quinta-feira, 26 de agosto de 2010

O Caso Sorge

Um selo com a foto de Richard Sorge



Em janeiro de 1965, informações periódicas, que passaram inteiramente despercebidas, comunicavam à opinião pública que as autoridades russas haviam condecorado três integrantes do grupo de espionagem de Richard Sorge. Era a primeira publicação que reconhecia na Rússia, oficialmente, a existência do célebre personagem.

Richard Sorge, o mais assombroso espião de todos os tempos, nasceu em Baku, Rússia, em 4 de outubro de 1895. Filho de um alemão e de uma russa, educou-se na Alemanha e foi, culturalmente, um alemão.

Sorge tomou parte na Primeira Guerra Mundial, sendo ferido várias vezes. O contato com a guerra e o pós-guerra o levaram ao comunismo, no qual ingressou em 1919, em Hamburgo. Em 1924 foi enviado à Rússia, país em que permaneceu até 1927, quando partiu para a Inglaterra. Ali, então, começou sua carreira de espião a serviço da União Soa:ótica. Os agentes russos, nesta época, eram recrutados entre os militantes dos grupos partidários de cada país. Sorge, imediatamente, propôs uma mudança total no sistema, propiciando o recrutamento de indivíduos alheios à organização partidária. O departamento militar russo que se encarregava da espionagem, o chamado IV Bureau, foi informado da intenção de Sorge e, imediatamente, aceitou-a. O nome Sorge, lentamente, começava a ser conhecido nos mais íntimos círculos da espionagem soviética.

Em 1930, Richard Sorge chegou a Xangai, como representante da revista Soziologisches Magazine, mas sua verdadeira missão consistia em organizar uma rede de espiões e exercer sua direção. Devemos destacar os três princípios fundamentais sobre os quais Sorge exerceu suas atividades: 1) No grupo não devia haver nenhum russo; 2) Os integrantes do grupo não deviam manter contato com o comunismo local, e 3) Os membros do grupo não deviam conhecer-se.

Em 1932, Sorge foi para Moscou e ali recebeu ordens para organizar uma nova rede de espionagem. A tática soviética de organizar vários grupos de espionagem - independentes e destinados a sobreviver à perseguição dos serviços de contra-espionagem - despontava. Em 1933, Sorge viajou a Berlim, onde desempenhou, sob disfarce, suas atividades. Na Alemanha foi nomeado correspondente, em Tóquio, do Frankfurter Zeitung, do German Kurier, da Teknische Rundschau e do Armsterdam Handelsblatt. Paralelamente, filiou-se ao Partido Socialista Nacional, que acabava de ascender ao poder. Misteriosamente, Sorge ingressou no partido nazista e sobreviveu a numerosas "limpas" de elementos indesejáveis. Há somente uma explicação lógica: a esquivança do espião russo, que, dessa maneira, passara despercebido. Por fim, Sorge partiu para o Japão, via Estados Unidos e Canadá. Chegou finalmente a Iocoama, em 6 de setembro de 1933, e, imediatamente, relacionou-se estreitamente com a colônia alemã e seu representante diplomático. Sua "lealdade" à Alemanha e ao regime lhe valeu, em 1939, a nomeação de adido de imprensa da embaixada alemã... Depois de sua chegada a Tóquio, Sorge começou a organizar o grupo de espionagem que trabalharia sob suas ordens. Foram então recrutados Branko Vukelich, jornalista iugoslavo que vivia em Paris; Yotocu Miyagi, um nativo de Okinawa, radicado na Califórnia, e outros mais. O círculo fundamental ao redor do qual girava Sorge e sua organização estava integrado dos mesmos e mais quatro pessoas: Ozaki, Vukelich, Stein e Klausen. Sorge tratava, habitualmente, com todos eles, mas, em linhas gerais, sua relação era maior com Ozaki, Vukelich e Miyagi. Cada um dos integrantes básicos do grupo tinha, por sua vez, seu próprio círculo.

Sorge, depois de lançar as bases da organização, começou a fortalecê-la com uma sólida infra-estrutura; organizou, paulatinamente, seu sistema de agentes, comunicações e correios. Finalmente, com a maquinaria perfeitamente ajustada, o grupo Sorge pôs-se em marcha. Entre 1933 e 1941, o grupo mandou à Rússia uma prodigiosa informação. Em 1939, Sorge informou à União Soviética que a Alemanha havia proposto uma aliança militar dirigida contra ela, mas que o exército e a marinha do Japão se opuseram. A União Soviética, ao ser informada do rechaço japonês à proposta alemã, conseguiu finalmente firmar um pacto com Hitler, que garantiu aos soviéticos a fronteira do leste e determinou a desaparição da Polônia.

Richard Sorge
O ano crucial de Sorge e seu grupo foi 1941. Em abril deste ano, Sorge informou a seus superiores que a Alemanha atacaria a Rússia em maio. Pouco depois, declarou que o ataque seria em 20 de junho (a invasão começou efetivamente, em 21 de junho de 1941). Estava para acontecer um fato que seria vital para a Rússia: a intervenção do Japão no conflito. Isto era particularmente importante, pois, se não houvesse esta intervenção, as forças russas no Extremo Oriente poderiam ser transladadas para a frente européia. A informação foi irradiada, finalmente, por Sorge: o Japão não atacaria a Rússia...

Os espiões, até este momento, operavam livremente, parecendo que não seriam descobertos. As operações eram realizadas com precauções extremas. Porém, um dirigente comunista japonês os entregou à polícia em 1944. Detido. Ito Ritsu informou à polícia japonesa que uma mulher, sua conhecida, era membro do Partido Comunista. A polícia localizou imediatamente a mulher citada e a deteve; ela, então, confessou suas relações com outros comunistas. Várias prisões foram feitas rapidamente. Miyagi foi detido em 10 de outubro; Aquiyama e Cuzumi, no dia 13; Ozaki, no dia 15, e, finalmente, no dia 18, foram presos Sorge, Klausen e Vukelich. Trinta e cinco pessoas implicadas caíram em poder da justiça japonesa.

Finalmente, apesar da reputação de severidade dos tribunais japoneses, apenas 19 pessoas foram sentenciadas; somente duas foram condenadas à morte: Sorge e Ozaki, que foram enforcados em 7 de novembro de 1944. Assim terminou a vida de Richard Sorge, talvez o mais famoso dos espiões russos.

Fonte: http://adluna.sites.uol.com.br/400/499-09.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor, sem ofensas, comentários ideológicos, racistas, antissemitas e semelhantes.

Se não concordar, discordar ou mesmo ter a acrescentar com o escrito no post, o dialogo é a melhor opção.

OBS: Não tenho muito tempo para responder todos comentários, então se seu comentário demorar a ser moderado, não venha reclamar comigo, pois tenho outras atividades alem desse blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...