quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Torgau, no Centro do Sistema Penal Militar (1939-1945)

Fort Zinna (centro) com Seydlitzkaserne (Special Camp No. 8, abaixo) e Zieten Barracks (sede da Corte Imperial Marciais, à esquerda). 

O aperto de mão entre o Segundo Tenente americano Bill Robertson eo sargento soviético Nikolai Andreyev em 25 de abril de 1945, sobre as ruínas da ponte sobre o Rio Elba em Torgau, simbolizou a vitória sobre a Alemanha nazista pelos aliados na Segunda Guerra Mundial. A reunião também significou o fim da sua existência Torgau como o centro do sistema penal militar alemão.

Ambas as prisões em Torgau alojavam os presos condenados por tribunais militares alemães, eram chamados de "portadores de espírito anti-militar": projeto de resistentes, os soldados rebeldes, desertores, acusados de "minar a força militar", "dar tratamento preferencial do inimigo", ou " "espionagem e soldados condenados de delitos.

Os detentos também incluiam os prisioneiros de guerra e membros da resistência anti-nazista na Alemanha e nos países da Europa ocupada, assim como os homens de Luxemburgo, Alsácia e Lorena, que haviam resistido alistamento no Exército alemão.

Torgau assumiu um papel fundamental no sistema de justiça militar alemão, em março de 1941, quando o Alto Comando do Exército (Oberkommando des Heeres, OKH) estabeleceu o escritório de seleção para "serviço de estágio" em Fort Zinna. A função especial de Torgau como uma estação de inspeção e de transferência foi reforçada um ano depois, quando o Alto Comando das Forças Armadas (Oberkommando der Wehrmacht, OKW) ordenou a instalação do Acampamento Penal de Campo I e II em Torgau.

Além disso, em agosto de 1943, o Reichskriegsgericht, supremo tribunal militar na Alemanha, foi transferida para o Quartel Zieten em Torgau. Durante o período da guerra, a mais alta corte do sistema de justiça militar alemã emitiram cerca de 1.400 condenações à morte, dos quais cerca de 1200 foram realizados em Torgau e outros lugares. As vítimas incluem os objetores de consciência - a maioria das Testemunhas de Jeová - os membros resistência do "Rote Kapelle", franceses e poloneses combatentes da resistência, prisioneiros de guerra americanos, e os generais alemães.

Quanto mais tempo a guerra da Alemanha se arrastava, e quanto mais desesperada se tornou, mais draconiano(severo) os tribunais militares nazistas se tornaram na luta contra os sinais de moral das tropas e da crescente oposição à guerra. Mais de um milhão de soldados alemães foram condenados, e 20.000 foram executados. Em comparação, os aliados ocidentais durante o mesmo período realizou cerca de 300 condenações à morte pronunciadas por tribunais marciais.

O número exato de execuções levadas a cabo em Torgau já não pode ser determinada. Os registros incompletos do exército, o gabinete de estatísticas vitais e administração de cemitérios mostram que pelo menos 170 soldados condenados foram baleados em Torgau. Outras fontes sugerem, contudo, que o número real de vítimas foi significativamente maior. As execuções foram realizadas por um pelotão de fuzilamento em uma cascalheira, perto da prisão e no fosso do lado norte de Fort Zinna.

Depois da guerra, alguns dos agressores foram julgados e condenados. A maioria dos juízes do Reichskriegsgericht e outros advogados militares responsáveis sobreviveram ao fim da guerra ilesos, e continuaram sua carreira na profissão jurídica na Alemanha Ocidental.

Após a guerra, a agencia da Polícia Secreta Soviética NKVD estabeleceu a seus Campos Especiais nº 8 e nº10 em Fort Zinna e no quartel próximo Seydlitz. Alemães e alguns cidadãos soviéticos foram internados ou serviram sentenças proferidas pelos tribunais militares soviéticos. A Polícia do Povo da Alemanha Oriental usou a prisão do Forte Zinna de 1950-1990 como uma penitenciária. Na década de 1950 alojou principalmente os presos políticos.

A Centro de Documentação e informação de Torgau (DIZ), fundado em 1991 e agora sob a administração do Fundação Memorial Saxon para a comemoração das vítimas do despotismo político, pesquisas e apresenta a história das prisões Torgau, em permanente exposição "Traços da Injustiça ".



Tradução: Daniel Moratori - avidanofront.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor, sem ofensas, comentários ideológicos, racistas, antissemitas e semelhantes.

Se não concordar, discordar ou mesmo ter a acrescentar com o escrito no post, o dialogo é a melhor opção.

OBS: Não tenho muito tempo para responder todos comentários, então se seu comentário demorar a ser moderado, não venha reclamar comigo, pois tenho outras atividades alem desse blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...