domingo, 20 de dezembro de 2009

A vida no Stalag 7A, Moosburg. FEB

Relato de um tenente do 11o Regimento de Infantaria capturado no Monte Castelo e sua estadia na Alemanha em 1945 :


Odisséia dum “Krige” (1)

Por Emílio Varoli, tenente da Reserva, nascido em São Paulo em 1912, era médico veterinário na vida civil. Comandou um pelotão do 11º R.I. na guerra, sendo condecorado com a Cruz de Combate de 1ª Classe, Bronze Star, Medalhas de Campanha e de Guerra do Brasil e promovido a Capitão ao retornar a reserva. Foi o único oficial de infantaria a ser capturado pelos alemães, no terceiro ataque ao Monte Castelo.

Torre principal na entrada do campo

1) Interrogatório

Capturado no ataque de 12 de dezembro em Abetaia, fui levado para uma das casas desse povoado, onde fui tratado com certa deferência mesmo antes de ter-me identificado como oficial.

À noitinha fizeram-me subir o Monte Castello, obrigando-me a andar, apesar do congelamento dos pés. Desnecessário é dizer o sofrimento que me causava aquela subida, que nada mais era que um arrastar miserável dos pés insensibilizados, logo seguido de uma queda na lama. Só mais tarde, entre os americanos, que me explicaram o congelamento com todos os detalhes e seu tratamento, é que percebi que aquela caminhada me salvara os pés restabelecendo paulatinamente a circulação.

Chegados ao comando da Cia., situado a uns dez metros abaixo do solo no cume dum morrote, encontrei seis soldados do 1º R.I. [Regimento de Infantaria] que também haviam sido capturados naquele dia.

Fui recebido amigavelmente pelo Capitão alemão, que se achava com um oficial médico atendendo aos feridos alemães. Ofereceram-me um pouco de conhaque e puseram-se a conversar comigo em inglês.

A um dado momento o Capitão diz-me:

- Francamente, vocês brasileiros ou são loucos ou muito bravos. Nunca vi ninguém avançar sobre metralhadoras e posições bem defendidas com tanto desprezo pela vida.

- Capitão, nós cumprimos as ordens recebidas.

- Eu sei disso. Mas a tropa brasileira perdeu no ataque de hoje uma centena de homens entre mortos e feridos [na verdade foram 145 baixas], contra cinco mortos e treze feridos nossos.

- Capitão, os brasileiros não fogem à luta, haja o que houver.

- Vocês são uns verdadeiros diabos. Na minha opinião, depois do soldado alemão que incontestavelmente é o melhor do mundo, os brasileiros e os russos são os melhores lutadores que já vi.

- Essa é sua opinião, mas não a minha.

Em seguida, o Capitão pediu minha identificação e avisou-me que nessa mesma noite eu deveria ser encaminhado ao comando do Regimento [Reg. 1045, da 232 DI alemã], no outro lado do Monte Castelo.

Despedimo-nos e juntamente com os seis soldados brasileiros, retomei a subida.

Seriam umas três horas da madrugada quando chegamos ao P.C. do Regimento situado em Pavullo sul Frignano, onde fomos alojados num estábulo. De manhã fomos acordados por um alemão que falava o português corretamente e que contou ter vivido em Santa Catarina durante uns doze anos.

Avisou-nos que iríamos à presença do Comandante do Regimento e deu-nos instruções sobre como devíamos portar-nos diante dele.

Foi somente ai que pude observar bem os meus companheiros de prisão. Um 3º Sargento, dois cabos e três soldados. O Sargento, de cor parda, parecia não gozar da estima de seus colegas, porém não tive oportunidade de esclarecer isso no momento, pois logo a seguir fomos levados ao Comando e colocados em linha num corredor.

Abre-se a porta e aparece um major, tipicamente prussiano, de cabelos grisalhos e cara fechada. Olhou-nos em silêncio e ao deparar com o sargento rosnou depreciativamente “Ein nigger”. Dirigiu-nos várias perguntas vagas por intermédio do intérprete e retirou-se.

Logo depois fui interrogada por um jovem tenente e o que me deixou estupefato foi notar que ele sabia coisas a respeito da F.E.B. que eu absolutamente ignorava e que me pareciam verdadeiras. Procurei despistá-lo o mais possível; não sei se o consegui.

Fomos enviados em seguida a Albineri e posteriormente a Parma e Montova.

Aqui, pela primeira vez, entrei num campo provisório (Dulag) de prisioneiros, com os célebres armados farpados.

Separado dos soldados, fui alojado num barracão amplo onde encontrei dois majores, quatro capitães, dois tenentes ingleses e canadenses e quatro tenentes americanos.

Apresentei-me ao Major encarregado (que chamarei de Jones) e ele apresentou-se aos outros oficiais.

Entabulando conversa, verifiquei que, se até então tinha comido passavelmente, a partir desse momento devia aprender a apertar a cinta, pois a comida que nos serviam era escassa e resumia-se numa caneca de água quente com chicória, o café ersatz, pela manhã, uma concha de sopa no almoço e 250 gramas de pão com um pedaço de salsicha ou queijo à tarde. Isso tinha como finalidade manter-nos num estado de subnutrição, quebrando assim toda veleidade de resistência às ordens ou tentativas de fuga.

Pelo que me era dado observar, os meus companheiros já tinham alguma prática da venalidade dos carcereiros, pois já tinham conseguido trocar várias bugigangas como relógios e outras por alimentos.

Como possuo alguns parentes em Mantova, procurei logo um jeito de fugir e abrigar-me junto deles até achar oportunidade de atravessar as linhas. Estudando o lugar vi que a saída era possível pelo Lago de Mantova. Falei a respeito com o Major Jones mas ele logo discordou, dizendo que assim que os alemães dessem pela minha fuga vingar-se-iam nos que ficassem. Não mais discuti o assunto e fiquei aguardando uma oportunidade para fugir.



Entrada do Stalag 7A




(II) A caminho da Alemanha

No dia seguinte [duas semanas depois] pela manhã recebemos ordens para embarcar, pois íamos ser removidos para um campo definitivo e ai pelas nove horas saímos com forte escolta, passando pelas ruas de Mantova a caminho duma estaçãozinha de subúrbio.

Fomos embarcados, os oficiais, num vagão de transporte de animais, fechado no meio por uma rede de arame farpado e ocupamos uma das metades. O desconforto era imenso, pois não cabíamos todos sentados ao mesmo tempo naquele espaço exíguo e assim foi estabelecido um revezamento para sentar e deitar, de duas em duas horas. Porém o revezamento mais desagradável era o da caixa de necessidades, um caixão colocado a um canto, com um tampo, e sobre o qual um de nos devia ficar sentado devido à falta de espaço.

Na outra metade do vagão iam quatro guardas armados até os dentes.

Pouco antes da partida do trem ouvimos uma gritaria ao longo da composição, até que um sargento chegou à altura do nosso vagão.

- Tirem as botinas e joguem-nas para cá – gritou ele. Nós fingimos não tê-lo ouvido ou entendido.

O Homenzinho ficou rubro de cólera:

- Joguem as botinas, já disse, se não vou aí tirá-las à força.

Ninguém respondeu.

O sargento subiu no vagão e começou a dirigir-nos impropérios e ameaças apocalípticas. Então o Major Jones dirigiu-se a um capitão do nosso grupo que falava corretamente o alemão: “Diga a esse idiota que ele está se dirigindo a oficiais e que nenhum de nós tirará as botinas”; enquanto isso nos revidávamos as ‘gentilezas’ do bruto em várias línguas.

O recado foi transmitido na íntegra e o homem desceu furibundo voltando daí a pouco com um Capitão.

Este dirigiu-se delicadamente ao Major e disse-lhe: “Se os senhores me derem a palavra de honra de que não tentarão fugir, permitirei que conservem as botinas’.

O Major respondeu-lhe que não dávamos a palavra pedida, pelo contrário, garantiu-lhe que se se apresentasse à ocasião fugiríamos incontinenti e que não tiraríamos as botinas.

O Capitão sorriu e voltando-se para a guarda: ‘Se algum deles tentar fugir, atirem para matar’, e deu ordens de partida ao trem.

Efetivamente, à tarde [de 24 de dezembro, após quatro dias de viagem] o comboio seguiu e logo parou em Mossburg, onde descemos.

Fomos logo encaminhados a um imenso campo, que soubemos ser o Stalag 7-A.

III) Começa a vida de um prisioneiro no campo

Logo após o portão via-se uma espécie de arco de triunfo feito de madeira, no qual estavam esculpidas as figuras dos soldados das Nações Unidas, aprisionados e caminhando sob escolta por uma estrada onde havia uma placa com os dizeres ‘Nach Berlin’ (‘Para Berlim’) e em baixo em grandes caracteres: ‘Só assim é que chegarão a Berlim’.

Dirigimo-nos a um barracão amplo, onde ficamos amontoados no chão recoberto de palha e ai permanecemos durante seis dias, de quarentena.

Finalmente, no dia 31 de dezembro, somos enviados a um grande salão e obrigados a tirar toda a roupa, que foi revistada minuciosamente. A seguir passamos para uma sala de banhos, enquanto nossa roupa era esterilizada em vapor. Foi o primeiro banho que tomei desde 10 de dezembro e passariam mais de 40 dias antes de receber outro.

Depois do banho, em troca das carteiras de identidade recebemos uma placa numerada; a partir desse momento eu era o prisioneiro nº 143.040 da Stalag 7-A.

Foi-nos então dado papel para que enviássemos uma mensagem à família por intermédio da Cruz Vermelha Internacional, porém o Major Jones nos fez notar que o impresso dizia que a mensagem seria irradiada na hora de propaganda que a Alemanha emitia para todos os países inimigos e todos recusamos.

Atravessando cinco cercas de arame farpado, chegamos a um barracão situado bem no meio do campo, onde fomos apresentados ao Major Smith, encarregado dos prisioneiros, que designou as camas e o block.

O block era uma turma de 4 ou 5 prisioneiros que recebiam em bloco tudo que fosse distribuído tal como rações alimentares, pacotes da Cruz Vermelha, cobertores, cigarros, etc.

O regime de ‘abundância’ alimentar era idêntico ao de Mantova e não fora os pacotes da Cruz Vermelha, creio que poucos de nós teriam saído de lá com vida.

O meu block era composto de um Major, um Capitão-Médico e um tenente das tropas de De Gaule e eu.

O Capitão parece que não gostou muito de mim e queixou-se ao Major por me terem colocado no block; respondi-lhe logo, em francês, que eu é que iria solicitar a mudança para outro block.

Passada a surpresa, ele caiu em si e pediu mil desculpas pela grosseria, enquanto o Major ria a bandeiras despregadas.

Depois da refeição encheram-me de perguntas sobre o Brasil e foi então que comecei a notar o quanto o nosso país é ‘um grande desconhecido’. Surpreenderam-se ao saber que no Brasil o ensino da língua francesa é obrigatório nos ginásios, bem como com muitas outras coisas, das quais não tinham a mínima noção.

Para encurtar, tornamo-nos muito bons amigos, especialmente do Major, dono dum bom humor inalterável.

Começou então aquela vida monótona; alvorada às 7 horas, formatura às 7,30 água quente às 8, sopa às 11 e jantar às 5.

A sopa consistia numa concha de água quente onde nadavam algumas verduras e acidentalmente uma migalha de carne de cavalo. O único dia em que o ‘menu’ melhorava era às quintas-feiras quando recebíamos uma sopa de cevada com certa consistência.

O assim chamado jantar constava de 200 grs. de pão de batatas, 300 grs. de batatas em estado próprio para serem jogadas fora e um pedacinho de queijo ou salsicha.

Não fora os pacotes da Cruz Vermelha e muitos entre nós teriam morrido de pura inanição, pois o cálculo de calorias alimentares fornecidas diariamente pela comida alemã mal atingia a 600, segundo avaliação feita pelos nossos médicos.

O barracão onde fui alojado era dividido em duas partes pela cozinha, a qual era mantida só para o representante da ‘Potência protetora’ (A Suíça) ver que nós éramos bem tratados e dispúnhamos de tudo.

Em cada uma das metades alojava-se uma centena de homens.

A princípio, não sei por que razão, os alemães nos forneciam um pouco de carvão e lenha que eram utilizados na cozinha para aquecer a comida e fazer um pouco de chá assim como na estufa do alojamento. O frio era terrível, tendo chegado a 20o abaixo de zero, mas como a cozinha e a estuda funcionando em breves períodos ainda podíamos tolerar a temperatura mantendo-nos na campa a maior parte do tempo.



Placa de identificação de prisioneiro

Fila de rancho no campo


IV) Incidentes na rotina do campo de prisioneiros
Eis que um dia alguns prisioneiros conseguiram fugir. Foi um Deus nos acuda!

Os alemães fazendo uma tremenda exibição de força, armados de metralhadoras portáteis e acompanhados de matilhas de ‘dogues’ nos puseram para fora dos alojamentos e ficamos ao ar livre expostos à neve que caía em abundância, enquanto eles revistavam a barraca.

Depois disso começou a chamada que se prolongou durante uma hora. Conferência de números, soma, cochichos entre os encarregados da chamada.

Nova chamada, nova conferência e novos cochichos.

Afinal o Capitão alemão encarregado do serviço chamou o Major Smith e entabularam este curioso diálogo:

- Major, faltam três prisioneiros.

- Sim – respondeu o Major.

- Mas não podem faltar.

- Porém a verdade é que estão faltando – retruca o Major.

- Mas não é possível que faltem prisioneiros – insiste o Capitão.

- O Sr. não contou os prisioneiros que faltam? Não faltam três? Ai está o fato.

- Aviso-o que enquanto não esclarecermos o seu paradeiro, vocês não voltarão para a barraca.

- Capitão, não tenho a mínima idéia a respeito.

Depois de muitas confabulações entre os guardas, nós começamos a lançar-lhes impropérios e então nos permitiram que voltássemos aos alojamentos. A revista repetiu-se mais duas vezes durante o dia e uma vez pela madrugada, sempre com o mesmo aparato.

Nos dias que seguiram continuou a importunação, mas aos poucos foram se acalmando e tudo voltou ao normal.

(1) Krige – abreviatura de Kriegsgefangen (Em alemão – prisioneiro de guerra) usada pelos norte-americanos e ingleses.

V) Chegam mais prisioneiros

Em fins de janeiro soubemos que um forte contingente de aviadores deveria chegar a Moosburg e começou uma azáfama tremenda para preparar outros barracões destinados a alojá-los.

Eram perto de 4.000 oficiais da A.A.F., R.A.F., R.C.A.F. e alguns de infantaria que vinham do Stalag Luft-3 em Sagan no norte da Alemanha, evacuados diante do avanço russo naquele setor.

Chegaram cansadíssimos e muitos, doentes de tanto caminhar, pois o deslocamento fora efetuado a pé por umas centenas de quilômetros, tendo sido embarcados num ponto próximo de Moosburg.

A caminhada fora tão penosa que, segundo me contaram mais tarde alguns desses oficiais, os guardas que os escoltavam não agüentaram carregar suas armas tendo-as entregado aos próprios prisioneiros.

Vinham comandados pelo Coronel Goodrich, da A.A.F., um dos oficiais mais enérgicos que jamais encontrei.

A lufa-lufa era tremenda, pois os alojamentos tiveram que comportar 400 homens em lugar de 200 e todo o espaço disponível foi ocupado num abrir e fechar de olhos. Não havia outra solução; devido ao Stalag 7-A ter recebido muitos prisioneiros evacuados de outros setores, abrigava naquela ocasião mais de 100.000 prisioneiros de todas as categorias e nações. Tornou-se, creio eu, o campo mais importante da Alemanha naquela ocasião. [Na verdade, em 1 de janeiro de 1945, o campo contava com 76.248 prisioneiros, a maior parte deles franceses – c. 38.000, isso numa área de 350.000 m2].

Eu postara-me junto à entrada para apreciar o movimento e quando regressei ao meu catre, uma surpresa me aguardava. O meu colchão estava repleto de cigarros, meias e outras coisas utilíssimas que os recém-chegados haviam deixado. Mal podia crer n que via e tratei logo de procurar os doadores para agradecer-lhes a gentileza e fui travando conhecimento com um grupo de ótimos companheiros. Eram aviadores que haviam conhecido o Brasil na passagem, quando de suas viagens da parte dos nossos patrícios do norte, aproveitaram aquela ocasião para retribuí-las a um brasileiro.

Daí por diante o meu nome nas barracas passou a ser ‘Brasil’.

VI) A admirável organização americana

Dois dias depois o Coronel Goodrich assumiu o comando dos prisioneiros e começaram várias modificações na distribuição interna e na organização dos grupos.

Fiquei altamente surpreendido ao ter conhecimento do Estado-maior do Coronel Goodrich, que passou a controlar e proteger toda a nossa vida no campo. Logo os americanos que encontrara em Mantova e eu fomos à presença do Tenente-Coronel X, Chefe do Serviço de Segurança e ai começou a investigação de todos nós. Os meus companheiros tiveram que identificar-se por meio de outros oficiais que já estavam fora de qualquer suspeita; todos tinham companheiros que os identificaram. Quando percebi que o Coronel X ia passar a outro assunto, como eu não tivesse sido investigado, perguntei-lhe: ‘Coronel, e eu?’ – ‘Ora, Brasil, você já foi investigado. Além do mais os alemães não seriam tão ingênuos para colocaram um ‘phony’ que chamasse tanto a atenção.

Passou então a falar-nos sobre a organização sumária do Estado-Maior, que constava de vários serviços, tais como segurança, Informações, Fuga, Alimentação, e outros que não me ocorrem e sobre as precauções que devíamos tomar.

Era preciso tomar cuidado com o que disséssemos, pois os alemães costumavam introduzir ‘phonies’ (espiões disfarçados em prisioneiros) entre os ‘Kriges’ para saber o que se passava entre eles e essas ocasiões de mudança de campo eram aproveitadas, devido à confusão e à mistura de vários grupos primitivos.

Não devíamos fazer comentários sobre o boletim recebido diariamente da B.B.C. (só no dia da libertação é que vim a saber que eles tinham conseguido introduzir no campo, um aparelho completo de rádio que funcionou no forro da nossa barraca).

Qualquer que fosse o serviço que alguns companheiros estivessem fazendo, devíamos bancar os três macacos, isto é, não ver, não ouvir, não falar e muito menos fazer perguntas que aliás não seriam respondidas.

Falou-nos depois do Serviço de Fugas. Se alguém se candidatasse a uma ‘mudança de ares’ devia apresentar suas credenciais e um plano aos oficiais para isto destacados. Se o plano fosse considerado viável, o oficial que ia fugir receberia mapas da região a atravessar, dinheiro, alimentos e uma carteira de identidade falsificada com habilidade até nos mínimos detalhes, além de endereços em várias cidades da Alemanha e Áustria.

Os mapas eram copiados duma coleção que havia sido tomada por empréstimo no Gabinete do Comando Alemão em Sagan.

Estando tudo pronto movimentava-se o plano. Quebrava-se uma porta ou danificava-se a instalação elétrica e lá vinha uma turma de soldados encarregados do conserto. Entre eles já vinha um, escalado para substituir o oficial e este, terminado o trabalho saía com a turma. Uma vez nas barracas dos soldados, o sargento americano que fazia parte do Serviço de Fuga arranjava facilmente jeito de enviá-lo para trabalhar em Munique, Freising ou outro lugar qualquer, onde ele desaparecia.

[Nota: Varoli era 1º Tenente e, como todos os oficiais prisioneiros, era separado dos soldados, como uma forma de retirar a liderança da tropa. Pela convenção de Genebra os oficiais não são obrigados a trabalhar, de forma que eles não saíam do campo, como os soldados, empregados em trabalhos. Isto explica o porquê da necessidade de se disfarçar como soldado para iniciar a fuga].

Barracões do campo

Rua do campo
O serviço de informações funcionava perfeitamente. Todos os dias, às 11:30 horas, postávamos sentinelas em todas as entradas e janelas, enquanto os encarregados do boletim nos liam o comunicado diário da B.B.C. Esse comunicado era distribuído era aos encarregados pelo Chefe de Informação e registrado em código, um para cada encarregado, de modo que se os alemães apanhassem vários encarregados não podiam afirmar que aqueles documentos eram de natureza subversiva. Um dia, apesar da recomendação do Coronel X, pedi a um dos encarregados que me mostrasse o comunicado e ele satisfez a minha curiosidade; creio que o sânscrito ou o persa seriam mais inteligíveis que aquele amontoado de palavras sem nexo.

O Serviço de Cartografia por sua vez, havia feito um mapa da Alemanha de uns dois metros quadrados de papel, e desse modo acompanhávamos a marcha dos acontecimentos marcando as linhas das forças em combate. É lógico que essas linhas eram marcadas de acordo com o comunicado alemão fornecido quase que diariamente, porém durante meia hora por dia tínhamos o trabalho de ‘corrigi-las’ com os dados da B.B.C.

A princípio os alemães não se importaram com o mapa, porém depois de um certo tempo começaram a desconfiar de algo e numa daquelas arrancadas costumeiras nos desalojaram ‘manu militari’ e rasgaram o mapa. Três dias depois lá estava outro no lugar. Foi rasgado também. Passaram-se uns dias e apareceu outro ainda, mas desta vez pintado na própria parede. Os alemães desistiram.

Fora incluído no grupo americano e continuei na barraca do Comando.

Cedo verificamos que com a chegada dos prisioneiros do Luft-3 a atitude dos alemães para conosco piorou consideravelmente, apesar da energia do Coronel Goodrich, que diga-se de passagem, não tinha medo de coisa alguma.

Muitas vezes soubemos por vias travessas das entrevistas tempestuosas que ele mantinha como Kommandant do Campo, chegando mesmo a ameaça-lo de punição quando terminasse a guerra.

A apuração da existência dum desvio de pacotes da Cruz Vermelha por parte dos responsáveis do campo, provocou uma denúncia formal daqueles feita pelo Coronel Goodrich ao representante da “Potência protetora” e que deu em resultado a vinda apressada de três generais alemães para averiguações.

Correu então que a “Kommandatur” do campo estava envolvida numa extensa rede de câmbio negro dos produtos contidos nos pacotes da Cruz Vermelha e cuja origem a Gestapo até então não conseguira descobrir.

Ao mesmo tempo o Coronel Goodrich exigiu que fosse distribuído um pacote semanal cada prisioneiro e não meio como se fizera até então.

Como resposta, os alemães diminuíram ainda mais a ração que nos forneciam e, o que é pior, passaram a entregar os alimentos crus e da mais ínfima qualidade ao mesmo tempo que suspendiam todo e qualquer fornecimento de carvão ou lenha.

Evidentemente não podíamos ingerir a comida crua, de modo que passamos a fazer fogo utilizando-nos, de início, das tábuas dos catres, deixando nestes um número mínimo suficiente para que não caíssemos sobre o vizinho de baixo durante o sono.

Este material, como é bem de ver, durou pouco tempo.

Logo foram organizadas turmas para obter lenha donde fosse possível. Estudadas as barracas, verificamos que eram feitas a meio metro acima do solo e tinham um soalho duplo. Era mais que evidente que na situação atual um dos assoalhos era supérfluo e passamos a desmontar o inferior e distribuí-lo eqüitativamente.

O trabalho, penosíssimo, pois tínhamos que agir no porão gelado sem atrair a atenção dos guardas, era feito por escalas.

Essa ‘mina’ durou algum tempo, porém acabou.

Passaram então a ser feitos estudos no forro e telhado. Postas as sentinelas, subiram alguns oficiais, que na vida civil eram engenheiros construtores, a fim de calcularem –quantas vigas e barrotes podiam ser retirados sem provocar o desabamento do telhado e muitas vigas foram sendo utilizadas.

VII) Nosso Coronel Comandante

A vida, apesar das dificuldades alimentares e do frio reinante, tomou um apesto diferente em conseqüência das atividades dos americanos. Foram organizados cursos de línguas, mecânica, arqueologia, etc., e como vários companheiros estavam interessados em aprender português e espanhol, organizei várias turmas de alunos e assim nos entretínhamos utilmente: eles a aprenderem ou aperfeiçoarem o espanhol ou português e eu a praticar inglês.

Algum tempo depois o meu amigo Rodney chamou-se e pediu-me para acompanhá-lo até o portão onde havia alguém que desejava falar comigo e durante o trajeto deu-me a grata notícia de que lá estava um aviador da F.A.B. Corri para lá e deparei com o Tenente Josino de Maia Assis [1º Tenente Aviador abatido em 21/1/45] que havia sido derrubado em combate.

Abraçamo-nos e pusemo-nos a conversar durante uma hora, mais ou menos, matando a saudade que sentíamos do nosso linguajar. Finalmente, Josino teve que ir para a sua barraca que ficava a algumas dezenas de metros mais adiante e nos despedimos, contanto encontrar-nos em breve. Josino dissera-me que junto com ele estava o Tenente....... [1º Tenente Aviador Othon Corrêa Netto, derrubado em 26/3/45], também abatido na Itália. Travei conhecimento com esse companheiro poucos dias mais tarde, através das grades de arame.
Cartun satirizando tentativa de fuga


Capa de coleção de cartuns do campo

VIII) A libertação

Com a aproximação da Primavera, os exércitos aliados foram chegando cada vez mais perto de Moosburg e em princípios de abril soubemos que Hitler havia dado ordens para remover todos os oficiais do Stalag 7-A de Berchtesgaden, onde serviríamos de reféns na última batalha a ser travada.

O Comando Americano organizou-nos então em Companhias, e Batalhões para resistirmos a qualquer eventualidade. Poucos dias mais e o Comando Aliado irradiava uma advertência ao Comando Alemão proibindo todo e qualquer deslocamento de prisioneiros de guerra sob pena de terríveis represálias.

Correu logo a voz de que Hitler furioso com isso, ordenara ao S.S. que fizesse uma limpeza no nosso campo, tendo o Marechal Goering se oposto a isso, enviando apressadamente um contingente da luftwaffe para garantir nossas vidas.

O fato é que em meados de abril as tropas da Reichwehr foram substituídas pelas da Luftwaffe.

A manhã do dia 29 [de abril de 1945] raiava prometendo um dia lindo. Às nove horas, mais ou menos, um ratatá corta os ares seguido de alguns tiros esparsos de fuzil. Foi um corre-corre generalizado.

Algumas balas passavam assobiando pelo campo.

À uma hora da tarde um prisioneiro grita:

- Olhem lá na torre da igreja! A bandeira americana! – e saiu correndo como um doido.

Foi um delírio! Todos queriam subir nas barracas para vê-la mais de perto; muitos abraçavam-se chorando, gritando, pulando. Enfim, um verdadeiro pandemônio.”

Fonte deste artigo: Depoimento de oficiais de reserva sobre a FEB

13 comentários:

  1. Estupendo !!!
    Esta é a palavra exata para o relato que acabo de ler.
    Nunca em minha vida, com 33 anos e meio de bons serviços prestados ao nosso Exército Brasileiro, tive acesso a uma descrição deste gabarito.
    Parabéns e continue com este trabalho magnífico.

    ResponderExcluir
  2. Esse depoimento, só mostra que os nossos soldados não eram aqueles lerdos, que tantos historiadores relatam em suas crônicas.

    ResponderExcluir
  3. Magnífico!!! Reforçando o que o blepu disse, sairia deste depoimento um belo filme...

    ResponderExcluir
  4. Estes são os melhores relatos que já vi sobre a segunda guerra, continue assim.

    ResponderExcluir
  5. este belo texo deveria ser reproduzido num filme

    ResponderExcluir
  6. Fantástico ! Nunca tinha lido um relato tão detalhado envolvendo a 2ª Guerra Mundial ! E esse foi só o 1º artigo que li aqui, já adicionei o site aos meus favoritos pra poder ler vários outros artigos, pelo visto tem muita coisa interessante. Isso é um patrimônio histórico !
    Parabéns pelo trabalho !

    ResponderExcluir
  7. o heroi emilio passou por maus bocados..porem, sorte dele que a s.s. nao estava nesse campo. pelo seu relato, o contingente militar alemao atuante nesse campo ate que eram razoaveis eu até ousaria dizer complacentes em vista de outros relatos de tratamento dado a prisioneiros.

    ResponderExcluir
  8. tanta luta tanta coragem da FEB e FAB e marinha do Brasil, pra hoje entregarmos o pais a um bando de esquerda comunista que estão sucateando nossas tropas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engraçado que quando esteve com a direita, houve uma DITADURA MILITAR!!!!

      Sucateando a tropas que manteram um ditadura opressiva sobre a população no Brasil durante anos?QUE BOM!!!

      Excluir
    2. A revolução militar de 31 de março de 1964 nos salvou de um cubanização brasileira, coisa que esses escroques esquerdopatas querem implantar hoje em 2014. Diga não ao comunismo!!!!!

      Excluir
    3. Vê-se que sua mentalidade tacanha continua a mesma, sr. Moratori. Se gosta tanto dos esquerdistas, vá morar na China, em Cuba ou em Brasília no gabinete da ex-terrorista. Ditadura opressiva foi a de Stalin, foi na China sob Mao Tsé Tung, foi sob o regime de Castro. No Brasil só se incomodaram com o regime os desocupados, os intelectualóides marxistas. Gente de bem nunca se incomodou com isso. Aliás, se o sr. estudar um pouco mais material que não seja tendencioso e marxista, vai ver que a revolução de 64 teve o apoio de grande parte da opinião pública.

      Rodrigo

      Excluir
    4. Vamos lá então Rodrigo, só para mostrar a sua ingenuidade no assunto ditadura Militar. Sua frase:

      "No Brasil só se incomodaram com o regime os desocupados, os intelectualóides marxistas..."

      Nem os próprios militares se davam bem entre si. Dica de leitura:

      "A política nos quartéis: Revoltas e protestos de oficiais na ditadura militar brasileira - Maud Chirio

      http://books.google.com.br/books?id=qLBAtUEde0QC&printsec=frontcover&dq=A+pol%C3%ADtica+nos+quart%C3%A9is:+Revoltas+e+protestos+de+oficiais+na+ditadura+militar+brasileira&hl=pt-BR&sa=X&ei=jvbmUubFEIjKkAfY94CICA&ved=0CCwQ6AEwAA

      Acho que você precisa ler mais um pouco, posso citar uma dezena de livros aqui sobre os pontos negativos da Ditadura Brasileira.

      Apoio da opinião publica seria a Globo?Até a "grandiosa e intocável Rede Globo" se "retratou" ano passado, depois das manifestações populares:
      http://oglobo.globo.com/pais/apoio-editorial-ao-golpe-de-64-foi-um-erro-9771604

      Rsrsrsrs...

      Excluir

Favor, sem ofensas, comentários ideológicos, racistas, antissemitas e semelhantes.

Se não concordar, discordar ou mesmo ter a acrescentar com o escrito no post, o dialogo é a melhor opção.

OBS: Não tenho muito tempo para responder todos comentários, então se seu comentário demorar a ser moderado, não venha reclamar comigo, pois tenho outras atividades alem desse blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...