domingo, 29 de setembro de 2013

Informações gerais


Respondendo algumas perguntas que me andam fazendo:

Não estou postando muito esses meses pois estou com alguma dificuldade de tempo, mas o blog está sendo atualizado sempre que posso. Ano que vem, as postagem irão retornar normalmente, enquanto isso, as postagens serão mais esporádicas.

Somente para esclarecer certos comentários de idiotas pela rede que estão sendo feitos em alguns sites e blogs "Revisionistas" (Negacionistas do Holocausto), eu não uso fake para comentar, tenho meu perfil e todos comentários são feitos nele.

Tem muita gente que comenta usando fakes e usa meu blog e outros sites como referencia, mas isso não quer dizer que sou eu, E COM TODA CERTEZA, NÃO SOU EU, pois não fico jogando perolas a porcos atualmente com esse bando de anta quadrada, neonazistas, antissemitas e pseudo-radicais islamitas.

E outra coisa, um comentário que já deveria ter sido feito a muito tempo, pois me faz rir muito esses anos todos nesses antros "revi":

Não, eu não sou judeu, sionistas, filo judeu e semelhantes, e não tenho ligação com nenhuma entidade judaica. Isso me faz rir a anos, pois esse medo de conspiração judaica, faz todos serem chamados de judeus sionistas...

Da mesma forma, quando defendo os bósnios no massacre de Srebrenica, não quer dizer que sou bósnio.

É muita demência e mi mi mi desses negacionistas, ops..."revisionistas".


quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Ex-guarda de Auschwitz comparecerá em juízo (Hans Lipschis)

Hans Lipschis, ex-guarda do campo de Auschwitz
A Procuradoria de Estugarda apresentou ao tribunal a causa penal dum ex-guarda do campo de Auschwitz, acusado de ter contribuído para o assassinatos de 10 500 pessoas.

Hans Lipschis, de 93 anos, natural da Lituânia, em 1941-1943 prestou serviço no tristemente famoso terminal ferroviário no qual eram selecionados os reclusos capazes de trabalhar, enquanto os demais eram enviados para as câmaras de gás.

Nos inícios de abril soube-se que a entidade alemã que investiga os crimes do nacional-socialismo dera com o rasto de 50 ex-guardas, entre eles Hans Lipschis. Em maio, ele foi preso.

Fonte:  http://portuguese.ruvr.ru/news/2013_09_26/Ex-guarda-de-Auschwitz-comparecer-em-ju-zo-6761/

Mais: Guarda do Auschwitz é acusado de cumplicidade no assassinato de 9.515 pessoas

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Governo grego promete atuar contra partido neonazista

Rapper e militante antifascista Pavlos Fyssas, assassinado
por integrante do partido neonazista Aurora Dourada.
O governo da Grécia prometeu nesta quinta-feira atuar contra o partido neonazista Aurora Dourada, após o assassinato de um músico por um militante da organização, que tem 18 deputados dos 300 no Parlamento grego.

"O governo está determinado a não permitir que os descendentes dos nazistas envenenem a vida social, cometam crimes, intimidem e minem os fundamentos do país que viu nascer a democracia", declarou o primeiro-ministro Antonis Samaras em um discurso exibido na televisão.

O assassinato do rapper e militante antifascista Pavlos Fyssas, de 34 anos, que foi esfaqueado na madrugada de quarta-feira por um caminhoneiro de 45 anos, que confessou à polícia a suposta filiação ao Aurora Dourada, provocou muitos protestos em Atenas e outras cidades do país.


As manchetes dos jornais expressam a consternação provocada no país pelo assassinato do jovem, que foi sepultado nesta quinta-feira em Keratsini, local do homicídio e cenário dos distúrbios mais violentos na quarta-feira.

"O assassinato a sangue frio de um cidadão por um simpatizantes do Aurora Doruada deve despertar a todos", afirma o jornal liberal Kathimerini

A primeira página do jornal Eleftherotypia (esquerda) estaba de luto: mostra o perfil do rapper assassinado com uma lágrima de sangue.

"O monstro do nazismo mata", afirma o jornaç Ethnos.

Organizações internacionais fizeram alertas sobre o aumento da violência neonazista e defenderam uma ação do governo.

"Este incidente é chocante e intolerável, sobretudo em um país da União Europeia", declarou o líder da bancada socialista no Parlamento Europeu, Hannes Swoboda, poucos meses antes de Atenas assumir a presidência da UE.

"Se o governo grego e o primeiro-ministro Antonis Samaras não conseguirem conter o comportamento odioso do Aurora Dourada e de outros grupos fascistas, a presidência (grega) será inaceitável", advertiu.

A Anistia Internacional apelou às autoridades gregas que façam o "necessário para impedir a violência cometida pelos atores políticos" e enviem uma "mensagem clara de que atos deste gênero não serão tolerados".

As autoridades gregas foram acusadas várias vezes - dentro e fora do país, de tolerância com o Aurora Dourada, um partido xenófobo e antissemita que, depois de entrar no Parlamento, em junho do ano passado, não interrompeu os ataques aos dirigentes políticos e imigrantes.

Beneficiado por uma quase total impunidade, o Aurora Dourada consolidou sua posição, com 13% nas pesquisas.

Nas eleições legislativas de 2012, o partido recebeu 7% dos votos.

O ministro da Ordem Pública Nikos Dendias, prometeu fortalecer os dispositivos legislativos, em particular os que dizem respeito às organizações criminosas e aos grupos armados.

Mas analistas destacam que, foram o discurso firme do primeiro-ministro nesta quinta-feira, o governo não adotou nenhuma medida concreta até o momento contra o partido neonazista.

Segundo os primeiros elementos da investigação, o drama foi provocado por um grupo de 30 pessoas que esperavam a vítima e seus amigos na salíde de um café onde assistiam uma partida de futebol.

Os neonazistas foram chamados como "reforços" por seus colegas dentro do café, segundo testemunhas.

O grupo contava com o suposto assassino, que foi detido imediatamente. A promotoria abriu um procedimento penal por homicídio doloso.

Fonte: Terra

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Filme de aviso sobre a ameaça nazi descoberto na Bélgica


Oito décadas depois foi reencontrado um filme de propaganda norte-americano alertando para o perigo da ascensão política de Adolf Hitler produzido anos antes do início da Segunda Guerra Mundial.

A Cinemateca Belga acaba de encontrar, nos seus cofres, um filme produzido em 1933, inteiramente composto de imagens que sairam clandestinamente da Alemanha Nazi, que apresenta, em detalhe, alguma das atividades dos apoiantes de Hitler.

Registando, entre outros episódios, reuniões de nazis a queimarem livros e a atacarem lojas geridas por judeus, este documentário propagandístico com o título "Hitler's Reign of Terror" foi produzido por Cornelius Vanderbilt IV, herdeiro do império industrial de uma família americana abastada, terá sido requisitado por alguém que o quis exibir em solo belga mas que nunca terá alcançado esse desejo.

Após sobreviver à guerra, à ocupação nazi e à passagem do tempo, foi agora encontrado, no meio de setenta mil bobines de filme, nos arquivos da Cinemateca Belga.

O restauro digital deste importante documento histórico encontra-se concluído, e a sua projeção já está agendada para o próximo mês, no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque.

Fonte: http://filmspot.pt/artigo/filme-de-aviso-sobre-a-ameaca-nazi-descoberto-na-belgica-3570/

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Morre último piloto da FAB que combateu na Segunda Guerra Mundial

Major-brigadeiro José Carlos de Miranda Corrêa estava internado no Hospital Central da Aeronáutica (HCA), no Rio, onde morreu no domingo

Major-brigadeiro Miranda Corrêa atuou em oito missões de
 combate na Segunda Guerra - Foto: FAB / Divulgação
A Força Aérea Brasileira anunciou nesta segunda-feira a morte do último piloto sobrevivente da missão da FAB na Segunda Guerra Mundial. O major-brigadeiro José Carlos de Miranda Corrêa morreu no último domingo, aos 93 anos, no Hospital Central da Aeronáutica (HCA), onde estava internado.

Miranda Corrêa integrou o 1º Grupo de Aviação de Caça (1º GAVCA) durante a Segunda Guerra Mundial, na Itália, como piloto de combate e oficial de informações. Entre 13 de novembro de 1944 e 3 de janeiro de 1945, ele cumpriu oito missões de guerra. Segundo a FAB, ele era o último dos pilotos veteranos da Segunda Guerra vivo.

Antes de combater na Itália, o então tenente aviador Miranda Corrêa realizou seu treinamento como piloto de combate nos Estados Unidos e no Panamá. Após regressar ao Brasil, permaneceu no 1º GAVCA, sediado na Base Aérea de Santa Cruz. Posteriormente, realizou o curso de engenheiro aeronáutico e atuou como diretor de Engenharia na Diretoria do Material e na Diretoria de Rotas. Morando no Canadá, atuou na Internacional Civil Aviation Organization (ICAO), na cidade de Montreal.

Ao longo de sua carreira, o major-brigadeiro recebeu diversas condecorações, incluindo a Cruz de Aviação - Fita A, a Campanha da Itália, a Campanha Atlântico Sul, a Ordem do Mérito Aeronáutico, e a Medalha Mérito Santos Dumont. Além, disso, recebeu três honrarias do governo americano por sua atuação na Segunda Guerra Mundial, a Distinguished Flying Cross (por ter afundado um submarino alemão na costa do Rio de Janeiro), a Presidential Unit Citation e a Bronze Star.

O major-brigadeiro Miranda Corrêa deixa a viúva Maria Eliane Pires Chaves e dois filhos. Seu corpo foi sepultado na tarde desta segunda-feira no cemitério São João Batista, no Rio.

Fonte: 
Terra

sábado, 7 de setembro de 2013

Guarda-costas de Hitler, Rochus Misch morre aos 96 anos

Rochus Misch, em 2005, apontando para uma imagem de Adolf Hitler
tirada no início da década de 1940. Fotografia: Herbert Knosowski / AP
Ele foi o devotado guarda-costas de Adolf Hitler durante a maior parte da Segunda Guerra Mundial e a última testemunha das últimas horas do líder nazista em seu bunker em Berlim e, até o final, o sargento da SS, Rochus Misch, se orgulhou de todas as suas ações.

Durante anos ele acompanhou Hitler praticamente em todo o lugar para onde ele foi, permanecendo ao lado do homem que ele afetuosamente chamada de "chefe" até que o ditador e sua mulher, Eva Braun, cometeram suicídio para não caírem nas mãos dos aliados.

Em entrevista concedida em 2005 à Associated Press, quando relatou os últimos dias do líder nazista, Misch ainda mantinha a imagem de um oficial da SS, com sua postura rígida, cabelos cuidadosamente penteados e nenhum pedido de desculpas por seu relacionamento próximo com o homem mais odiado do século 20.

"Ele não era brutal. Ele não era um monstro. Ele era um super-homem", disse Misch.

O guarda-costas morreu na quinta-feira, aos 96 anos, e era um dos últimos integrantes da geração que tem responsabilidade direta pela brutalidade alemã durante a Segunda Guerra Mundial.

Durante a entrevista concedida à Associated Press, ele se distanciou das questões centrais a respeito de culpa e responsabilidade, afirmando que não sabia nada a respeito da morte de 6 milhões de judeus e que Hitler nunca tratou da Solução Final em sua presença.

Ele parecia ter pouca empatia por aqueles que não conhecia diretamente e até por algumas que conhecia. Misch quase chorou ao falar sobre a decisão de Joseph e Magda Goebbels de matar seus seis filhos no bunker de Berlim antes de cometerem suicídio. Mas ele também foi capaz de gargalhar a respeito de um amigo da família, "um verdadeiro esquerdista", que foi levado para o campo de concentração de Sachsenhausen, nas proximidades de Berlim.

Misch nasceu em 29 de julho de 1917, na pequena cidade de Alt Schalkowitz, na Silésia, atualmente parte da Polônia. 

Fonte: Associated Press.
Fonte: http://atarde.uol.com.br/mundo/materias/1531802-guarda-costas-de-hitler-morre-aos-96-anos

No Holocausto.doc: Morre Rochus Misch, ex guarda-costas de Hitler

Mais: Eu fui guarda costas de Hitler

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Ex-oficial da SS julgado por assassinato ocorrido há 70 anos

Siert Bruins
Um ex-oficial da SS será julgado hoje num caso de assassinato na Holanda durante a Segunda Guerra Mundial.

Ex-oficial da SS julgado por assassinato ocorrido há 70 anos

Um nativo da Holanda que recebeu cidadania alemã, Siert Bruins é acusado de ter matado em 1944 um prisioneiro combatente da resistência com quatro tiros nas costas. O próprio Bruins, que tem hoje 92 anos, admitiu que estava presente no momento do assassinato, mas alega que não foi ele que atirou.

Um tribunal na Holanda já o tinha condenado, mas a Alemanha se recusou a extraditar seu cidadão. Agora, se ele for considerado culpado na Alemanha, Bruins poderá ser condenado a prisão perpétua.

Siert Bruins já foi processado e condenado a sete anos de prisão por seu envolvimento no assassinato de dois judeus durante a guerra.

Fonte: http://portuguese.ruvr.ru/news/2013_09_02/Ex-oficial-da-SS-julgado-por-assassinato-de-h-70-anos-5626/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...