segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Lyudmila M. Pavlichenko - Sniper Russa

Em 12 de julho de 1916, uma garota nasceu na Ucrânia na pequena vila de Belaya Tserkov. Ela se tornou uma estudante brilhante nos primeiros anos de estudo. Quando ela estava com 14 anos, seus pais se mudaram para Kiev, a capital do país. Neste período ela passou a participar de um clube de tiro e se tornou uma boa atiradora. Ela também trabalhou em um depósito de armas e munições. Seu nome era Lyudmila Mikhlailovna Pavlichenko que se tornou a maior sniper que já viveu.


Em junho de 1941, os alemães lançaram a Operação Barbarossa atacando a União Soviética. Lyudmila estava estudando na Universidade de Kiev. Ela estava com 24 anos e se formando em História. Muitos dos estudantes russos apressaram-se em se. Lyudmila era um garota muito bonita. Quando ela se recrutou ela pediu para se juntar a infantaria e utilizar um rifle. O responsável pelo alistamento riu. Então ela mostrou um certificado de franco-atirador para provar que ela falava sério. Ele tentou dissuadí-la para tornar-se uma enfermeira, mas ela recusou. Ela recrutou-se na 25ª Divisão de Infantaria. Ela se tornou uma das duas mil mulheres snipers soviéticas das quais somente 500 sobreviveram a guerra. Como sniper, as duas primeiras mortes foram registradas próximas a Belyayevka. Seu rifle era um rifle Mosin Nagent com uma mira P.E. 4-power. O Mosin-Nagent era um rifle de 5 tiros. Ele disparava uma bala de 148 gr a uma velocidade de 853 m/s. Era muito útil para alvos a mais de 550 m.
Pavlichenko lutou cerca de dois meses e meio próximo a Odessa. Lá, ela registrou 187 mortes. Os alemães tomaram controle de Odessa e a unidade dela foi direcionada a Svastopool na Península da Criméa. Em junho de 1942 ela foi ferida por um tiro de morteiro. Em maio de 1942, a tenente Pavlichenko foi citada pelo Conselho do Exército Vermelho por ter matado 257 alemães. O número total de mortes confirmadas de Pavlichenko durante a segunda guerra é de 309. Ludmila matou 36 snipers inimigos. Ela encontrou um livro de memórias de um sniper alemão que ela matou. Ele havia matado mais de 500 soldados soviéticos.

Lyudmila considerada uma heroína, menos de um mês depois de ser ferida foi retirada de combate. Ela foi enviada ao Canadá e aos Estados Unidos. Ela se tornou a primeira cidadã soviética a ser recebida pelo presidente dos EUA. O presidente Roosevelt e sua esposa a receberam na Casa Branca. Lyudmila foi convidada por Eleanor Roosevelt a viajar pela América relatando suas experiências. Antes, ela foi condvidada a comparecer a Assembléia Internacional de Estudantes que estava acontecendo em Washington, onde ela foi recebida como heroína. Mais tarde ela participou de encontros e conferências em Nova York. No Canadá, ela foi presenteada com um rifle Winchester com mira ótica, o que está a mostra no Museu Central das Forças Armadas em Moscou. Quando ela estava voltando para a União Soviética, ela ganhou uma pistola Colt semi-automática.

Ela foi promovida a Major, nunca retornou a vida militar e tornou-se uma instrutora de tiro. Ela treinou centenas de snipers soviéticos até o fim de guerra. Em 1943, ela recebeu a Estrela de Ouro (Gold Star), título de Herói da União Soviética. Lyudmila retornou a Universidade de Kiev. De 1945 a 1953, ela foi pesquisadora assistente da marinha soviética. Ela também esteve envolvida em numerosas conferências e congressos internacionais. Ela era ativa no Comitê soviético de Veteranos de Guerra.
Lyudmila Pavlichenko morreu em 10 de outubro de 1974 aos 58 anos e está enterrada no Cemitério Novodevichiye em Moscou.

6 comentários:

  1. Lembrei daquele filme sobre Vasili Zaitsev. Ótima filme!!!

    ResponderExcluir
  2. Como uma assassina?Na guerra soldados matam ou morrem.A Russia foi invadida pela Alemanha,deveriam aceitar e morrer?

    ResponderExcluir
  3. Grande MULHER, a quem disse assassina, vá para uma guerra e tenta conversar, quem sabe vc consegue, é como vc tentar bater um bom papo com um assaltante, tente para ver o resultado!

    ResponderExcluir

Favor, sem ofensas, comentários ideológicos, racistas, antissemitas e semelhantes.

Se não concordar, discordar ou mesmo ter a acrescentar com o escrito no post, o dialogo é a melhor opção.

OBS: Não tenho muito tempo para responder todos comentários, então se seu comentário demorar a ser moderado, não venha reclamar comigo, pois tenho outras atividades alem desse blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...