sábado, 25 de julho de 2009

A misericórdia de Saburo Sakai sobre a selva de Java.



Saburo Sakai, um piloto de caça que serviu do Serviço de Aviação da Marinha Naval Japonesa de 1934 a 1945, foi o ás com mais vitórias no Pacifico durante a Segunda Guerra Mundial, com um registro de 64 aeronaves destruídas, entre Chinesas e de outros aliados. Lutou a maior parte da guerra no pacifico com o caça A6M2 "Zero", segundo a opinião de alguns a máquina de combate aéreo mais ágil ha ver ação em qualquer lado do conflito.
Esta pequena historia encantadora da carreira de Sakai surgiu na imprensa japonesa vários anos atrás. Eu tentei localizar de novo alguns dos artigos relacionados a isto desde então, mas não tive nenhuma sorte. Porém, eu me lembro da maioria dos detalhes, assim eu tentarei relatar o melhor quanto que minha memória permitir:
Vários anos atrás, uma enfermeira de exército holandês -- agora uma mulher aposentada na faixa de 70 anos -- contatou a Cruz Vermelha japonesa (ou alguma organização caridosa semelhante), tentando localizar um piloto de caça japonês que poupou a vida dela em algum lugar em cima de Java (Nova Guiné?) em um dia em 1942. De acordo com o relato dela do evento, ela estava voando em um avião-ambulância DC-3 (C-47) do exército holandês a baixa altitude em cima de selva densa. A bordo estavam soldados feridos e várias crianças que estavam sendo evacuadas de uma área de combate. De repente, um caça "Zero" japonês apareceu ao lado do avião. A enfermeira pode ver as características faciais do piloto japonês claramente. Ela e algumas das crianças (!) se levantaram na cabine minúscula e pelas janelas de cabina do piloto dos DC-3 e começaram a acenar freneticamente para que ele se afastasse. Não é difícil imaginar o pânico que eles devem ter experimentado enquanto gesticulavam como se as vidas deles dependessem disto (e dependiam!).





Depois de alguns momentos eternos do que deve ter sido um terror completo para os passageiros que desesperadamente gesticulavam, o "Zero" um rápido sinal com a asa, antes de se afastar e desaparecer do campo de visão. A cabina do piloto e o cubículo do DC-3 estavam cheios de alegria e suspiros de alívio.

Durante cinqüenta anos, a enfermeira holandesa tinha vontade de encontrar o piloto japonês que poupou a vida dela, como também as vidas dos soldados feridos e crianças, naquele dia. Com um golpe de sorte, a Cruz Vermelha japonesa pôde localizar o piloto do Zero, e era não menos que Saburo Sakai que estava voando uma espécie de patrulha de combate no dia em questão. Quando perguntou se ele se lembrava do incidente, Sakai respondeu que sim, e que ele tinha pensado em derrubar o avião por um breve momento, como alto comando tinha instruído o caça de patrulha para derrubar qualquer e toda a aeronave inimiga que encontrasse, estando ela armada ou não. Quando ele viu as mãos ondulantes e faces cheias de horror nas janelas dos DC-3, porém, ele foi movido a clemência e pensa que qualquer um escolheu viver aquele inferno mereceu sobreviver. Aparentemente, ele não experimentou sentimentos tenros semelhantemente para muitos aviadores militares aliados que passaram pela mira de suas armas nos três anos subseqüentes de combate aéreo, mas naquele dia em cima das selvas de Java, ele mostrou clemência. É uma história de um tipo que é tristemente raro nos anais da história militar japonesa na Segunda Guerra Mundial, mas uma que, todavia, mostra que até mesmo os mais ferozes dos guerreiros podem ser capazes de compaixão humana.


A6M2 "Zero"

Logo apos a guerra, não só intimidado com a perda de vidas que os seus compatriotas tinham sofrido, mas buscando compensação para a perda de vidas que ele tinha provocado através de sua mira e seu gatilho, Sakai se tornou assistente budista secular, uma devoção que ele continua até hoje. De acordo com Sakai, ele não matou qualquer criatura, "nem mesmo um mosquito", desde a última vez que ele pisou da cabine de seu A6M5 "Zero", em um dia quente de agosto em 1945.

Escrito por: Bucky Sheftall

5 comentários:

  1. Saburo Sakai foi um piloto extraordinário. As pessoas que nascem com dons especiais como o Adolf Galland, outro Ás da segunda guerra mundial, tendem a ser diferenciados no trato com os semelhantes, mesmo os momentaneamente inimigos.

    ResponderExcluir
  2. Todo ser humano é capaz de cometer atos de bondade e também de maldade,atrocidades,de acordo com as oportunidades e circunstâncias do momento.Na guerra,todo governo procura demonizar o outro lado e esconder erros/atrocidades praticados por seu lado e valorizar supostos ou reais valores de sua gente.A primeira vítima da propaganda é sempre a verdade.Ninguém se lembra que até algumas décadas atrás,o Ocidente(EUA e Europa) não admitiam igualdade de raças.Todos os países africanos e quase todos os da Ásia eram colônias ou protetorados de países como Grã-Bretanha,França,Holanda,etc e e seus naturais tratados como inferiores...

    ResponderExcluir
  3. As pessoas tem facilidade em esquecer aquilo que lhes é conveniente esquecer.
    Escravidão, guerra e outras barbaridades servem apenas para ceifar vidas ou pior, destruí-las.
    Lembrem-se do Mandamento "NÃO MATARÁS"

    ResponderExcluir
  4. se o submarino tivesse afundado o cruzador indianapolis antes da entrega da bomba nucler a historia talvez tivesse sido diferente eua único pais capaz de usar arma de destruição em massa qdo pela convenção de genebra era proibido armas químicas, nem o Hitler usou.

    ResponderExcluir
  5. Ricardo j Gaertner10 de maio de 2017 18:38

    Hitler não usou armas químicas?E as câmaras de gás,contra os judeus!

    ResponderExcluir

Favor, sem ofensas, comentários ideológicos, racistas, antissemitas e semelhantes.

Se não concordar, discordar ou mesmo ter a acrescentar com o escrito no post, o dialogo é a melhor opção.

OBS: Não tenho muito tempo para responder todos comentários, então se seu comentário demorar a ser moderado, não venha reclamar comigo, pois tenho outras atividades alem desse blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...