quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Unidades militares punitivas russas





Unidades militares punitivas - unidades do Exército, no qual em tempo de guerra,  são enviados como castigo soldados que cometem crimes (exceto crimes graves para os quais se baseia a pena de morte ).

Unidades militares punitiva existiam sob a forma de batalhões punição e companhia penal. Na força aérea por um curto período de tempo, houve esquadrão punitivo.

Além do Exército Vermelho, unidades punitivas estavam nas forças armadas de outros estados.


Unidades militares penais na URSS


As unidades penais existiram no Exército Vermelho a partir de 25 julho de 1942 à 06 de junho de 1945; foram dirigidas para as partes mais difíceis da frente, para dar a possibilidade dos batalhões penais "de pagar com sangue à Pátria"; ao mesmo tempo, foram inevitáveis perdas de pessoal.

A primeiro unidade penal empregada foi durante a Segunda Guerra Mundial, onde foi formado no Exército um batalhão penal independente, no 42º Exército da Frente de Leningrado - foi em 25 de julho de 1942, três dias antes da famosa Ordem № 227 . Como parte do 42 º Exército, lutou até 10 de Outubro 1942, e foi dissolvido. A unidade penal mais recente, o 32 º batalhão penal independente do 1º Exército de Choque, se desfez à 06 de junho 1945.

Durante todos os anos da Segunda Guerra Mundial, através de unidades penais teve ter passado, de acordo com algumas fontes, 427.910 pessoas. Se considerarmos que por toda a guerra passou pelo exército 34.476.700 pessoas, a percentagem de soldados e oficiais do Exército Vermelho que passaram por unidades penais para todo o período da Grande Guerra Patriótica, era cerca de 1,24%.

Por exemplo, em 1944, a perda total do Exército Vermelho (mortos, feridos, presos, doentes) - 6.503.204 pessoas, das quais o penais - 170 298. Total em 1944, o Exército Vermelho tinha 11 batalhões penal de 226 pessoas cada um, e a 243 companhias penais de 102 pessoas cada. O número médio mensal no Exército de companhia penais, em 1944, em todas as frentes variou 204-295. O ponto mais alto o número diário no Exército de companhia penais (335 boca) foi alcançada por 20 de julho de 1943.

Batalhão penal avança em reconhecimento sobre fogo inimigo
Batalhão penal

Batalhão penal (Batalhão de Processo Penal) -  Unidade penal com a categoria de batalhão .

De soldados do Exército Vermelho foi até oficiais de todas as armas, militares ou condenados por crimes comuns. Estas unidades foram formadas sobre as ordens do Comissário de Defesa do Povo da URSS № 227 de 28 de julho de 1942 na gama de frentes em uma quantidade de 1-3 (dependendo da situação). Eles somavam  800 pessoas. O batalhão penal  era comandado por oficiais regulares.


Companhia penal

Companhia penal - Unidade penal com na categoria de companhia .
Dentro do Exército em quantidades 5-10 (dependendo da situação). Eram 150-200 pessoas. Comandado por oficial regular.

Esquadrão aéreo penal


Esquadrões penais foram criados em todas as frentes, sendo 3 esquadrões, para os pilotos que tenham manifestado, covardia, sabotagem e egoismo. Existiu desde o verão de 1942 até o final de 1942. Com duração de cerca de 1,5 meses. "O segredo" dos documentos sobre assuntos penais e esquadrões penais foi retirada em 2004.


Estado das unidades  punitivas militares

O pessoal do batalhão penal eram divididos em composição variáveis e constante. Composição variável representou diretamente nos batalhões penais os que estavam na unidade temporariamente, até o término da sua pena (até 3 meses), transferidos para uma unidade comum, pela sua bravura, quer por lesão. A composição constante eram os comandantes do pelotão e, sobretudo, os nomeados de entre oficiais de carreira, os trabalhadores políticos e trabalhadores efetivos (comunicadores, funcionários, etc) e pessoal médico.

Pessoas, dentre os membro permanentes de uma unidade de punição eram compensados por uma série de benefícios - para a reforma do serviço, um mês é contado como seis meses de serviço, e os funcionários recebem um maior subsídio (comandante do pelotão para receber rublos, mais 100 do que suas contrapartes no lado normal) e um aumento da oferta de certificado de alimentos e era comum receber aumento da oferta de alimentos.

O tamanho do batalhão penal em numeros era de 800 homens, e companhia penal  200.


Motivos para envio para as unidades militares punitivas

A base para o envio de um técnico a uma unidade militar penal era a ordem do comando, em conexão com violação da disciplina militar ou ao veredicto do tribunal para a mobilização de forças militares ou  crime comum (exceto para o crime pelo qual a punição era a pena de morte).

Como pena alternativa foi permitido na área da companhia penal,  civis que tenham sido condenados por um tribunal e com uma sentença judicial por prática de pequenos crimes e crimes moderadamente comuns. Pessoas condenadas por crimes graves e de crimes contra o Estado, cumprindo pena na prisão. 

Há uma percepção de que, em batalhões penais eram enviados as pessoas que cumpriam penas por crimes graves e de crimes contra o Estado (os chamados "políticos"). Esta declaração tem uma certa razão, pois houve casos da direção na unidade dar sanção "política" a prisioneiros (em especial, em 1942, quando na 45ª   companhia penal foi enviado um condenado em 1941 por 5 anos nos campos, de acordo com 58ª artigo, Vladimir Karpov, que mais tarde se tornou o herói da União Soviética e um escritor famoso). Ao mesmo tempo, nos termos em vigor na época, normas que regulam o procedimento para o envio de uma parte punitiva na aquisição de partes de uma determinada categoria específica de pessoas não foi prestada . Uma pessoa que já está cumprindo pena na prisão, de acordo com a operação no momento do "Código de Processo Penal"  e do "Campo de Trabalho Forçado"  foram obrigados a servir o seu tempo apenas em instituições penais. Como exceção, a pedido pessoal do Comissário do Povo dos Assuntos Internos L. Beria, uma pessoa entre os condenados que cumprem penas em campos de trabalho, colônias de povoamento, independentemente do tipo (exceto os condenados por crimes graves e hediondos e de governo), pode ser perdoado ou ter liberdade condicional por comportamento exemplar, e cumprindo um plano, em seguida recrutados para o exército regular. Da mesma forma, não poderiam ser enviados para os batalhões penais cumprindo uma sentença de " ladrões" .

Motivos para a liberação dos militares de unidades penais

Os motivos para a libertação de pessoas que cumprem penas em unidades militares penais, foram:

- Pena cumprida (não mais de três meses).
- Obtidos pelos militares, servindo na sua sentença de lesões, moderada ou grave que requer hospitalização.
- Resolução do Conselho Militar, a pedido do comandante da unidades militares punitiva sob a forma de promoção para os militares, que têm demonstrado coragem e bravura.



Traduzido por: avidanofront.blogspot.com

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

A impressionante historia do piloto desaparecido



30 de abril de 1942. Nada fundamental parecia ter acontecido na frente naquele dia. As forças soviéticas destruíram 38 aviões de caça alemães e perdeu 9 dos seus.



Entre as perdas do dia era lendário ataque de aviões IL-2. Na coluna de controle de um desses aviões monolugares foi feita a última batalha tenente Michail Gavrilov .Ele desapareceu.

Em 1944, o tenente Gavrilov já era um piloto experiente. De acordo com o cinto que ele tinha, no mínimo 27 operações voos, dos quais 20 pareciam ser ataques a baixa altitude há mão de obra do inimigo, tanques, artilharia e aeródromos.




01 de abril de 1945. Onze aviões voaram em uma missão de ataque. Só Gavrilov retornou ao aeroporto de origem. Ele relatou que o grupo foi recebido pelo fogo antiaéreo, mas manobrou com sucesso ao atacar o inimigo. Após a segunda tentativa, o grupo correu para o inimigo, quebrando a parede de fogo antiaéreo de defesa, e com sucesso começou a sair do ataque.
Gavrilov iniciou uma manobra para o terceiro ataque, mas logo percebeu vestígios de fogo acima de sua cabeça. Eles foram atacados por "Messerschmidts", e a luta durou cerca de 15 minutos. No longo prazo, o "Messers" dividiram a formação Soviética e fez-los a lutar sozinhos. Alguns aviões soviéticos foram derrubados nesta batalha.

Em 03 de abril um grupo de quatro IL-2 aviões de ataque, no qual Gavrilov ficou no lugar do líder, foi atacado por três aviões de combate. Os aviões alemães derrubaram o líder de uma vez e Gavrilov assumiu o comando sobre o grupo. Na luta de 20 minutos, em que Gavrilov confrontrado com sucesso e atacado por aviões alemães em seu IL-2, estava sendo observado desde o início pelo coronel Ivanov e um grupo de pilotos. Foram eles, que enviaram uma carta "cheio de admiração com coragem e bravura do tenente Gavrilov" para o comandante. Para essa luta Gavrilov foi condecorado por bravura na batalha com a ordem da "Bandeira Vermelha" e foi a primeira condecoração soviética. Ela foi instituída para o altruísmo de notável coragem e bravura manifestado em defesa da Pátria Socialista.












Quem era o bravo piloto de caça Gavrilov? Nascido em 1916, trabalhador da Rússia, membro do Partido Comunista da União Soviética. Participou na campanha polonesa de 1993. De acordo com os dados do Arquivo Central do Ministério da Defesa da Rússia estava faltando desde 30 de abril de 1942. Não retornou da última missão da operação Lyuban. O tragico Demyansk Pocket estava chegando ao seu fim (Demyansk Pocket foi o nome dado para o cerco das tropas alemãs pelo Exército Vermelho em torno Demyansk (Demjansk), ao sul de Leningrado , durante a Segunda Guerra Mundial sobre o Leste Frente. O bolsão existiu principalmente a partir de 08 de fevereiro até 21 de abril de 1942. Um pequeno bolsão foi cercado simultaneamente em Kholm, cerca de 100 km a sudoeste. Estes foram os resultados da retirada alemã, depois da derrota durante a Batalha de Moscou .)

Nas regiões de Demyansk, muitas batalhas duras aconteciam. Várias divisões inimigas ficaram cercadas pelo exército soviético. Há razões para supor que o tenente Gavrilov com os pilotos de caças atacavam aeródromos inimigos. Ele deve ter sido abatido por aviões inimigos luta ou por arma anti-aérea. Ele não retornou a base e ficou no meio do caminho. Onde exatamente - ninguém sabia.

68 anos depois, o tenente e seu Gavrilov IL-2 foi encontradao em um pântano. Duas semanas atrás ( 10/11/2010). Anatoliy Pavlov, comandante da brigada de busca "Demyansk", e seus companheiros passaram vários dias de extração da lama que deixou exposto um único avião de ataque IL-2. Embora não muito tenha sido deixado: casco blindados, motor e fragmentos do plano de construção. E o principal - restos de um piloto foram encontrados dentro. Essa dádiva de Deus valeu a pena os vários dias de trabalho duro e do trabalho de dezenas de voluntários desgastados com rodas e equipamentos de pista e uma bomba, que tinha sido constantemente bombeados de água do pântano do sítio das escavações.













O piloto estava com macacão, capacete e botas de algodão/lã. Não havia nenhuma arma, paraquedas, e relógio do piloto. Eles devem ter sido roubados logo após a guerra. E então o avião afundou no atoleiro e ali ficou até abril de 2010, guardando segredo o nome do piloto .

 Após a descoberta dos restos mortais do piloto e da função em extrair fragmentos do avião, a equipe procedeu-se à tarefa, de forma menos cansativa da identificação do piloto. Os documentos encontrados estavam ilegíveis. Não havia nenhuma decoração e uma arma pessoal. Mas levando em consideração o número do motor, deu bons motivos para supor que o piloto foi Michail Gavrilov. 

Traduzido por: avidanofront.blogspot.com
Fonte: http://englishrussia.com/index.php/2010/11/10/amazing-story-of-the-missing-pilot/#more-23657

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Matthäus Hetzenauer - Sniper alemão

Matthäus Hetzenauer
Matthäus Hetzenauer (nasceu em 23 de dezembro de 1924 em Tyrol, Áustria - morte em 3 de outubro de 2004) era um sniper alemão na 3ª Divisão de Montanha na frente oriental, em que foi creditado 345 mortes. Seu tiro mais longo confirmado foi de 1100 metros.

Hetzenauer foi treinado como sniper de 27 março a 16 de julho de 1944, antes de ser atribuído à 3ª Divisão  de Montanha (Gebirgsjäger), usando tanto um rifle K98 com 6x de aumento na luneta e um rifle K43 com 4x de aumento na luneta. 

Em novembro de 1944 sofreu  traumatismo cranianodevido fogo de artilharia, e foi concedido a ele a Verwundeten - Abzeichen (badge ou insígnia de ferido em combate) três dias mais tarde.

Em várias ocasiões ele serviu com o colega sniper Josef Allerberger. Os dois mataram muitos soldados soviéticos com rapidez e facilidade.


Gefreiter Hetzenauer recebeu a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro em 17 de abril de 1945. O Generalleutnant e comandante de Divisões  Paul Klatt tinha recomendado Hetzenauer por causa dos numero de mortos pelo sniper, que em suma derrotou duas  fortes companhias inimigas sem temer por sua própria segurança sob fogo de artilharia e ataques inimigo. Esta recomendação foi aprovada pelo General der Gebirgstruppe Karl von Le Suire e General der Panzertruppe Walter Nehring .

Hetzenauer foi capturado por tropas soviéticas no seguinte mês, e eventualmente, serviu por 5 anos numa rotina de condições terríveis  de uma prisão soviético.

Traduzido por: avidanofront.blogspot.com

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Feliz Natal








Legija Crna (Legião Negra) - Unidade Ustasha


Legião Negra em Bugojno, 1942 
Crna Legija (Legião Negra) foi o nome dado a 1ª e 5ª Brigadas Ustasha durante a Segunda Guerra Mundial. As unidades foram nomeadas como tal porque os seus uniformes eram de cor negra, ao contrário  outras unidades Ustaše. Estas unidades representavam a maioria das unidades de elite do exército NDH (Nezavisna Država Hrvatska - Estado Independente da Croácia) do período.


Coronel Jure Francetić, comandante da Crna legija (legião Negra)

Os comandantes de unidades Crna Legija foram o Coronel Jure Francetić, Major Rafael Boban e Stevan Ivković. Enquanto Boban permaneceu no comando da unidade até o fim da guerra, Francetić foi morto em ação em 1942 e foi sucedido pelo coronel Ivo Stipković e Major Franjo Sudar. Com a perda de seu comandante, a Legião foi desfeita. O corpo principal tornou-se o  Pokretni Ustaški sdrug (1ª  Brigada Móvel Ustasha), enquanto o Batalhão de Boban foi usado para formar a estrutura para a recém-formada 5ª  Brigada Ustasha Podravina .Ex-integrantes da Legião Negra continuaram a usar o uniforme negro por direito até o fim da guerra, provavelmente como uma espécie de marca de honra de distinção. Por fim, pelo menos 120  homens da ex- Legião Negra foram executados pelos partisan em Sisak, em maio 1945.

Grupo de soldados da Legião Negra Ustasha na cidade recapturada de Livno em Herzegovina (1943). Na parede da cidade abandonada os comando partisans são frases "Viva aos Partisans!" e "Venceremos!" 

Traduzido por: avidanofront.blogspot.com

domingo, 19 de dezembro de 2010

Carta do Sargento Evgueni Strchurov, sobre os assassinatos na aldeia de Budionovka

18 de outubro de 1942

Budionovka, minha terra natal... diante dos meus olhos surgem imagens familiares: casas brancas escondidas na verdura dos cerejais, ruas retilíneas que descem para o mar. Foi lá que eu nasci, foi lá onde passei a infancia e adolescencia. E eis que os jornais me informam sobre os meus compatriotas. Fiéis às tradições sagradas dos meus avós, os cossacos do Don lutaram corajosamente contra o inimigo. Os alemães martirizavam os cidadãos soviéticos. As bestas sanguinárias mataram uma criança de quatro anos; fuzilaram rapazes e raparigas às dezenas, cujas roupas vendiam ou mandavam para a Alemanha. Os fascistas fuzilaram Catarina Skoroiedova, o velho Saveli Petrovitch Stepanenko, o jovem sapateiro Alexandre Iakubenko, Ludmila Tchukanova, de dezessete anos. Todos são meus conhecidos amigos.

O meu coração está cheio de ódio pelos bárbaros fascistas. O meu único desejo é vingar a morte dos meus amigos de infância  o sangue dos cidadãos russos que imundou as ruas da minha aldeia natal. Basta-me fechar os olhos para ouvir a voz da minha amada, - para ver estender-me os braços, implorando-me socorro.

Evgueni Stchurov

Transcrição por: Daniel Moratori - avidanofront.blogspot.com
Fonte: COELHO, Zeferino - O crime metódico. Ed. Inova Limitada - pg.80

Para entender melhor essa carta, leiam esse artigo que postei:

Extrato do diário de Friedrich Schmidt, o torturador de Budionovka


sábado, 18 de dezembro de 2010

Tratamento aos trabalhadores judeus no Gueto de Varsóvia


Guarda alemão para um judeu em uma entrada para o gueto de Varsóvia.
Durante toda a ocupação, os alemães exigiram dos judeus no gueto um trabalho escravo. Ainda que antes da emissão de decretos oficiais, soldados alemães em caminhões caçavam judeus na rua para trabalhar em quartéis, carregar caminhões, remover pilhas de escombros, limpar as ruas, e assim por diante. Pegavam pessoas sem se importar com idade, sexo ou estado físico. Os homens, alvos preferidos dessas caçadas, raramente saiam de casa. O aparecimento de um soldado alemão aterrorizava o gueto e os homens imediatamente fugiam das ruas.

Aos trabalhadores eram dadas apenas as mais primitivas ferramentas de trabalho. Em vez de panos de limpeza eram obrigados a usar a própria roupa. Mas ainda pior que o trabalho era a brutalidade de jovens soldados com inclinações sádicas ou inflamados por propaganda anti-judaica. Ao acompanhamento de ásperas gargalhadas cortavam as longas barbas dos judeus ortodoxos, ou zombavam dos trabalhadores com um enxurrada de contínuos gritos e pancadas. Às vezes confiscavam os cartões de identidade dos trabalhadores para obriga-los a se apresentaram repetidamente. Bernard Goldstein, ativista do Bund no gueto de Varsóvia, descreveu o trabalho forçado imposto a idosos sem força para executa-lo. Goldstein falou sobre as matanças que testemunhou. Recordou um incidente típico que havia observado. Um grupo de homens tinha de desencovar vigas de metal debaixo das ruínas de um prédio no gueto, pô-las em carrocas, atrelar-se às mesmas e arrasta-las a um local de ajuntamento. Um velho supervisor alemão, de Viena, demonstrou alguns sinais de simpatia, oferecendo ao grupo até um pedaço de pão. Inesperadamente, porém, a atitude do alemão mudou por completo:

Ele subitamente se pôs a gritar como um louco: Trabalhem! Trabalhem! e começou a nos bater com a coronha do seu fuzil. Isso ocorreu quando ele avistou um oficial se aproximando de nós. "É assim que preciso me comportar", explicou-me ele depois, quando o oficial já havia ido embora, desculpando-se assim por ter posto de lado sua passividade vienense e a trocado por brutalidade prussiana... Ao entardecer, após o trabalho, fomos alinhados em fileiras de 4-5, e levados a cidadela [a fortaleza militar em Varsóvia que outrora havia sido uma prisão russa]. Enquanto nos arrastávamos ao longo do canal, soldados alemães enfileirados de ambos os lados começaram a nos atacar com chicotes, varas e fuzis. Começamos a correr e eles correram atras de nós, batendo-nos impiedosamente e gritando: "judeus sujos","judeus pobres", e expressões semelhantes. Estavamos exaustos e cobertos de sangue após um dia de "trabalho".

Transcrito por: Daniel Moratori - avidanofront.blogspot.com
Fonte: GUTMAN, Israel - Resistência. Ed. Imago, 1995, pg 66-67.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Extrato de um relatório sobre uma operação de destruição das localidades de Zabolotié, situada a nordeste de Mokrany


Na sua degradação moral, os invasores alemães, depois de perderem um rosto humano, há muito tempo caíram para o nível dos animais selvagens. - Stalin, a 6 de novembro de 1941.

Extrato de um relatório sobre uma operação de destruição das localidades em virtude da ordem do comando do batalhão de 22 de setembro de 1942


15º Regimento de Policia - 10ª Companhia

30 de setembro de 1942

A companhia recebeu a missão de destruir a localidade de Zabolotié, situada a nordeste de Mokrany, e de fuzilar a população. Foram adjuntas à companhia a seção de Frohn da 9ª companhia e 10 homens da unidade blindada do 10º Regimento. A 22 de setembro de 1942, pelas 18horas, a 1ª, a 2ª e a 3ª seções chegaram nos seus automóveis à saida  oeste de Mokrany, onde se encontraram com as unidade de reforço. Depois de uma breve exposição da situação e da distribuição das forças, a companhia partiu às 23 horas na direção de Zabolotié. As 93 carroças de camponeses especialmente mobilizadas para a operação foram deixadas até nova ordem a entrada da localidade à guarda de um comando composto por um sub-oficial e 4 homens. Na qualidade de guias da companhia encontravam-se o de legado de distrito para a agricultura, o chefe de distrito de Malorita e dois interpretes.

A 23 de setembro de 1942, às 2h da manha, a companhia atingiu as primeiras quintas de Zabolotié que se encontravam isoladas das outras. Enquanto o grosso da coluna avançava para o centro da aldeia, as quintas isoladas foram cercadas por um comando designado e ordenou-se aos habitantes que saíssem das suas casas. deste modo, foram presos 25 homens e mulheres antes da entrada na aldeia. O chefe da aldeia que habitava numa casa isolada recebeu ordem de se apresentar às 5:30h ao comandante da companhia que se encontrava à entrada da aldeia. Nesta altura todo o cerco externo tinha acabado sem incidentes.

Toda a população, juntamente com o chefe, foi reunida na escola, e um comando partiu imediatamente para as quintas isoladas situadas a 7quilometros da aldeia para prender os habitantes. Um grupo do SD( Sicherheitsdienst ou serviço de segurança), que chegou nesse momento, libertou, depois de minuciosa verificação, 5 familias desta aldeia. Todas as outras foram divididas em 3 grupos e fuziladas no local de execução que já tinha sido preparado pela população masculina. A execução foi realizada segundo o plano, sem incidentes, exceto uma tentativa de fuga. A maioria dos habitantes manteve sangue frio e aceitou a sua morte, que não surpreendeu as suas consciencias culpadas. A execução acabou pelas 12h.

A escola foi arranjada para alojar o posto de comando e o pessoal. Quando as patrulhas enviadas revistaram de novo as casas da aldeia para procurar os homens que pudessem estar escondidos, o cerco exterior foi suprimido e começou a limpeza das quintas. Na segunda busca encontraram-se 5 pessoas que foram expulsas dos abrigos e fuziladas no local.

As carroças dos camponeses transportaram o material e o gado a Mokrany, à exploração do Estado. O trigo não debulhado foi amontoado na saida sul da aldeia. A limpeza das quintas, o envio dos bens e o do gado terminaram no dia 27 de setembro às 10:30h, de modo que ao meio dia se pode começar a incendiar as casas. Os lugares e as quintas isoladas foram incendiadas imediatamente depois da limpeza.

A 27 de setembro, às 12:30, a companhia, exceto uma seção que ficou de guarda ao deposito de trigo na saída sul da aldeia, partiu com as unidades de reforço na direção de Mokrany.

Resultados da operação: 289 pessoas fuziladas, 151 casas incendiadas, 700 cabeças de bovinos, 400 porcos, 400 carneiros e 70 cavalos, 300 quintais de trigos debulhado e 500 quintais de trigo não debulhado confiscados. Foram igualmente confiscadas cerca de 150 maquinas agrícolas manuais e numerosos utensilios.

Capitão Pöhls
Comandante de companhia

(O original alemão encontra-se nos Arquivos Centrais da U.R.S.S. sobre a Revolução de Outubro, fundo 7021. registro 148, dossier 2, folhas 342-343)

Transcrito por: Daniel Moratori - avidanofront.blogspot.com
Fonte: COELHO, Zeferino - O crime metódico. Ed. Inova Limitada - pg.83-86

Olhar essa postagem que eu fiz, onde a 10ª Companhia do 15º Regimento de policia  também relata a destruição de outra aldeia:

Extrato de um relatório sobre a destruição da aldeia de Borki - de 22 a 26 setembro de 1942


segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Adam Czerniakow, presidente do Juderant no Gueto de Vársovia e exigência de dinheiro pelos alemães

Adam Czerniakow, "Presidente do Conselho Judeu de Varsóvia", em conversa com um oficial da Luftwaffe

Czerniakow nasceu em Varsóvia, em 1880, numa familia judaica assimilada. Após concluir seus estudos de Química na Politécnica de Varsóvia, continuou estudando Engenharia Industrial em Dresden, na Alemanha. Retornando a Varsóvia, casou e constituiu familia, mas não trabalhou em sua profissão. Em vez disso, tornou-se professor no ginásio técnico, chefiou a organização dos artesão judeus e ocupou um cargo numa empresa publica. Foi tambem membro do governo municipal de Varsóvia, membro ativo em associações judaicas, candidato ao Senado e membro da junta de diretores da Comunidade Judaica de Varsóvia.

Um lider sionista descreveu-o como "um homem dotado, destituído de quaisquer ideais políticos ou publicos, mas um homem decente". Czerniakow era ambicioso, com talento que só revelaram quando viu o momento certo de assumir um papel de liderança. Não foi membro de qualquer partido judeu, nem se identificava com qualquer dos movimentos políticos ou sócio-religiosos dominantes, muito embora, a certa altura, ele tivesse apoiado o bloco minoritário e se aproximado dos não-sionistas na Agencia Judaica.

Czerniakow era um firme patriota polones, completamente à vontade na cultura polonesa e europeia. Estava afastado, quase alheio, no que tange à vida, cultura e historia do povo judeu. Assimilacionista, esteve publicamente ativo no setor judaico, mas permaneceu outsider. Segundo um relato, "até ser nomeado ninguém ouvira falar dele". Mesmo seus inimigos diziam que era um homem decente, com boas intenções e elevados padrões morais, mas talvez fosse decente demais numa época que exigia muito mais do que decência e moralidade para que se dirigisse o povo judeu.

Czerniakow era um liberal em suas opiniões e em seu mundo interior; era sensível em relação às pessoas e à vida, introvertido e isolado, amante de livros e autor secreto de poesias, mas com pouca compreensão  das massas. Na presidência do Judenrat, ele pode ter ansiado pelos alemães pelos alemães que havia conhecido em Dresden -  gente honesta e atenciosa, com um senso de lei e de ordem, em cujas promessas se podia crer.

Como presidente do Judenrat, no entanto, a policia, a Gestapo e os funcionários nazistas com os quais se deparou eram de uma estirpe bem diferente. Quando ocasionalmente encontrava uma resposta humana, ficava momentaneamente aliviado, mas em geral conviveu com a amargura e o desapontamento até seu triste fim. calvo e corpulento, foi insultado e fisicamente agredido. Ainda assim insistia em manter uma atitude cortes. Não ia se submeter ou se humilhar. Uns dois meses antes de sua trágica morte, escreveu no seu diário: "Será que eu tenho a forças para manter um nível de comportamento decente?" Sua preocupação em manter sua dignidade ao lidar com os alemães era estranha para a maioria dos judeus ao seu redor, mas nele era característica.
Diario de Adam Czerniakow
Seu estado de espírito é clara e impressionantemente refletido na anotação no seu diário, de 26 de janeiro de 1940:

"Fui convocado à policia [Tenente-Coronel Daume]. A comunidade vai ter de pagar 100.000 zlotys por ter agredido uma alemã étnica [ Volksdeutschin] ou então 100 judeus serão fuzilados. Apelei à Gestapo  para nos dispensar desse pagamento, e depois eles admitiram que eu não precisaria fornecer trabalhadores para retirar neve, de modo que poderíamos poupar algum dinheiro. Não em nada. Vamos ter de pagar pontualmente amanhã de manhã. Sendo essa a situação, comecei a recolher dinheiro na comunidade. Preciso tomar emprestado 100.000 e depois cobrar dos que devem impostos. Ao mesmo tempo, a policia está exigindo 6.100 zlotys por 61 judeus e judias que foram pegos sem a faixa com a Estrela de davi em suas mangas. Diante desses eventos pedi à SS que me liberasse do meu cargo de chefia [do Judenrat], pois em condições tão anormais não posso dirigir a comunidade. Em resposta...aconselharam-me a não renunciar."

Fonte: GUTMAN, Israel - Resistência. Ed. Imago, 1995, pg 62-63.
Transcrito por: Daniel Moratori - avidanofront.blogspot.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...