sexta-feira, 7 de maio de 2010

Nordpol: o maior blefe da guerra secreta

Introdução:
Abwehr, nome do serviço de informação do exército alemão, ativo de 1925 a 1944. O líder da Abwehr chamava-se Wilheim Canaris e ocupava o posto de almirante. Reportava diretamente ao OKW (Oberkommando der Wehrmacht), alto comando das forças armadas alemãs. O termo Abwehr significa defesa.

Serviço secreto de rádio na OKW(Amt Ausland/Abwehr)

H. J. Giskes

Como o serviço secreto do Exército Alemão lubridiou os aliados através de suas redes de contatos subterrâneos na Holanda :

Em dezembro de 1943, os Aliados tinham uma esmerada rede de espionagem e uma organização subterrânea de cerca de 1.500 sabotadores que agiam na Holanda ocupada pelos alemães ou assim acreditavam eles. Na realidade, os rádios "subterrâneos" que respondiam aos chamados de Londres estavam nas mãos de operadores alemães há quase dois anos. Os homens e a enorme quantidade de armas e explosivos que o Serviço Secreto anglo-holandês lançara de pára-quedas na Holanda, em quase 200 operações, foram todos esperados, ao chegar, por comissões de recepção alemãs. Cinqüenta e quatro agentes secretos treinados em Londres estavam na prisão, enquanto os contra-espiões alemães inventavam histórias fabulosas sobre as atividades deles e as transmitiam para a Inglaterra. Foi uma das mais gigantescas mistificações perpetradas contra os Aliados em toda a "guerra secreta".

Na qualidade de major do Abwehr (serviço secreto do Exército Alemão), recebi ordem de apresentar-me em Haia, no outono de 1941, para assumir o comando da contra-espionagem militar nos Países Baixos. Tinham corrido boatos de comunicações radiofônicas clandestinas com Londres. Nossa função era descobrir os agentes inimigos e invalidar seus planos de levarem a guerra à retaguarda das linhas alemãs.

Nosso primeiro golpe de sorte ocorreu em fins de novembro. Um de nossos agentes secretos, que conseguira introduzir-se na resistência holandesa, informou que estava sendo organizada em Haia, por dois agentes britânicos, uma nova rede de espionagem. Tal informação foi confirmada em janeiro de 1942, quando o Tenente Heinrichs, do nosso serviço de escuta, ouviu um novo transmissor, com prefixo RLS, operando em Haia.

Começamos a controlar a RLS, anotando todos os detalhes da técnica de transmissão. Nosso objetivo não era eliminar a estação, e sim utilizá-la, isto é, operá-la nós mesmos, fingindo-nos de agentes aliados. Isso nos faria conhecer por dentro as operações do serviço secreto inimigo.

Em 6 de março, o nosso radiogoniômetro indicou a situação exata da RLS e na mesma noite nós prendemos o seu operador - um inglês, H. M. G. Lauwers. Dentro de algumas horas havíamos prendido todos os colaboradores do grupo de espionagem, de maneira a não deixar elementos que pusessem em perigo a nossa mistificação.

Com os códigos apreendidos no momento da prisão e outras informações fornecidas pelo nosso agente no grupo de espionagem, não tardamos a desvendar o código secreto de Lauwers. Mas Lauwers recusou-se a transmitir as nossas mensagens falsas para Londres, e nós relutávamos em fazê-lo nós mesmos - por enquanto.

No terceiro domingo de março, procurei Lauwers e disse-lhe que só ele poderia facilitar o meu plano de salvá-lo e ao agente Thijs, seu colega, de condenação à morte por um tribunal militar alemão. Disse-lhe que teria apenas de transmitir as três mensagens que não pudera mandar no dia da sua prisão.

Lauwers mostrou-se interessado, mas conservou-se em silêncio. Modifiquei minha maneira de tratá-lo.

- Como soldado, respeito sua coragem e seu senso de dever - disse eu - mas deploro a missão que Londres lhe confiou, pois importa em armar civis para que nos alvejem pelas costas. Todo exército de ocupação é obrigado a sufocar tramas dessa espécie com a captura de reféns. Usarei, portanto, de todos os meios ao meu alcance para impedir o fornecimento de armas a fanáticos desse país, pois o uso delas só poderá resultar num banho de sangue para a população holandesa.

Vesti o sobretudo.

- Está na hora de se preparar a transmissão de hoje - disse eu - você vem?

Ele me olhou dentro dos olhos e respondeu:

- Vou.

Lauwers irradiou as três mensagens e depois recebeu vários despachos referentes a irradiações anteriores da RLS. Heinrichs, naturalmente, tinha um de seus agentes ouvindo a transmissão na chave de um aparelho de interferência, para o caso de Lauwers nos trair. Nada de suspeito ocorreu (1).

E assim começou o que denominamos "Operação Nordpol" (Pólo Norte).

Por quanto tempo seria possível manter essa comunicação radiofônica com Londres? Se houvesse no código sinais que desconhecíamos para confirmar a autenticidade do operador, a mistificação poderia muito bem ser descoberta na transmissão seguinte.

Na segunda vez que estivemos no ar, Londres fez um apelo urgente: preparação de uma zona onde pudesse ser lançada grande quantidade de material de sabotagem e um novo agente. A notícia perturbou Lauwers consideravelmente. Disse que não operaria mais a RLS, que não podia tornar-se responsável pela queda de camaradas seus em nossas mãos.

- Esse homem cairá nas nossas mãos, quer você coopere, quer não - disse-lhe eu. - Se você continuar as transmissões para nós, espero obter das autoridades superiores que não sejam condenados à morte os agentes que capturarmos (2).

Lauwers voltou para o transmissor.

O aviso do desembarque foi recebido em 27 de março, e às 11 horas da mesma noite uma pequena caravana de automóveis, com as luzes amortecidas, parou numa pequena mata perto do local onde deveriam cair os pára-quedistas e onde havia três homens com poderosas lanternas de luz vermelha dispostos num grande triângulo. Esperamos duas horas. Teriam os britânicos descoberto o nosso estratagema? Estariam a caminho do nosso triângulo iluminado com uma carga de bombas, para pulverizar-nos no pântano com TNT?

Finalmente ouvimos um ruído de motores e um avião passou por cima de nós a uns 200 metros de altura no máximo. De repente, bem sobre nós, apareceram, na esteira do avião, vários pontos escuros. Quatro pesados volumes, sustidos por pára-quedas, tocaram o solo com baques surdos. Um quinto pára-quedas trazia o agente. O bombardeiro ganhou altura, suas luzes piscaram numa saudação, e ele desapareceu.

Eu e Heinrichs apertamos as mãos em silenciosa congratulação.

Imediatamente após esta operação, radiografamos para Londres informando que o agente lançado de pára-quedas estava bem e em boas mãos. Seguiu-se um calmo intervalo de várias semanas. Isso nos pareceu de mau agouro, pois tínhamos provas de que o serviço secreto anglo-holandês estava realizando operações na Holanda sem o nosso auxílio. Entre outras coisas, ouviu-se um novo transmissor na área de Utrecht e em abril foi encontrado o corpo de um pára-quedista, perto de Holten, com o crânio fraturado; ao aterrar tinha batido com a cabeça numa pedra. Comecei a preocupar-me com nossas transmissões pela RLS. Teria Londres desconfiado?

A verdade é que nossa primeira vitória não poderia ter sido mantida por muito tempo se não fosse o que aconteceu depois: por mero acaso, caíram em nossas mãos todos os canais usados por Londres para controlar o serviço secreto anglo-holandês!

Sem o nosso conhecimento, seis agentes haviam descido aos pares, cada par com um aparelho de rádio. Viemos a saber depois que, nas aterragens, morrera um operador de rádio, de nome Maartens (era seu o corpo encontrado junto à pedra) e que só um aparelho chegara intacto. À vista disso, os agentes se entrosaram, transmitindo seus comunicados por esse único aparelho, que funcionava e respondia pela cifra de Trumpet. Quando Londres deu ordem para que a RLS entrasse em contato com um dos agentes da Trumpet, ficamos conhecendo toda a rede.

A Trumpet caiu em nosso poder completa, com seu plano de, sinalização e seus códigos. Utilizamo-la para iniciar uma segunda linha de comunicação Nordpol com Londres e sugerimos para esse grupo um novo local para o lançamento de pára-quedas. Aceitamos a primeira aterragem nesse ponto cerca de 15 dias depois.

Agente utilizando um aparelho de rádio
Enquanto isso, o plano de sinalização de Maartens, o operador morto, fora encontrado em poder de seu companheiro, Andringa. Anunciamos para Londres, via Trumpet, que Andringa descobrira na resistência um operador de confiança que podia servir-se da sinalização de Maartens com o aparelho deste já consertado. Londres mandou que o novo recruta fizesse uma transmissão de experiência para comprovar sua capacidade. O operador alemão que se submeteu à prova foi rapidamente aceito, e assim estabelecemos uma terceira linha de comunicação com Londres.

Em meados de maio. Heinrichs declarou suspeitar que Lauwers havia transmitido letras adicionais no fim de sua última mensagem. Esperamos ansiosamente para ver se Londres desconfiara de alguma coisa. Parecia que não. Entretanto pusemos termo às transmissões de Lauwers, propondo operadores de "reserva". Com espanto nosso, eles foram aprovados.

À medida que novos agentes iam sendo presos à chegada, nossos homens iam apanhando os transmissores e operando-os. Com isso corríamos o risco de que as características de transmissão de algum agente houvessem sido gravadas em Londres antes da partida. Se assim foi, eles nunca fizeram uma verificação cuidadosa. Em várias ocasiões, durante a Operação Nordpol, chegamos a ter 14 canais de comunicação radiotelegráfica com Londres e isso apenas com seis operadores alemães!

De junho em diante, a operação desenvolveu-se de maneira inacreditável. Os lançamentos de pára-quedas se sucediam quase ininterruptamente. A decisão tomada em Londres de mandar todos os futuros agentes e materiais por intermédio das articulações existentes foi o grande erro do nosso inimigo. Um só grupo de controle lançado às cegas, sem o nosso conhecimento, poderia ter desarticulado a Operação Nordpol.


H. J. Giskes

Em julho, Londres confiou ao grupo da RLS uma tarefa especialmente importante: um reconhecimento para ver se era possível fazer explodirem as torres do transmissor de Kootwijk, pelo qual o Almirantado Alemão se comunicava com os submarinos no Atlântico. O agente Thijs deveria comandar a turma encarregada da demolição. Mandei uma patrulha de reconhecimento e depois radiografei as conclusões exatas a que chegara: a demolição das torres não apresentaria grandes dificuldades; Thijs e seu grupo estavam de prontidão, à espera de ordens para levar a cabo a operação. Quando chegou a ordem, eu já tinha inventado motivos para o "insucesso". Dois dias depois a RLS transmitiu para Londres a seguinte mensagem: "Tentativa contra Kootwijk mal sucedida. Nossos homens encontraram campo de minas. Cinco homens desaparecidos. Thijs e os outros salvos, inclusive dois feridos". No dia seguinte: "Dois dos cinco desaparecidos voltaram. Três outros mortos em combate. Inimigo reforçou guarda de Kootwijk e outras estações".

Londres respondeu: "Lamentamos muito suas perdas. Sistema de defesa novo e imprevisível. Necessária a maior vigilância possível. Comunique qualquer anormalidade". Mandei noticiar o caso na imprensa holandesa. A notícia dizia que elementos criminosos haviam tentado fazer explodir uma estação de rádio. O material de sabotagem apreendido sugeria auxílio do inimigo. Eu esperava que meus adversários em Londres tivessem conhecimento dessa notícia por intermédio dos países neutros. Quinze dias depois, Londres mandava à RLS uma mensagem de congratulações pela tentativa de sabotar Kootwijk. Thijs deveria receber uma condecoração britânica como dirigente da operação.

A fase decisiva da Nordpol, de junho de 1942 até a primavera de 1943, foi a sua participação na Operação Marrow, de iniciativa anglo-holandesa. O chefe da operação Marrow era um agente chamado Jambroes, cuja missão - conforme soubemos quando os representantes da resistência lhe deram as boas-vindas antes de o prendermos - era estabelecer contato com os líderes da organização holandesa Ordedienst e fazer com que esta formasse 16 grupos de sabotagem e resistência com cem homens cada um.
Desenhos de radares alemães feito por agentes.

Não sabíamos quem eram os líderes da Ordedienst, de modo que comunicamos a Londres que havia desmoralização nas altas camadas da organização e que se haviam infiltrado espiões alemães entre os seus dirigentes. Sugerimos que Jambroes entrasse em contato com líderes de organizações de maior confiança.

A formação fictícia da organização Marrow começou em agosto de 1942. Os 16 grupos tiveram um desenvolvimento aparentemente tão grande que, em novembro, Londres havia mandado por nosso intermédio 17 agentes, cinco dos quais eram operadores de rádio, com seus próprios aparelhos e freqüência. Quando radiografamos que havia cerca de 1.500 homens recebendo instrução, lembramo-nos de que toda aquela gente precisaria com urgência de coisas tais como roupas, calçados, fumo, chá. E pedimos abastecimentos, recebendo certa noite uma remessa de cinco toneladas!


(1) Depois da guerra, Lauwers declarou que recebera instruções de Londres para cometer propositadamente um erro na 16ª letra de cada mensagem; a falta dessa "prova de identidade" indicaria que ele tinha caído nas mãos do inimigo. Conseguiu esconder de seus captores esse estratagema, inserindo, assim, uma advertência clara em todas as mensagens que irradiava para os alemães. Mas, por incrível que pareça, Londres não percebeu esses avisos.

(2) Nota do autor: Apesar disso, dos 54 agentes anglo-holandeses da Nordpol, 47 não sobreviveram à guerra. Investigações dos holandeses apuraram que eles foram fuzilados em 1944, no campo de Mauthausen. Sua eliminação foi um dos muitos crimes característicos dos processos de Himmler, que não podem ser justificados por quaisquer necessidades da guerra. A memória dessas vítimas de um infame abuso de confiança, que só posso recordar com vergonha e amargura, foi o que guiou a minha pena ao escrever esta narrativa.


O major da Abwehr, H. J. Giskes, narra as ações da contra-espionagem alemã e como se deu o fim da Operação Nordpol :

De janeiro a abril de 1943, outros 17 agentes caíram em nosso poder, compreendendo sete operadores com canais independentes de comunicação radiotelegráfica. Agora defrontava-me com o problema de dar informações a Londres sobre as atividades de quase 50 agentes. Não poderíamos manter a situação por muito tempo. Nossos seis radio-operadores não podiam dar conta do recado. Assim, obtivemos autorização de Londres, "por motivos de segurança", para encerrar as atividades de alguns dos transmissores Marrow.

Por um triz não fomos apanhados quando desembarcou um agente chamado Jongelie, cujo nome de guerra era "Arie". Preso, declarou que, para confirmar sua chegada são e salvo, devia imediatamente radiografar a Londres: "O expresso partiu na hora". Isso colocou os interrogadores num dilema. Estaria ele procurando enganar-nos?

Fui falar com Jongelie. Impassível ele respondia a todas as minhas perguntas com a declaração de que devia imediatamente transmitir o despacho: "O expresso partiu na hora", do contrário Londres compreenderia que ele caíra em poder dos alemães. Fingi, afinal, estar convencido. Aparentemente absorto nos meus pensamentos, disse-lhe que transmitiríamos a sua mensagem. E então, levantando os olhos de repente, surpreendi uma expressão de triunfo nos dele. Era realmente um estratagema.

Na primeira transmissão de rotina, mandamos o seguinte despacho: "Houve um acidente. Arie caiu mal e está desacordado. Médico diagnostica traumatismo grave". Três dias depois radiografamos: "Arie recuperou os sentidos ontem, por algum tempo. Médico espera melhoras". E no dia seguinte: "Arie faleceu. Esperamos prestar-lhe homenagens condignas depois da vitória".

Tivemos sorte: Londres tomava precauções normais, mas não podia supor que toda a sua rede de comunicações na Holanda e todos os seus agentes tivessem caído nas mãos dos alemães.

Pouco depois desse incidente, o quartel-general anglo-holandês começou a insistir que mandássemos de volta à Inglaterra, a fim de prestar informações, o agente Jambroes, chefe do grupo Marrow. Tínhamos que arranjar pretextos constantes para conservá-lo na Holanda: o principal era que a rota de comunicações para a Espanha andava difícil e perigosa. Reforçávamos essas informações dizendo que de vez em quando um agente partia para a França e não chegava a parte alguma. Quando Londres pedia informações sobre terrenos da Holanda onde poderia descer um avião para apanhar Jambroes, respondíamos que não conseguíamos achar lugar conveniente, ou então, quando parecia iminente um vôo especial, declarávamos à última hora que o local marcado era perigoso. Finalmente, tomamos a única atitude ainda possível: anunciamos que Jambroes estava desaparecido, "depois de uma incursão da polícia alemã em Roterdã".

Para remediar a situação, foi desembarcado na Holanda o Grupo Golf. Visava preparar rotas de comunicação e linhas de fuga seguras, através da França, Espanha e Suíça. Deixamos passar seis semanas e depois Golf radiografou a Londres que fora aberta uma rota segura até Paris e que o emissário seria um homem experimentado chamado "Arnaud". Na realidade, Arnaud era o nosso Unteroffizier Arno. Fingindo-se de refugiado francês, ele já havia entrado em contato com elementos da resistência e conseguira realmente penetrar nas rotas de comunicação do inimigo.

Para "experimentar a segurança" da linha de fuga do Grupo Golf, mandamos para a Espanha dois aviadores ingleses que viviam escondidos na Holanda. Três semanas depois, Londres confirmou que eles haviam chegado bem. Esse sucesso deu grande prestígio ao Grupo Golf e a Arnaud em Londres, e assim obtivemos informes sobre três estações do Serviço Secreto britânico em Paris, que serviam as linhas de fuga. A contra-espionagem alemã não tomou medidas contra essas estações, partindo do princípio de que obter informações - como passamos a obter em quantidade - era mais valioso do que a eliminação.

Nos meses seguintes, o Grupo Golf prestou realmente alguns serviços aos Aliados. Muitos aviadores inimigos que tinham sido abatidos na Holanda e na Bélgica foram encaminhados numa aventurosa viagem clandestina para a Espanha, sem saberem que estavam sob a asa da contra-espionagem alemã. Anunciávamos continuamente essas viagens, dando nomes e patentes, e quando os aviadores chegavam à Inglaterra realizávamos o nosso propósito: aumentar o prestígio do Grupo Golf, sem prejudicar a Nordpol.
Nessa altura eu começava a recear que as informações obtidas pelo inimigo nos países neutros não confirmassem as notícias que transmitíamos sobre movimentadas atividades de sabotagem na Holanda. Promovemos, então, uma série de atentados fictícios nas estradas de ferro. Hora e local eram planejados de maneira a evitar acidentes de trem, mas o assunto era muito comentado nos meios ferroviários holandeses.

Fizemos, também, explodir um navio em pleno dia, no Rio Maas, em Roterdã. Escolhemos uma barcaça de mil toneladas, que fazia o percurso para a Alemanha pelo Reno, com uma carga de peças de aviões destroçados e uma tripulação da Marinha de Guerra alemã. Pouco depois do meio-dia, numa bela tarde de agosto, houve uma explosão no momento exato em que a barcaça passava sob a grande ponte do Maas. Subiu ma enorme nuvem de fumaça e a embarcação começou a afundar. Homens a meu serviço tinham embarcado nela passando por engenheiros da luftwaffe e, sem despertarem as suspeitas da tripulação, fizeram detonar a carga de explosivos no lugar e no momento que convinham.

A lancha do capitão do porto "estava por caso nas proximidades", comigo a bordo. Tocamos depressa para o local do desastre e salvamos a tripulação da barcaça. Os destroços foram arrastados para a terra, pela correnteza, com a carga de velhas fuselagens e asas de aviões. Nas margens, milhares de habitantes de Roterdã aplaudiam e gritavam de alegria. A publicidade teve um êxito retumbante.

O capitão do porto, um honrado oficial alemão, passou uma semana interrogando febrilmente a tripulação da barcaça, num grande esforço para descobrir a origem da sabotagem. Mas nunca soube a verdade.

Em 31 de agosto de 1943, Ubbink e Dourlein, dois dos cinqüenta e tantos agentes que detínhamos na prisão de Haaren, conseguiram fugir e desapareceram. Eu estava convencido que aqueles homens corajosos e resolutos encontrariam algum meio de voltar à Inglaterra. Se conseguissem, trairiam a nossa organização.

Durante os dez primeiros dias de dezembro, as mensagens de Londres tornaram-se de repente monótonas e desinteressantes. Parecia que Ubbink e Dourlein tinham alcançado seu objetivo. Agora Londres procuraria enganar-nos a nós. Não deixamos transparecer que sabíamos que o grande logro fora, afinal, descoberto e continuamos as atividades normais. As mensagens de Londres apenas se tornavam cada vez mais desinteressantes.

Em março de 1944, propus a Berlim que puséssemos termo à farsa das operações Nordpol por meio de uma última mensagem. E assim foi que radiografamos aos homens que sabíamos estarem à testa do serviço secreto anglo-holandês:

Srs. Pancrácio, Simplório & Cia. Ltda., Londres. Sabemos que V. Sras. há algum tempo vêm procurando fazer negócios na Holanda, sem nosso auxílio. Lamentamos esse fato, pois fomos por tanto tempo seus únicos representantes no país em condições mutuamente satisfatórias. Asseguramo-lhes, não obstante, que, no caso de pretenderem fazer-nos alguma visita no continente, em escala considerável, dispensaremos aos seus emissários a mesma atenção de sempre, e uma acolhida sempre cordial.
O texto, em linguagem comum, foi radiografado para Londres no dia 1º de abril, por todos os dez canais. A data não podia ser mais indicada.

Na tarde seguinte, nossos radioperadores informaram que Londres aceitara a mensagem em quatro canais, mas que não respondera aos chamados dos outros seis. E assim foi encerrada a operação Nordpol.


Fonte: História Secreta Da Última Guerra  - Seleções Do Reader S. Digest
Autor: H.J. CISKES
http://pt.wikipedia.org/wiki/Abwehr



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor, sem ofensas, comentários ideológicos, racistas, antissemitas e semelhantes.

Se não concordar, discordar ou mesmo ter a acrescentar com o escrito no post, o dialogo é a melhor opção.

OBS: Não tenho muito tempo para responder todos comentários, então se seu comentário demorar a ser moderado, não venha reclamar comigo, pois tenho outras atividades alem desse blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...