e 130 crianças.

A quantidade de gado confiscado só pode ser calculada de modo aproximado pois nos postos de entrega não foi feito registro: 45 cavalos, 250 bois, 65 bezerros, 450 porcos, leitões e 300 carneiros. Só nalgumas quintas se encontraram aves de capoeira. Foram distribuídas pelas pessoas libertadas.

Material confiscado: 70 carroças, 20 charruas e grades de esterroar, 5 maquinas de joeirar, 25 corta-palhas e outro material ligeiro.

O trigo, o material e o gado confiscados foram entregues ao chefe da exploração de Estado em Morkrany.

Na operação em Borki foram gastos: 786 cartuchos de espingarda e 2496 cartuchos de submetralhadora.

A companhia não teve perdas. um ajudante foi enviado para o hospital Brest. Supõe-se que tenha icterícia. 

Tenente da Policia de segurança Muller,
adjunto do comando da companhia


( o original alemão encontra-se nos Arquivos centrais da U.R.S.S. sobre a revolução de Outubro, fundo 7021, registro 148, dossier 2, folhas 358-362.)

Transcrito por: Daniel Moratori - avidanofront.blogspot.com
Fonte: COELHO, Zeferino - O crime metódico. Ed. Inova Limitada -  pg 81-83)

sábado, 13 de novembro de 2010

Carta de Ivan Dronov, Subtenete do Exercito Vemelho

Salvando o camarada


22 de julho de 1942

Antes da guerra nunca tinha matado ninguem. Horrorizava-me  só de pensar nisso. Tenho vinte e quatro anos. A guerra começou. Quando abati o primeiro alemão disse para mim mesmo: Porque fiz isso? A culpa não é del, mas de seus governantes. Pensava que muitos alemães vieram para nossa terra sem saber o que faziam.

Depois, fui ferido e feito prisioneiro. E só então compreendi por que tinha matado aquele maldito alemão.

Hospital era como os alemães chamavam ao local onde lançavam os feridos e os combatentes soviéticos supliciados.

Era como uma casa da morte; aí torturavam e moíam os prisioneiros de pancada. Os medicos alemães enraiveciam-se conosco: amputavam pernas e braços validos, cortavam-nos a sangue frio. Deliravam quando um russo morria. Riam-se quando a vitima martirizada desmaiava. Aquele canalha selvagem juntava-se na sala e, atirando sobre um homem desarmado, ria a bandeiras despregadas.

Falta-me a força para descrever tudo aquilo. Levaram-se- a tres feridos - para uma sala para nos interrogarem. Primeiro, bateram-me porque minha ferida cheirava mal; recusaram-se a por-me pensos (curativos). Depois  torturaram-me para me obrigar a entregar os meus camaradas. Estes por sua vez tambem foram torurados. Calávamo-nos.

Esmagavam-nos os dedos nas portas, enterravam-nos agulhas debaixo das unhas, batiam-nos violentamente com um pau nos calcanhares, mas tinhamos jurados não falar e aguentamos.

Eu e mais quatro camaradas conseguimos fugir do cativeiro facista. Eis-me de novo na primeira linha, a destruir os vrmes alemães. Já não pergunto porque se matam os alemães. Agora já sei.

Transcrição por : Daniel Moratori - avidanofront.blogspot.com/
Fonte: COELHO, Zeferino - O crime metódico. Ed. Inova Limitada - pg74

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Relato sobre humilhações e abusos praticadas pela Wehrmacht em Varsóvia

Biografia de Marcel Reich-Ranicki, de Uwe Wittstock

Relato de Marcel Reich-Ranicki (é um crítico literário alemão, seguramente o crítico literário mais conhecido da actualidade na Alemanha.)

A população judaica de Varsóvia foi alvo de todo tipo de humilhações e dos maiores abusos praticadas pelo exército alemão. No capítulo "A caça é um prazer", de sua autobiografia, Marcel Reich-Ranicki dá-nos um relato pessoal dos acontecimentos:


"Ainda Varsóvia acabava de se render; mal tinha chegado a Wehrmacht à cidade, logo começou o grande gáudio dos vencedores, o prazer incomparável dos conquistadores – a caça aos judeus.Após o rápido, grandioso triunfo, aos soldados alemães, exuberantes e compreensivelmente desejosos de aventura, oferecia-se nas ruas de alguns quarteirões da capital polaca uma vista surpreendente. O que ainda não se tinha sucedido aparecia-lhes agora pela frente a cada passo: Eles viam, completamente surpresos, inúmeros indivíduos orientais, ou de aspecto aparentemente oriental, com longas faixas de cabelo nas têmporas, e com fartas barbas. Exóticas eram também as suas roupas: pretas e sem ornamentos...Os jovens soldados (alemães) viram pois, pela primeira vez nas suas vidas, judeus ortodoxos. Estes estranhos habitantes de Varsóvia não lhes despertavam nenhuma simpatia, muito mais desdém e talvez repulsa. Mas os soldados podiam agora também gozar de uma satisfação inconsciente. Pois se em casa, emEstugarda, Schweinfurt ou Stralsund eles não conseguiam distinguir visualmente os judeus dos alemães de “raça pura”, os “arianos”, aqui eles podiam finalmente ver aqueles que só conheciam das caricaturas dos jornais alemães, sobretudo o der Stürmer....Que estes sub-humanos, que sem dúvida deixavam uma impressão mais medrosa do que ameaçadora, pudessem portar armas, era muito improvável. De qualquer forma isso tinha de ser controlado. Diariamente tinham lugar controles, nunca se sabia qual o próximo quarteirão a ser revistado. As armas, as quais os bem-dispostos soldados supostamente procuravam, não apareciam, por muito que eles se esforçassem. Mas eles possuíam outras coisas que os ordeiros homens alemães acolhiam de bom grado: Anéis, carteiras, dinheiro, e por vezes um relógio de ouro.Mas não se tratava apenas de roubar os judeus. Eles, os inimigos do Império Alemão deveriam também ser punidos e humilhados. Não era difícil de o conseguir. Os soldados notaram em breve que os judeus ortodoxos achavam particularmente humilhante que lhe cortassem as barbas. Com este objectivo, os ocupantes, desejosos de entretenimento, tinham-se munido com tesouras...Assim era: cada alemão que vestisse um uniforme e tivesse uma arma podia, em Varsóvia, fazer com um judeu o que quisesse. Ele podia obrigá-lo a cantar, a dançar, ou a fazer nas calças, ou a ajoelhar-se perante ele rogando pela sua vida. Ele podia abatê-lo repentinamente ou matá-lo de forma mais lenta. Ele podia ordenar a uma judia que se despisse, que limpasse o passeio com a sua roupa interior e depois que urinasse em frente de toda a gente. Ninguém estragou o divertimento aos alemães que se entregaram a estes passatempos, ninguém os impediu de maltratar e matar os judeus, ninguém os chamou à responsabilidade."

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Documentos falsos do Holocausto renderam US$ 42 milhões pagos indevidamente

Falsas vítimas do Holocausto recebiam dinheiro da Alemanha.
09 de novembro de 2010, pela AFP. 

Cerca de 5.500 judeus receberam de forma fraudulenta 42 milhões de dólares nos Estados Unidos pagos pela Alemanha, fazendo-se passar por vítimas do Holocausto, revelou nesta terça-feira a promotoria de Nova York.

Dezessete pessoas, responsáveis pela armação do golpe, foram acusadas de usar um fundo destinado a ajudar vítimas da perseguição nazista na Segunda Guerra Mundial, informou em um comunicado a promotoria.

Os supostos golpistas, em maioria de origem russa, aprovaram "mais de 5.500 candidaturas fraudulentas, que resultaram no pagamento a candidatos que não se qualificavam para os programas", acrescentou.

"Se há uma instituição que se poderia supor imune à ganância e à fraude criminal é a Claims Conference, que ajuda diariamente milhares de pobres e idosos vítimas da perseguição nazista", disse o promotor do distrito sul de Nova York, Preet Bharara.

Um dos fundos fraudados entregava em um pagamento único 3.600 dólares a judeus que supostamente haviam sido evacuados de suas cidades de origem por causa da perseguição nazista.

"Muitos dos que receberam os fundos fraudulentos haviam nascido depois da Segunda Guerra Mundial e pelo menos um deles sequer era judeu", indica a nota.

Após receber os cheques, os beneficiários pagavam uma comissão aos que organizavam a fraude. Um total de 4.957 pessoas receberam indenizações fraudulentas entre 2000 e 2009 de 18 milhões de dólares.

Em outro golpe, eram entregues mensalmente 411 dólares "aos que viveram em guetos durante 18 meses ou mais ou durante seis meses em campos de concentração ou de trabalho".

Mediante documentos e testemunhos falsos, 658 pessoas que fingiam ter sido vítimas da perseguição reivindicaram assim um total de 24,5 milhões de dólares pagos pelos contribuintes da Alemanha.

Onze dos suspeitos foram detidos nesta terça-feira e contra todos os eles pesam acusações por fraude passíveis de até 20 anos de prisão e uma multa de 250 mil dólares, informou a promotoria.


sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Romênia acha vala comum com corpos de judeus mortos na 2ª Guerra

Especialistas observam vala com judeus mortos na Segunda Guerra na Romênia
Da Reuters - visitado a 05/11/2010

BUCARESTE - Arqueólogos descobriram uma vala comum com judeus mortos por tropas romenas durante a Segunda Guerra Mundial, informou nesta sexta-feira o Instituto Elie Wiesel. De acordo com testemunhas citadas pelo instituto, mais de cem judeus - homens, mulheres e crianças - foram sepultados no local, numa floresta próxima à aldeia de Popricani, no nordeste romeno.


"Uma das testemunhas viu os judeus sendo alvejados, porque os soldados acharam que ele próprio fosse judeu e pretendiam alvejá-lo também", informou, em nota, a filial romena do Instituto Elie Wiesel. "Ele só foi poupado quando os soldados se convenceram de que era cristão ortodoxo."


Ganhador do Nobel da Paz, Eli Wiesel liderou uma comissão internacional que declarou em 2004 que entre 280 mil e 380 mil judeus romenos e ucranianos foram mortos na Romênia e em áreas controladas pelo governo do país durante a Segunda Guerra Mundial. A Romênia foi aliada da Alemanha nazista.

Muitos foram mortos em "pogroms" (massacres) como o de 1941, que vitimou quase 15 mil judeus na cidade de Iasi, perto da vala recém-descoberta. Outros morreram em campos de trabalhos forçados ou "trens da morte".
Pesquisador mostra munição antiga encontrada na vala comum próximo a Popricani, na Romênia. (Foto: Reuters)
Os arqueólogos já encontraram 16 corpos em escavações na vala comum, segundo promotores, que estão investigando o caso. Esse é o segundo local desse tipo descoberto desde a Segunda Guerra Mundial. Em 1945, 311 corpos foram exumados de três valas comuns em Stanca Roznovanu, na mesma região.

A Romênia só recentemente começou a discutir o extermínio de judeus. Até 2003, o país não admitia que isso houvesse ocorrido. Depois que o país trocou de lado na guerra, em 1944, os regimes comunistas pouco fizeram para investigar as mortes, e os governos nacionalistas após 1989 também mantiveram sigilo sobre o assunto. A Romênia tinha 750 mil judeus antes da guerra. Hoje restam no máximo 10 mil.

Vala da 2ª Guerra com até 700 corpos é achada na Eslovênia

Até 700 corpos de homens e mulheres vítimas de atrocidades na Segunda Guerra podem estar em vala.
Uma vala comum com os restos de até 700 pessoas, datada do final da Segunda Guerra Mundial, foi encontrada na Eslovênia, anunciou nesta terça-feira o governo do país europeu.

A vala de 21 m de extensão foi descoberta em uma floresta perto da cidade de Prevalje, no norte do país.

De acordo com a BBC, o governo esloveno informou que os restos de homens e mulheres foram encontrados na vala na semana passada com as mãos amarradas nas costas. Alguns parecem ter sido baleados, outros podem ter sido golpeados até a morte.

Acredita-se que os corpos encontrados pertenciam às vítimas das atrocidades cometidas logo após o fim da guerra, possivelmente mortas por grupos antifascistas que queriam se vingar dos eslovenos que colaboraram com os nazistas durante o conflito.

Informações divulgadas na Eslovênia afirmam que alguns dos corpos podem ser de cidadãos do país vizinho, a Áustria.

Se os promotores eslovenos decidirem pelo início de um inquérito, os restos serão exumados.

Nos últimos anos várias outras valas comuns datadas da época da Segunda Guerra Mundial foram descobertas no país.

Site Terra, datado a 07 de setembro de 2010
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...