sábado, 9 de outubro de 2010

Churchill deliberadamente deixou milhões de indianos morrerem de fome

Winston Churchill, exibindo o V de vitória.
O Primeiro-Ministro britânico Winston Churchill deliberadamente deixou milhões de indianos morrerem de fome, diz a autora de um novo livro, motivado parcialmente por seu ódio racial.

Cerca de três milhões de pessoas morreram na Grande Fome de Bengala em 1943 após o Japão capturar a vizinha Birmânia – grande fonte de importação de arroz – e as autoridades britânicas guardarem toda a comida para soldados e operários de guerra.

A compra em pânico de arroz levou a uma alta vertiginosa dos preços, e os canais de distribuição foram desativados quando as autoridades confiscaram ou destruíram a maioria dos barcos e carros de Bengala para evitar que caíssem em mãos japonesas, caso fossem invadidos.

O arroz repentinamente tornou-se escasso no mercado e, enquanto a fome se espalhava pelas aldeias, Churchill repetidamente recusava súplicas por carregamentos emergenciais de alimentos.

Massas de famintos migraram para Kolkata, onde testemunhas descreveram homens lutando por restos e mães esqueléticas morrendo nas ruas enquanto os britânicos e indianos de classe média comiam fartas refeições em seus clubes e em casa.

Essa epidemia de fome é dos capítulos mais negros do Raj Britânico, mas agora a autora Madhusree Mukerjee disse ter descoberto evidências de que Churchill foi diretamente responsável pelo extremo sofrimento.

Seu livro, “Churchill’s Secret War”, mostra documentos nunca antes vistos que dizem que nenhum navio podia ser poupado da guerra. Análise de encontros do gabinete de guerra mostra que navios carregados de grãos da Austrália passavam pela Índia em seu caminho para o Mediterrâneo, onde grandes reservas foram construídas.

Análise das reuniões de gabinete da Segunda Guerra Mundial, os registros esquecidos do ministério e arquivos pessoais mostram que os navios cheio de grão da Austrália estava passando na Índia em seu caminho para a região do Mediterrâneo, onde enormes reservas foram se acumulando.



“Não era uma questão se Churchill sabia ou não: pedidos de suprimentos para Bengala foram feitos repetidamente e ele e seus associados mais próximos recusaram todos os esforços”, disse Mukerjee.




“Os Estados Unidos e a Austrália ofereceram-se para prestar ajuda mas não puderam, porque o gabinete de guerra não queria liberar os navios. E quando os americanos ofereceram-se para enviar comida em seus próprios navios, a oferta não foi seguida pelos britânicos”.


O registro de Churchill como um líder na guerra contra a Alemanha nazista já garantiu seu lugar na história, mas a sua atitude para com os indianos atrai menos admiração.



"Ele disse coisas horríveis sobre os índianos. Ele disse à sua secretária, que desejou que eles poderiam ser bombardeados", disse Mukerjee. "Ele ficou furioso com os indianos porque ele podia ver que a América não iria deixar o governo britânico na Índia continuar".


Churchill ridicularizou líder da independência indiana Mahatma Gandhi como um advogado que se levanta como um homem santo"semi-nu", respondendo a oficiais britânicos na Índia que pediram abastecimento de alimentos e perguntou a eles por que Gandhi ainda não havia morrido.



"Eu odeio os índianos. Eles são um povo bestial com uma religião bestial", disse Leo Amery, o secretário de Estado para a Índia. Outra vez, acusou os indianos de efetivamente causar a fome, "reproduzindo como coelhos."


Amery uma vez perdeu a paciência depois de um discurso do primeiro-ministro, com Churchill dizendo que ele não poderia "ver muita diferença entre a sua perspectiva e de Hitler."

Amery escreveu em seu diário: "Eu estou de maneira nenhuma certeza se sobre este assunto da Índia, ele é realmente muito saudável."

Mukerjee acredita que as opiniões de Churchill sobre a Índia, onde serviu como jovem oficial do Exército, veio de sua formação vitoriana. Como seu pai, ele via a Índia como a jóia fundamental para a coroa do império britânico.



“O ódio racista de Winston vinha de seu amor pelo Império, da mesma maneira que um marido ama sua esposa-troféu: ele prefere destruí-la do que perdê-la”, disse a autora.


O livro de Mukerjee foi saudado como uma conquista revolucionária que desenterra novas informações, apesar das centenas de volumes já escritos sobre a vida de Churchill.

Eminente historiador britânico Max Hastings o descreveu como "significativa - e para os leitores britânicos -. angustiante".

O autor Ramachandra Guha disse que "pela primeira vez, a prova definitiva de como um grande homem preconceituoso contribuiu para uma das fomes mais mortais da história moderna".

Mukerjee atributos revelações do livro para a sua formação como físico.



"As pessoas suspeitavam que algo como isto aconteceu, mas ninguém realmente atravessou a prova propriamente para descobrir o que os navios estavam fazendo no momento, provando que o grão pode ter sido levado para a Índia", disse ela.




"Eu não tive a intenção do destino Churchill. Parti para entender a fome e eu lentamente descobriu sua parte nela."


"A fome, você poderia argumentar, foi em parte um ato deliberado. A Índia foi forçada a exportação de grãos nos primeiros anos de guerra e em 1943 foi a exportação do arroz, por insistência pessoal de Churchill. Os britânicos exploraram impiedosamente a Índia, durante a guerra e não pararam mesmo quando a fome começou. "

Mukerjee, uma bengali de 49 anos que agora vive em Frankfurt com o marido alemão, acredita que a fome de Bengala também foi escovada do ar nos livros de história indiana.

"Eu nunca aprendi sobre ele na escola e meus pais nunca mencionaram isso", disse ela."Não há culpa da classe média que eram empregados em profissões que significava que eles receberiam rações. Mas os moradores foram considerados dispensáveis."

Sete anos de trabalho sobre o livro, e de ouvir contos extenuante de sobreviventes da fome que rastreou em vilas remotas, deixaram Mukerjee com parecer duros de Churchill.

"Ele é freqüentemente criticado por bombardear cidades alemãs, mas nunca antes foi responsabilizado pelas mortes de tantas pessoas como a fome de Bengala. Foi a maior mancha na sua carreira."

"Acho muito difícil ter a mente aberta sobre ele agora", disse ela. "Afinal, ele teria pensado que eu não valho a comida que eu como."

Fonte: http://www.rawstory.com/rs/2010/09/book-claims-churchill-deliberately-millions-indians-starve-death/

2 comentários:

  1. Dos 3 aliados, E.U e U.R.S.S. eram potencias novas e que fizeram esta guerra por lutarem pelos ideais modernos, já o Imperio Britanico era o velho modelo, com sua ideologia e supremacia em decadencia e tinham o facismo que colocava-os em posição de ter que provarem do seu proprio remédio. Estando Churchill nas terras do grande pacificador Gandhi, não compreendeu ensinamentos que mostram que jamais deve-se combater assassinos com assassinatos e que a paz poderia demorar nas mãos dos ingleses que corresponderam as agressões do Eixo com a mais severa vingança à moda antiga, como os reinos europeus do passado, tendo estes britânicos, os últimos exemplares. Já o pobre facismo, que corrento contra o tempo tramaram repetir o velho modelo de 500 anos de miseria e escravidão humana, em apenas 5, e quase-o fez, mas graças a posição de sobrevivencia da Inglaterra que deixou seu orgulho de lado e evitando que a rainha provasse deste remedio amargo e deixando que russos, americanos outros também conduzissem a guerra.

    ResponderExcluir
  2. Se as pessoas não fossem preconceituosas não haveria guerras,fome...

    ResponderExcluir

Favor, sem ofensas, comentários ideológicos, racistas, antissemitas e semelhantes.

Se não concordar, discordar ou mesmo ter a acrescentar com o escrito no post, o dialogo é a melhor opção.

OBS: Não tenho muito tempo para responder todos comentários, então se seu comentário demorar a ser moderado, não venha reclamar comigo, pois tenho outras atividades alem desse blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...