domingo, 27 de dezembro de 2009

A ultima bateria


O último avanço alemão sobre Sebastopol foi precedido por um furacão de fogo e aço. Os atacantes lançaram sobre os defensores da cidade toda a massa dos seus recursos. Tanques, lança-chamas,. Bombas, granadas, tudo foi arrojado sobre as linhas russas, violentamente. Um dilúvio de ferro e fogo se abateu sobre os restos informes das defesas russas. Os aviões alemães, por sua vez, descarregaram implacavelmente todo o poder de suas bombas e metralhadoras. E então, por trás de todo aquele caos de disparos, explosões, lamentos, silvos de bombas, surgiram os carros de assalto. De frente para as linhas alemães se encontrava uma divisão russa. Uma divisão que resistiu firmemente ao ataque alemão. Um a um, seus homens estavam tombando. Companhias inteiras haviam sido tragadas. Batalhões desapareceram. Porém, os restos da divisão não davam um passo atrás. Ao produzir-se o ataque final, ao cair sobre eles uma massa de ferro e fogo, a divisão estava reduzida a 130 homens. Nem um mais. As unidades alemães, avançando cautelosamente se aproximaram daquele punhado de homens. Os russos, por sua vez, agrupando-se, entrincheiraram-se em redor de uma bateria. A última bateria. O combate desproporcionado, grotesco quase, entre uma força 100 vezes superior, e uma companhia esgotada, travou-se, furioso. Aquilo não podia durar. Era impossível. Não era humano resistir numa proporção de um contra cem. E a ordem chegou: - Abandonar posição! - foi gritada com voz rouca entre o troar dos canhões e o estouro das granadas. Porém, nenhum homem abandonou sua trincheira. Nenhum soldado deu um passo atrás. Todos continuaram carregando e disparando suas armas, ininterruptamente, sem descanso. Nenhum combatente admitiu aquela ordem que podia salvá-los. Todos preferiram morrer combatendo. Três dias e três noites durou aquela luta desproporcional, irreal. Três dias e três noites de sucessivos ataques alemães.
Quando, vencida a resistência dos defensores, os primeiros soldados alemães puseram o pé no reduto, os últimos 40 homens que defendiam a bateria, fizeram-na voar pelos ares. Foi seu último gesto de renúncia. Terminara a epopéia da última bateria..

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor, sem ofensas, comentários ideológicos, racistas, antissemitas e semelhantes.

Se não concordar, discordar ou mesmo ter a acrescentar com o escrito no post, o dialogo é a melhor opção.

OBS: Não tenho muito tempo para responder todos comentários, então se seu comentário demorar a ser moderado, não venha reclamar comigo, pois tenho outras atividades alem desse blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...