terça-feira, 25 de março de 2014

Aktion "Erntefest" (Operação "Festival da Colheita")

Corpos em uma vala comum descoberta no campo de Majdanek
Introdução
Introdução por um artigo do USHMM-United States Holocaust Memorial Museum

Traduzido do alemão, "Erntefest" significa "Festival da Colheita". A palavra "Erntefest" foi o nome de código para a operação alemã para matar todos os judeus remanescentes no Distrito Lublin do Generalgouvernement (um território no interior da Polônia ocupada), no outono de 1943. O momento da operação foi aparentemente em resposta a vários esforços de sobreviventes judeus para resistir aos nazistas (por exemplo, as revoltas nos campos de extermínio de Sobibor e Treblinka, e resistência armada na Varsóvia, Bialystok, guetos de Vilna). Os SS temiam revoltas adicionais lideradas por judeus no Generalgouvernement. Para evitar uma maior resistência, a SS decidiu matar a maioria dos judeus remanescentes, que foram empregados em projetos de trabalho forçado e foram concentrados nos acampamentos deTrawniki, Poniatowa e Majdanek .

A "Erntefest" começou na madrugada de 03 de novembro de 1943. Os campos de trabalho Trawniki e Poniatowa foram cercados por SS e unidades da polícia. Judeus foram levados para fora dos campos em grupos e fuzilados em covas próximas cavadas para esse fim. Em Majdanek, os judeus foram separados primeiro dos outros prisioneiros. Eles foram levados em grupos para trincheiras próximas e fuzilados. Judeus de outros campos de trabalho na área de Lublin também foram levados para Majdanek e fuzilados. Música foi tocada nos alto-falantes, tanto em Majdanek como em Trawniki, para abafar o barulho do fuzilamento em massa. A operação de assassinato foi concluída em um único dia em Majdanek e Trawniki. Em Poniatowa o tiroteio durou dois dias. Cerca de 42.000 judeus foram mortos durante a "Erntefest".


Segue abaixo um artigo da historiadora Jennifer Rosenberg.


Aktion Erntefest


Em 3 de novembro de 1943, os nazistas cometeram simultâneos atos de assassinato em massa de cerca de 43.000 homens judeus, mulheres e crianças em três campos restantes na Generalgouvernement (área grande na Polônia) - Trawniki , Poniatowa e Majdanek . O nome de código para esta operação era Erntefest ("Festival da Colheita").

Por que matar tantos em um dia?

Os nazistas estavam ficandos nervoso e, talvez, um pouco assustados. A imagem da invencibilidade alemã tinha sido quebrada na batalha de Stalingrado em janeiro de 1943. Judeus se revoltaram no Gueto de Varsóvia, em abril de 1943 e novamente no campo de extermínio de Treblinka, em agosto de 1943. Mas parece que era a revolta judia no campo de extermínio de Sobibor em 14 de outubro de 1943 que fez Heinrich Himmler temer mais essas revoltas; assim após a revolta de Sobibor, Himmler ordenou a matança dos judeus remanescentes no Generalgouvernement.

A morte deveria ser conduzida toda em um dia, com quase nenhum aviso prévio, para evitar qualquer resistência possível.

Himmler confiou essa tarefa para o Superior SS e Líder da Polícia do Generalgouvernement, Friedrich Krüger , que por sua vez delegou ao Superior SS  e Líder da Polícia do distrito de Lublin, Jacob Sporrenberg .


Trawniki

No início da manhã de 3 de novembro, os judeus no campo de trabalho Trawniki foram retirados de suas barracas. Em pequenos grupos, eles foram levados para o campo de treinamento para os auxiliares SS Trawniki. A música de dança foi tocada (alto-falantes tinham sido criados para abafar o barulho dos tiros e os dos gritos de moribundos).

Depois de ter sido forçada a se despir, suas roupas foram adicionados à crescente pilha de roupas e eles foram levados a uma trincheira pré-escavada. Os primeiros grupos foram conduzidos através da trincheira e disseram para se deitarem. Em seguida, foram fuzilados. Grupos posteriores foram obrigados a ficarem sobre os cadáveres dos grupos anteriores. Em seguida, eles também foram baleados.

  • Total de mortos: No final da tarde, quando a matança terminou, cerca de 8.000 a 10.000 judeus foram assassinados em Trawniki neste único dia.
  • Cremação: Para encobrir a evidência deste assassinato em massa, os nazistas trouxeram 100-120 judeus do campo Milejow. Depois de terem cremado todos os cadáveres, levando cerca de duas a três semanas, esses prisioneiros também foram baleados e seus corpos cremados.

Poniatowa

No máximo no final de outubro, os judeus do campo de Poniatowa foram levados para perto do portão de entrada do acampamento e ordenou a cavar trincheiras: duas de 95 metros por 2 metros, com uma profundidade de 1,5 metros em ziguezague. Embora os prisioneiros foram informados de que essas trincheiras eram trincheiras de defesa, elas eram realmente o lugar onde eles estavam prestes a serem baleados.

Muito semelhante ao que aconteceu nesse mesmo dia em Trawniki, os judeus foram levados para as trincheiras e fuzilados.

"Tiramos a roupa rapidamente e, com nossos braços erguidos, fomos na direção das valas que nós mesmos haviamos cavados. Os túmulos, que eram de dois metros de profundidade estavam cheios de corpos nus. Minha vizinha da barraca com quatorze anos de idade, filha de cabelos loiros e de aparência inocente parecia estar à procura de um lugar confortável. Enquanto eles estavam se aproximando do lugar, um homem das SS carregando um fuzil e lhe disse: 'Não tenha pressa' .. Mas nós deitamos rapidamente, a fim de evitar olhar para os mortos. Minha filhinha estava tremendo de medo, e me pedindo para cobrir seus olhos. Eu abracei sua cabeça; minha mão esquerda eu coloquei sobre seus olhos enquanto na minha direita eu segurei suas mãos. Desta forma, deitamos, com nossos rostos virados para baixo.
Tiros foram disparados, eu senti uma dor aguda na minha mão, e a bala perfurou o crânio de minha filha. Outro tiro foi ouvido muito próximo. Eu estava totalmente abalado, fiquei tonto e perdi a consciência. Eu ouvi os gemidos de uma mulher nas proximidades, mas chegou ao fim depois de alguns segundos. " (1)


  • Resistência: Ao contrário dos outros dois campos, em Poniatowa, um grupo de prisioneiros judeus resistiu. Quando o tiroteio estava em fase de conclusão, um grupo pertencente a clandestinidade se separou. Após atear fogo a vários dos quartéis contendo roupas, os resistentes encontraram  segurança, embora apenas temporariamente, em um quartel. Com poucas armas que eles tinham conseguido adquirir nos meses anteriores, eles dispararam de volta para os nazistas. Infelizmente, os nazistas incendiaram o quartel e todos os opositores eram queimados vivos.
  • Total de mortos: Em Poniatowa, cerca de 15.000 judeus foram assassinados neste primeiro dia.
  • Cremação: Os nazistas mantiveram cerca de 150 judeus vivos em Poniatowa para que estes prisioneiros pudessem cremar os cadáveres. Os nazistas também reuniram cerca de mais 50 judeus, que foram encontrados escondidos em todo o acampamento. No entanto, esses presos se recusaram a cremar os corpos. Assim, esses prisioneiros foram fuzilados e substituídos por outros 120 judeus de outro acampamento.

Majdanek

No final de outubro, cerca de 300 prisioneiros de Majdanek foram retirados por trás dos campos V e VI, perto do crematório, e ordenados a cavar. Eles estavam a cavar três trincheiras, cerca de 100 metros de comprimento e 2 metros de profundidade, em uma linha em ziguezague.

Majdanek, na Polônia.Uma vala comum cheia
com os restos de corpos, no momento da libertação.
Para a matança, cerca de 100 homens da SS e da polícia vieram de Auschwitz e de outros locais para complementar a equipe de Majdanek. Dois caminhões com alto-falantes entraram no campo, em preparação para o 3 de novembro - um foi colocado perto do portão do campo (perto da estrada) e o outra foi colocado perto das trincheiras recém-cavadas.

Na manhã do dia 3 de novembro, os prisioneiros passaram pelo processo de rotina de chamada. No final da chamada, os prisioneiros judeus a partir de campos III e IV receberam ordens para avançar e criar uma coluna separada. Esses e milhares de outros judeus dos campos próximos, fábricas, e esquadrões de trabalho foram levados para o campo V para aguardar a execução.

Em grupos de 100 (homens e mulheres separadamente), os prisioneiros judeus foram levados para os lavatórios e forçados a se despir. Eles foram levados, nús, através de um buraco na cerca do campo V (buraco cortado por Schutzlagerführer Thumann). Do buraco na cerca, os prisioneiros passaram por um corredor delimitado por policiais armados. Uma vez nas valas, eles foram obrigados a se deitarem, e em seguida, baleados por homens da SS em pé na borda da vala. Os grupos seguintes foram lançados em cima dos grupos anteriores recém-mortos.

  • Total de mortos: Em Majdanek em 3 de novembro, cerca de 18.000 judeus foram assassinados. Este dia ficou conhecido como "Quarta sangrenta" entre os prisioneiros restantes de Majdanek.
  • Cremação: Os nazistas mantiveram 311 mulheres judias e 300 homens judeus vivos para classificar as roupas e outros pertences de quem estava morto. Após a triagem realizada, as mulheres foram enviadas para Auschwitz e gaseadas na chegada. As mulheres foram forçadas a cremar corpos, e então elas também foram mortas.

Fim da Aktion Reinhard

O assassinato em massa de cerca de 43 mil judeus em 03 de novembro de 1943 durante a Aktion Erntefest significou o fim da Aktion Reinhard . Este foi um dia muito sangrento na história.

Notas:
(1) -  Sobrevivente feminina das execuções em massa Poniatowa como citado por Martin Gilbert, The Holocaust (New York: Holt, Rinehart and Winston, 1985) 629.

Bibliografia:
- Arad, Yitzhak. Belzec, Sobibor, Treblinka: The Operation Reinhard Death Camps. Indianapolis: Indiana University Press, 1987.
- Gilbert, Martin. The Holocaust: A History of the Jews of Europe During the Second World War. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1985.
- Marszalek, Jozef. Majdanek: The Concentration Camp in Lublin. Warsaw: Interpress, 1986.

Traduções: Daniel Moratori (avidanofront.blogspot.com)

Outros:
Video da libertação do campo de Majdanek e suas valas comuns: 
http://www.ushmm.org/wlc/en/media_fi.php?ModuleId=10005190&MediaId=210
http://www.majdanek.eu/articles.php?acid=185&lng=1
Fotos: http://www.yadvashem.org/
Ver também: Batalhão Policial de Reserva 101

quarta-feira, 19 de março de 2014

Suposto enfermeiro de Auschwitz é detido na Alemanha

A polícia prendeu no norte da Alemanha um suposto
ex-enfermeiro do campo de extermínio de Auschwitz 

Berlim — A polícia prendeu no norte da Alemanha um suposto ex-enfermeiro do campo de extermínio de Auschwitz durante a Segunda Guerra Mundial, de 93 anos, anunciou nesta terça-feira o Ministério Público de Schwerin.

Os agentes revistaram a casa do aposentado, próxima à cidade de Neubrandenburgo, no norte.

O idoso passou por uma consulta médica e compareceu diante do juiz, acrescentou a mesma fonte.

Membro da SS entre 1940 e 1944, é suspeito de ter participado no extermínio em massa de prisioneiros em Auschwitz em setembro de 1944.

A justiça investiga oito comboios de prisioneiros que chegaram ao campo em setembro de 1944 procedentes de Cadcy (Eslovênia), Viena, Westerbork (Holanda), Lyon, Trieste, Berlim, Stutthof (Alsácia) e Kaunas (Lituânia).

No total, 1.721 pessoas foram enviadas logo após sua chegada às câmaras de gás, depois de terem sido consideradas inaptas ao trabalho.

O caso deste suposto ex-enfermeiro de Auschwitz foi levado ao Ministério Público de Schwerin pelo gabinete central de investigações de crimes do nacional-socialismo de Luisburgo (sudoeste).

Este último havia anunciado em setembro de 2013 ter encerrado investigações em torno de 49 pessoas e transmitido 30 casos aos Ministérios Públicos regionais alemães.

Mais de 6.000 pessoas trabalharam em Auschwitz, onde cerca de 1,1 milhão de judeus, ciganos, homossexuais e opositores políticos morreram nas câmaras de gás, de cansaço ou por diversas doenças.

Por mais de 60 anos, os tribunais alemães só julgavam acusados contra os quais existiam provas diretas ou testemunhos.

Mas a condenação do apátrida de origem ucraniana John Demjanjuk em Munique em maio de 2011 abriu um precedente jurídico. Demjanjuk foi condenado a 5 anos de prisão por sua participação no assassinato de 28.000 judeus. O tribunal considerou que ele era guarda no campo de Sobibor, embora não tenha provado seu envolvimento direto nos crimes.

Fonte: AFP

terça-feira, 18 de março de 2014

Aos 90 anos, ex-guarda da SS em Auschwitz será julgada

Gisela S. é uma das 6 mulheres ainda vivas que mataram milhares de judeus em campo de concentração na Polônia; ela era soldado da SS, organização responsável por muitos dos crimes contra a humanidade durante a II Guerra Mundial
Gisela S.

Uma mulher de 90 anos, identificada como Gisela S., enfrentará a justiça por crimes contra a humanidade pelo seu trabalho como guarda da SS - organização paramilitar ligada ao partido nazista e a Adolf Hitler - no campo de concentração nazista na Polônia, Auschwitz, onde quase 2 milhões de pessoas morreram, na maioria judeus. Gisela responderá por assassinato em massa e é uma das trinta pessoas que trabalharam em Auschwitz que ainda estão vivas e vivem na Alemanha.

Com o apelido de “Demming” durante a guerra, seu arquivo foi levantado nos últimos anos; ela responderá pelos crimes esta semana, sendo a segunda pessoa a ser julgada no último mês. 

Alega-se que Gisela era uma “disciplinadora severa” da guarda, que batia nos prisioneiros e que, por muitas vezes, teria sido encarregada de prender os judeus “infratores” em pequenos quartos escuros, onde até 15 pessoas ficavam amontoadas, sem comida e bebida, durante dias. Não era incomum que estas pessoas morressem confinadas.

Gisela S. vive atualmente numa casa perto de Hamburgo, na Alemanha, e é conhecida por ser “nazista fanática”, tendo sido parte da BDM, a Liga das Mulheres da Alemanha, sendo contratada pela guarda da SS em 1940.

Com informações do Daily Mail.
Fonte: Terra

sábado, 15 de março de 2014

Morre homem que dizia ser marinheiro de foto da 2ªGuerra

Morreu nesta sexta-feira Glenn McDuffie, o homem que se tornou conhecido por afirmar que era o marinheiro da célebre foto do beijo de um casal na Times Square no fim da Segunda Guerra Mundial. A imagem, que mostra o oficial beijando uma enfermeira na rua, foi tirada pelo fotógrafo Alfred Eisenstaedt, da revista Life, em 14 de agosto de 1945.

A artista forense do Departamento de Polícia de Houston Lois Gibson, que identificou McDuffie como o homem da imagem, disse na sexta-feira que ele morreu no dia 9 de março. McDuffie tinha 86 anos.

Lois relatou ter tirado cerca de 100 fotos de McDuffie com um travesseiro, posando da mesma forma que na famosa foto. Ao sobrepor essas imagens à original, explicou Lois, ela conseguiu comparar os músculos, orelhas e outros traços do homem, que na época das fotos tinha 80 anos, com o jovem que se inclina sobre a mulher apoiada em seu braço para beijá-la. Fonte: Associated Press.

Fonte: Estadao

sexta-feira, 14 de março de 2014

Guarda de Auschwitz irá a julgamento na Alemanha

Oskar Groening, guarda de Auschwitz 
Alemanha poderia começar o julgamento do ex-sargento SS Oskar Groening, fazendo dele o primeiro ex-guarda de um campo de extermínio a comparecer perante um tribunal alemão em décadas.

Promotores alemães decidiram que um idoso de 92  anos, ex-guarda de Auschwitz, está apto para ser julgado por ser um acessório para o assassinato de dezenas de milhares de judeus enviados para a morte no campo de extermínio nazista infame durante a Segunda Guerra Mundial.

Oskar Groening, um ex-sargento nazista, admite que serviu em Auschwitz durante dois anos e meio, mas ele afirma que apenas guardava pertences dos presos condenados no acampamento e insiste que ele não cometeu crimes de guerra lá.

No entanto promotores estaduais em Hanover anunciaram nesta quinta-feira que eles tinham concluído uma investigação inicial contra Groening e pronunciado que ele estava apto para ser julgado. Ele é susceptível de se tornar o primeiro ex-guarda de campo de extermínio de comparecer perante um tribunal alemão em décadas.

Dois outros ex-guardas de Auschwitz idosos também sob investigação pelo Ministério Público de Hanover são considerados muito frágeis para serem julgados, segundo jornal Germany’s Bild nesta quinta-feira.

Um tribunal Aliado inocentou Groening, que trabalhava como gerente de uma fábrica de vidro e agora vive perto de Lüneburg, de crimes de guerra em 1948. No entanto, ele afirma que ele continua a ser assombrado pelos horrores de Auschwitz até hoje.

"Uma noite, em janeiro de 1943 eu vi pela primeira vez, como os judeus foram gaseados de verdade", lembrou em uma entrevista. "Havia mais de uma centena de prisioneiros e em breve havia gritos cheios de pânico quando eles foram levados para a câmara e a porta estava fechada.

"Ao longo dos anos, tenho ouvido os gritos dos mortos nos meus sonhos. Eu nunca vou ser livre deles.

"A culpa nunca vai me deixar. Eu só posso implorar por perdão e orar por reparação."

Groening é um de um punhado de ex-guardas de Auschwitz perseguidos por crimes de guerra nazistas pela unidade de investigação com sede em Stuttgart, da Alemanha. Kurt Schrimm, o seu diretor disse que os primeiros processos podem começar ainda este ano.

Os casos são parte do impulso final da Alemanha para trazer os últimos suspeitos de crimes de guerra nazistas à justiça. Os promotores têm sido capazes de apresentar acusações por causa de um precedente jurídico estabelecido em 2011 pela condenação do ex-guarda   docampo de extermínio nazista do  de Sobibor,John Demjanjuk, por um tribunal de Munique.

Tradução: Daniel Moratori (avidanofront.blogspot.com)
Fonte: Telegraph


PS: Esse é um nazista que confirma toda a maquina de extermínio em Auschwitz, e se arrepende ter estado lá.

sexta-feira, 7 de março de 2014

Publicados documentos sobre colaboração de nacionalistas ucranianos com Alemanha nazista

O MRE da Rússia divulgou uma série de documentos do antigo Ministério do Interior soviético, referentes aos anos 1942-45 sobre a atividade desenvolvida por nacionalistas ucranianos durante a Segunda Guerra Mundial.

Os documentos contêm depoimentos e provas irrefutáveis de sua colaboração com as autoridades nazistas e participação em execuções em massa da população civil.

Vale notar que os ativistas ultra-nacionalistas voltaram a ganhar força após o colapso da URSS. O ex-presidente pró-europeu, Viktor Yuschenko, chegou a distinguir Stepan Bandera e Romam Schuschkevich, fundadores do Exército Insurreto Ucraniano (UPA) e da Organização dos Nacionalistas Ucranianos (OUN), com o título honorífico de Herói da Ucrânia.

Os seus simpatizantes e sucessores continuam protagonizando os eventos dramáticos em Kiev.
Fonte: http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_03_05/Publicados-documentos-sobre-colabora-o-de-nacionalistas-ucranianos-com-Alemanha-nazista-7246/

Links dos documentos: http://www.idd.mid.ru/inf/inf_01.html

Obrigado ao Roberto que achos os documentos: Holocausto-doc: Documentos sobre os fascistas ucranianos (em russo)

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...